Oi, gente. Tudo bem?

     Voltei com mais uma resenha. Dessa vez, o livro é um YA steampunk distópico… Vamos conferir?

Livro: Dearly, Departed – O Amor Nunca Morre
Autor: Lia Habel
Editora: iD
Páginas: 480
Sinopse: Ela é Nora Dearly, uma garota neovitoriana de 17 anos que sofre com a morte dos pais e vive infeliz aos cuidados da tia interesseira. Ele é Bram Griswold, um jovem soldado punk, corajoso, lindo nobre…e morto! No ano de 2187, em meio a uma violenta guerra entre vitorianos e punks, surge um perigoso vírus, capaz de matar e trazer novamente à vida.
As pessoas tornam-se zumbis, mas nem todos são assassinos e devoradores de carne. Há os que lutam para que o vírus não se espalhe…
Apenas Nora tem o poder da cura em suas mãos, ou melhor, em, seu sangue. Ela não sabe disso, e corre perigo. É papel de Bram protegê-la…

      Após perder o pai para uma terrível doença, Nora passa a morar com uma tia interesseira, eu um conjunto residencial subterrâneo. Ela estuda em uma escola para damas e convive todos os dias na mesmice ao lado de sua melhor amiga, Pamela. Mas então Bram cruza seu caminho, ele está disposto a tudo para sequestrá-la e tirá-la dessa monotonia.

     Nora e Bram vivem vidas completamente diferentes. Não é pelo fato dela ser um membro da sociedade neovitoriana e ele um reles soldado punk. Bram está morto. Ele é um zumbi, afetado pelo vírus capaz de matar e trazer novamente à vida. Mas ele não é um zumbi mal. Diferentemente dos cinzas, que não hesitam em matar pessoas, Bram não se alimenta de carne humana. O dever dele é proteger Nora, e junto de seus amigos do exército encontrar uma cura para a doença que transforma as pessoas em zumbis.

     A capa do livro me conquistou instantaneamente. A modelo com uma roupa neovitoriana e com a sombrinha me fez pensar que era um romance de época, mas depois que li a sinopse – e o termo zumbis apareceu – fiquei muito curioso.

     Dearly, Departed foi o primeiro livro steampunk que li. Não sabia muito bem do que se tratava o tema. A combinação de era vitoriana com zumbis em uma distopia era algo que nunca pensei em ler. A autora conseguiu ousar e ir além, criando uma história engenhosa e agradável, não se perdendo em descrições cansativas e fugindo dos estereótipos.

     O livro é narrado em primeira pessoa, por cinco narradores diferentes. Gostei desse formato, mas confesso que só gostava de três narradores. As partes em que Nora e Pamela narravam eram minhas favoritas, pois tinham muito mais detalhes de diferentes parâmetros. As cenas de Bram também eram legais, pois era possível ver a história através da perspectiva de alguém que sabia o que realmente acontecia ao redor. Além disso, a forma como Lia passava de um cenário para o outro, sem se deixar perder foi impecável.

     Se você é do tipo que não gosta ou tem medo de zumbis, não se preocupe. Aqui as criaturas não são tão selvagens. Existem dois tipos de zumbis: os que perdem totalmente seus sentidos e razão, e saem por aí devorando pessoas e os zumbis que parecem normais, estando com seus cérebros em perfeito estado, embora não se possa dizer o mesmo de algumas partes de seu corpo. E sim, um zumbi que se apaixona, mas nada surreal ou forçado.

     A protagonista é corajosa e determinada. Mesmo sendo uma “dama”, ela não tem os mesmos costumes das outras meninas. Ela sabe usar uma arma e não fica apenas gritando e esperando alguém vir salvá-la. Nora sabe o que fazer nas situações de perigo. As 60 páginas iniciais do livro são um pouco arrastadas e confusas. Entretanto, a partir do momento em que você engata a leitura não consegue deixar de ler.

     Darly, Departed é o primeiro volume da série “Gone with the Respiration” e foi um incrível começo. Repleto de ação, com personagens cativantes e uma distopia bem montada, o livro conquistou um lugar entre os meus favoritos. Estou surtando, esperando o lançamento da continuação, Dearly, Beloved, que a editora iD pretende lançar em junho deste ano.

     Só tenho duas reclamações a fazer. A primeira: o preço exorbitante. Eu paguei R$42,90 por esse livro na Saraiva física, o que achei um absurdo, devido à segunda reclamação: a revisão. Caramba, o livro foi muito mal revisado. Palavras foram inventadas, letras foram trocadas, verbos conjugados errados, nomes de personagens errados… Enfim, foi trágico.

Beeijos

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

21 Comentários

  • Bianca R. dos Santos
    23 junho, 2013

    A capa do livro é muito linda mas não sou muito chegada à coisas que tem zumbis.

  • Andreza Galvão
    17 junho, 2013

    Oie!
    Não me interessei pelo livro. Primeiro porque estou fugindo de série! rs E depois, não curto mesmo zumbis. :~ Mesmo que esses não sejam tão violentos e tal, mas acho que não iria gostar de ler. Ainda não li nada de steampunk. Tenho curiosidade em ler Alma?.

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      20 junho, 2013

      O gênero steampunk apareceu e até agora só li este e Anjo Mecânico. Também morro de vontade de ler Alma?

  • Cláudia Cardoso
    17 junho, 2013

    Realmente, até a página 100 a história não