2 de agosto de 2012

Ta Na Estante... 'On The Road' #27

POSTADO POR EM 2 de agosto de 2012

Heey galera, tudo bem?


Nossa, tava com saudades de blogar, haha. Tanta promoção pra lançar que eu não fiz post nenhum. Mas então, hoje chego com nova resenha para vocês. Dessa vez o livro é 'On The Road' a obra que deu origem ao filme Na Estrada dirigido pelo Brasileiro Walter Salles.

Livro: On The RoadAutor: Jack KerouacEditora: L&PM EditoresPáginas: 294
Sinopse: Sal Paradise é o narrador de On The Road - Pé na Estrada. Ele vive com sua tia em New Jersey, Estados Unidos, enquanto tenta escrever um livro. Ele é inteligente, carismático e tem muitos amigos. Até que em Nova York ele conhece um charmoso e alucinante andarilho que veio de Denver de personalidade magnética chamado Dean Moriarty. Skoob.

On The Road conta a história de Sal Paradise, ou Jack Kerouac, que vive Na Estrada durante as férias de faculdade. Tem como melhor amigo Dean Moriarty, um Americano que vive apenas para o sexo. Dividido em 4 pates, o livro narra viagens diferentes pelo território dos Estados Unidos. Ambos encontram vários amigos ao decorrer da estrada, se deparam com diversas aventuras e vivem, praticamente, mendigando. Passada nos anos 40/50, On The Road ensina que não precisa de muito para ser feliz.

O livro foi escrito durante essas viagens, que ocorreram de 1947 à 1951, quando Jack terminou de escrever seu livro. Sal seria Jack e Dean seria Neal Cassady, seu melhor amigo in real life. Durante essas viagens ele esteve com vagabundos, caroneiros, imigrantes, sempre bebendo muito e fazendo farra, e quase nunca tinha U$S1,00 no bolso.

Definitivamente eu esperava um pouco mais do livro, talvez por não entender muito a America de 1950 ou por não ser muito ligada nesse tipo de narrativa, On The Road não foi um livro que me prendeu. A leitura é um tanto lenta, pois o livro não trabalha com diálogos. Enfrentamos páginas com média de 2 parágrafos. Mas a leitura vale muito a pena. Por vezes nos colocamos no lugar dos personagens. Afinal, quem não queria, nas férias da faculdade, pegar uma mochila nas costas, colocar R$50,00 no bolso e embarcar pelo país, rumo ao desconhecido, ligar apenas para o sexo como Dean, escrever um livro como Sal, estar ao lado da pessoa que ama, mesmo que essa pessoa seja um vagabundo, como Marylou. É isso o que Sal faz, viaja pelo mundo, ou melhor, pelo seu mundo particular; os Estados Unidos. Indo de Leste a Oeste por meio de carona, encontrando um conhecido em cada cidade. Mas estando sempre a procura de uma única pessoa, Dean, seu melhor amigo. Quando estão juntos, na maior parte do tempo, o céu é o limite.

“pessoas mesmo são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, loucos para serem salvos, que querem tudo ao mesmo tempo agora, aqueles que nunca bocejam e jamais falam chavões, mas queimam, queimam, queimam como fabulosos fogos de artifício explodindo como constelações em cujo fervilhante – pop! – pode-se ver um brilho azul e intenso até que todos “aaaaaaah!”. Como é mesmo que eles chamavam esses garotos na Alemanha de Goethe?”


Beijoos

24 comentários:

  1. Me disseram que o filme demorava mais que os clipes da Lady Gaga, shauhsuahsauhsaus. Ok, parei.
    Me parecia ser um bom livro, não aqueles que nos deixa viciado, mas que faz jus a história. E é um livro diferente, não um que todos ficam lendo por aí, e sim um que se diferencia dos outros :)

    ResponderExcluir
  2. Adoreiiii a dica....eu vi flar do filme,mas não sabia do livro....boa dica :)
    Bjussss
    Passa lá depois!!


    http://nathysays.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehe, o livro é muito bom. Vale a pena conferir :)

      Excluir
  3. Adorei sua resenha, mas eu não ia querer nunca viajar pelo 'mundo' ou o meu mundinho, meu país, sem um real no bolso, mendigando, pedindo carona e convivendo com pessoas que eu nem sei quem são...kkkk .... isso é coisa dos anos 50 mesmo...hsuahsuah ... mas quero ler o livro mesmo assim!! Parabéns Bah

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk, também não LOL. Obrigada amore :)

      Excluir
  4. Livros ligados a Kris acabam com o momento de êxtase.
    O livro parece ser legal.

    Selene Blanchard
    Bacio,Moda & eu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oushente, por quê?? Ela não tem nada a ver com o livro, a penas interpretou uma das personagens dele no filme. #LOL

      Excluir
  5. Adorei a resenha *-*
    Um beijão.
    http://livrodagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. O livro parece legal, e eu já tive essa vontade de colocar uma mochila nas costas e viajar sem rumo, só aproveitando o tempo e tudo mais... confesso que foi isso que mais me chamou a atenção.
    Beijokas!
    www.idelmaria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haushau, eu também sou louca para fazer isso !

      Excluir
  7. Me parece muito bom, é um livro que eu leria, inclusive vai entrar pra milha lista de desejados :)
    bjs, Juh- Céu de Letras

    ResponderExcluir
  8. Ain que resenha boa!Dá até vontade de ler o livro \o/ Parece que ele é super legal...vou tentar comprá-lo
    beijokas Babs
    http://fomesedeevontadedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Quero muito ler o livro e assistir o filme, parece que ambos são muito bons.
    Amei a resenha *-*

    ResponderExcluir
  10. Fiquei curiosa agora... Dizem que o filme é muito bom, então o certo seria esperar mais ou menos o mesmo nível do livro, né? Só fiquei assustada com o número de parágrafos por página. Torna a coisa um tanto massante... Quero muito ler, grana vemk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hsuahsua, realmente a leitura intensa é o que o livro deixa a desejar.

      Excluir
  11. Comece a ler outro dia, to lendo devagar. Saborando!

    Estou amandooo o Dean, ele é muito louco! kkkk

    Beijo!
    milalices.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Olá Barbara, como está amiga ?
    Como sempre suas resenhas são perfeitas !
    E que frase, hein,amei!

    “pessoas mesmo são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, loucos para serem salvos, que querem tudo ao mesmo tempo agora, aqueles que nunca bocejam e jamais falam chavões, mas queimam, queimam, queimam como fabulosos fogos de artifício explodindo como constelações em cujo fervilhante – pop! – pode-se ver um brilho azul e intenso até que todos “aaaaaaah!”. Como é mesmo que eles chamavam esses garotos na Alemanha de Goethe?”

    Beijo e uma semana fabulosa !

    ResponderExcluir