2 de junho de 2013

Aleatoriedades e um café, por favor #4 - Cuidado com o que Você Deseja

POSTADO POR EM 2 de junho de 2013
Ola, folks :)
Tudo bem com vocês? 



Cuidado com o que você deseja


Dentro do ônibus digitando isso no meu celular, enquanto uma chuva pesada cai do lado de fora, em 02/06/2013

Você não vai acreditar.
Eles terminaram.
Eu sei, tipo, não deveria ser, mas está se tornando normal os casais terminarem seus namoros com 3, 4 meses juntos, e na maioria das vezes por motivos idiotas: ciúmes, porque o viu conversando com aquela garota que ela odeia, ou porque ele preferiu sair com os amigos, ou coisas piores do tipo, ela usou uma saia curta demais, e ele desaprova isso. Coisas nesse nível. Agora um casal que está junto a 4 anos e 3 meses. Eles ... eles eram a minha esperança. Você lembra disso? Deve se lembrar. Para mim eles eram o exemplo puro de que o amor verdadeiro existia, e que em alguma esquina desse planeta, o meu cara, seja ele um francês, americano, brasileiro, chinês, esteja me esperando, lendo um trecho de um livro, ouvindo uma música ou só esperando um amigo para ir para um compromisso. Eles se conheceram de uma maneira incomum – dentro do cinema, enquanto ela falava mal de um trailer e ele bem, e os dois ficaram discutindo sobre suas opiniões, e acabaram trocando os números de telefone ao fim disso -, eles saíram por 3 meses, sem rolar beijo nem nada mais, e de repente, num dia comum, entre uma xícara de café e uns comentários de séries e livros, eles se beijaram e ela o pediu em namoro. Eles tinham suas vidas com suas famílias e amigos, não viviam grudados, feitos siameses, saiam só nos fim de semanas, conversavam por mensagem ou telefone durante a semana, viajavam, viam filmes, séries, comiam juntos, transavam, faziam compras, discutiam sobre coisas bobas, se amavam e se completavam de um modo impar. Passaram por n situações que só Shonda Rhimes poderia criar como plot de uma de suas series dramáticas, e eles superaram todas com louvor, e sem deixar de acreditar no amor um do outro por nenhum momento. E de repente ... do nada, eles terminam. Ninguém esperava por isso. Acho que nem eles.
Você já ficou tão chocado com algo que não teve reação quando lhe contam algo? Então, eu fiquei muda. Eu a encontrei na lavanderia, fui lavar aquele meu edredom do Doctor Who, aproveitar que o verão se aproxima, então é o momento de lavar tudo do frio – e ela estava lá, lavando várias roupas, tinha uma expressão saudável, então a cumprimentei animada, fiz altas perguntas e perguntei pelo amado dela, e foi quando ela revelou: ah, nós terminamos.
“Mas como?” Eu questionei, em choque, já a abraçando e a olhando com os olhos cheios de lágrimas. “Vocês eram perfeitos juntos.” Eu disse, sem perceber que podia estar ferindo mais os sentimentos dela constatando o obvio, mas ela apenas sorriu, e mexeu nos cabelos loiros pratas, com uma confiança inaquebrável.
“Foi melhor assim.Éramos mais amigos do que namorados.” Mas ... mas todo namoro precisa desse tipo de cumplicidade, será que eles não foram precipitados, questionei, argumentei, discuti, fomos tomar um café para continuar debatendo sobre o assunto, almoçamos e o assunto ainda estava durando, apenas concluímos por que eu tinha que ir trabalhar e ela tinha que ir ao salão, tinha uma festa a noite e ia encontrar o seu novo namorado, Brad. Moreno, mexicano e recém formado em teatro, um lindo, ela disse. Um lindo.
E foi com essa que nós nos despedimos, ela foi para um lado e eu fiquei sentada no restaurante olhando para ela partir sem reação. Como assim? Um lindo, você trocou seu relacionamento estável, dos sonhos de qualquer pessoa por um encontro com “um lindo”? Eu aceito os argumentos que ela me apresentou – o sexo não era a mesma coisa, estava tudo muito normal, não tínhamos mais futuro, éramos mais amigos do que amantes, eu sinto falta da paixão, e ele não tinha mais isso -, mas ela nem se quer prestou atenção nos meus argumentos, apenas sorria, assentia e reafirmava que sua decisão foi em conjunto a dele e que ambos estavam felizes com isso. Mandei uma mensagem a ela, a chamando de preguiçosa patológica, ela respondeu que não entendeu e eu a ignorei. Eu tenho preguiça de tomar banho 6 A.M, tenho preguiça de ter aula de manhã cedo, de sair domingo porque é meu dia de dormir o dia inteiro, agora ter preguiça de tentar salvar um relacionamento, e simplesmente aceitar que acabou. Que tipo de amor é esse? Me explica. Não, porque alguém precisa me explicar.
Eles eram a minha esperança, eu os olhava, e dizia: eu quero um cara assim, um cara que me completa, que aceita meu lado independente e entenda o meu dependente, que brigue comigo, mas que me puxe para um beijo apaixonado, sem medo de me embaraçar, e sim querendo apenas mostrar que me deseja, que o sexo seja excelente, mas que o depois seja fantástico, que ele complete as minhas frases e que ria de minhas piadas idiotas, e que seja meu, mas que sozinho, ele seja ele, sem resquícios de mim. Sem cobranças. Sem necessidades. Apenas amor. 
Só de pensar que eles terminaram, eu fico sem chão, e o pior, ela está tão bem, tão ... feliz, e eu na maior fossa por ver um platonismo se desmoronar diante dos meus olhos.
Ontem ela me ligou, me chamando para ir numa boate de samba, disse que ia se encontrar com o Paulo lá – quem é Paulo? – e falou que ia me apresentar alguns caras, e que eu ia amar sambar com eles e conhecer esses caras novos, e quem sabe, eu não encontrava o cara que tanto almejo.
Eu disse que “não, que ia ficar fazendo maratona Dawson’s Creek” com muita pipoca e o Nutella – sim, meu gato preto ainda está vivo – nos meus pés, mas quem sabe semana que vem ...” só que não ...
Platonismo serve para mim, essa coisa de sair com um hoje, amanhã to com outro, e no outro dia, nem sei mais quem sou, onde estou, o que quero, quem quero, não dá certo para mim, isso causa um tilt no meu cérebro, um incomodo no meu coração e destrói muito o caráter que demorei uma adolescência inteira para construir, moldar e aperfeiçoar. Ela tentou me convencer, mas voltei a negar, com uma felicidade e tranqüilidade que não é qualquer solteira convicta que tem e disse por fim: Pode ir tranqüila, o meu cara está me esperando em algum lugar desse mundo, em uma esquina qualquer, e num dia qualquer, ele vai olhar para o lado – ou para frente e para trás – e vai me ver, e por algum motivo – seja o que eu estiver falando, vestindo, lendo, comendo ou simplesmente por respirar – Eros vai fazer ele vir até mim e como num encaixe, nós vamos nos encontrar, e ai ... e ai não sei, só sei que um cara em uma boate de samba ou um carinha que conheci no curso de espanhol não é o que quero para mim hoje, acho que você nasceu para momentos, eu nasci para a eternidade, enquanto para hoje você quer um, o que eu quero hoje, é o para sempre, e eu não me importo de esperar o meu feliz para sempre porque eu sei que vai valer para sempre.
Ela?
Ela desligou na minha cara.
E eu?
Apertei o play e me entreguei a uma maratona de Dawson’s Creek, me enrolando em meu edredom do Doctor Who e tendo certeza, que podia estar me divertindo com qualquer cara na tal boate de samba, mas o meu cara, da esquina de algum lugar no mundo, valia muito a pena esperar, onde quer que ele esteja ... e eu, vou esperar.
Sempre. 

Um grande beijo, daquela que é sua pessoa hoje e sempre,


Ann


Desculpa pelo post estar saindo apenas agora, mas tive problemas ontem - Sábado -, então só pude postar o conto hoje, espero que vocês me perdoem por essa falha , novamente. Meus sábados tem sido movimentados nessas últimas semanas, então só estou conseguindo postar no Domingo.
O que acharam desse conto?
Ansiosa pela opinião de vocês e muito obrigada aos leitores que tem comentado, a opinião de vocês enchem meu coração de alegria :)
Um grande beijão, Bárbara Herdy.

16 comentários:

  1. Nossa que texto incrível! Adorei, parabéns pelo blog!!
    Bjos
    http://espacodajuu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ju :D
      Muito obrigada pela sua opinião, fico muito feliz por saber que curtiu esse texto, em particular, é um dos meus favoritos até então.
      Espero vê-la nos próximos contos, um grande beijo e obrigada por passar por aqui ♥

      Excluir
  2. Barbara sendo linda!
    Concordo, a gente vê com muita frequência namoros terminando com pouco tempo.
    E o pior que sempre olhamos e pensando "quero um assim, um assado" mas esquecemos que a nossa realidade pode ser outra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lana, sua linda!
      HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHA
      Exatamente, a ideia do conto é exatamente essa, mostrar que o que pode ser "ouro" para nós, pode ser uma biju baratinha aos olhos dos outros, não que seja errado, pelo contrário, é sempre bom termos nossas próprias idealizações, mas é bom também estar preparado para o fato que nem tudo será da maneira que idealizamos, mas isso é história para outro conto.
      E namoros que terminam em pouco tempo? Ixi, to vendo muito isso por ai! Triste :/

      Obrigada por passar por aqui e pelo comentário.
      Um grande beijo!

      Excluir
  3. Adorei o texto,
    nossa ela superou bem rápido viu,
    a decepção do término deles foi a mesmo que senti com
    o término do Ian e da Nina :/
    Sabe o que me deu curiosidade???Queria saber como ele ficou,
    ela pelo visto superou bem mais e ele???

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Delmara :D
      Eu adorei fazer esse texto, e ouso dizer que é um dos meus favoritos até então.
      Eu também fiquei bem surpresa com o termino do Ian e da Nina, mas é aquela coisa, sempre há um motivo, podemos achar que está tudo bem, mas a pessoa pode estar interpretando uma personagem feliz, quando por trás disso, ela está bem triste :/
      Yaaaaaaaaaaaaaaaaay, amei sua sugestão, está anotada, e fique de olho, em breve, saberemos como ele ficou, já tenho ideias e Ann está ouvindo umas coisas por aqui.
      Um grande beijo e obrigada pelo comentário :D

      Excluir
  4. Hey, gostei desse conto *-*
    Sabe, se alguns dos namoros que eu vejo durassem 3,4 meses, já seria algo >< Relacionamento anda tão banalizado hoje em dia.

    Beijos
    Pepper Lipstick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Biiiia :D
      Muito obrigada pela sua opinião.
      Eu concordo, há um tempo atrás, eu via as pessoas namorando 4 - 6 meses e achava pouco, agora vejo ficarem 1 mês e fico em choque, como os tempos mudam.
      Eu não quero pensar assim, mas, tenho que concordar, anda banalizado mesmo :/

      Muito obrigada pela sua opinião e um grande beijo :D

      Excluir
  5. E a gente vai esperando e esperando e esperando....é, texto bonito, mas o final é tenso :S

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Cris :D
      Pois é, espero que a Ann não precise esperar por muito tempo, mas a vida é assim, esperamos, somos surpreendidas, depois somos surpreendidas de modo negativo, e esperamos, e esperamos ...
      Muito obrigada pela sua opinião e te espero ansiosa no próximo :D

      Excluir
  6. Isso afeta praticamente toda a sociedade ne Barb ? Acho que se a pessoa esta feliz com o termino do relacionamento ou que adora sair pegando geral,se ela for feliz é isso que importa. Ás vezes desejamos algo que não podemos e nos devemos mudar isso pois a vida de cada um pertence a si mesmo ;D Como sempre arrasando nos contos , que o proximo fim de semana chegue para eu ler mais uma estória da Ann *-----*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiii, Lauro :D
      Exatamente!
      Eu sinto que os relacionamentos andam desvalorizados atualmente, no entanto, tem pessoas que gostam de sair pegando geral, se divertem assim e são felizes, então porque julgar? Do mesmo modo, que eu, valorizo relacionamentos e quero viver um de muitos anos, por gostar assim. É uma questão de respeito, caráter e gosto.
      Como falei lá em cima, as vezes desejamos/idealizamos muito algo/alguém, e acabamos ficando cegos para as oportunidades que nos é dada, e podemos nessa perder um grande amor ou até mesma, uma grande oportunidade, mas como vc disse e brilhantemente: a vida de cada um pertence a si mesmo. Sem mais HAHAHAHAHAHAHAHAHAHHA
      Muuuito feliz por estar lhe agradando, espero que o conto dessa semana te encha de alegrias, confesso que está bem engraçadinho *--------*
      Um grande beijo e obrigada, mais uma vez, pelo carinho e comentário.

      Excluir
  7. queria ter nascido um pouco mais antigamente, só por causa do compromisso que as pessoas tinham...
    hoje em dia, é uma coisa normal ficar só por ficar... coisa que eu não acho que seja legal...
    e os namoros que duram 3 meses nem podem ser chamados de namoro né?
    plz
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Noossa, acho que nasci na epoca errada! Sou do tipo que assumir compromisso so se realmente tiver a intenção de fazer durá-lo! rs
    Adorei o texto!
    Beijos
    Jessica
    http://honey-pixel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Sou do tipo que se é pra ter um relacionamento, é necessário ter compromisso, ser sério. Adorei o conto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Super bacana esses textos que você posta , sempre ensinado uma lição...muito bacana mesmo...

    ResponderExcluir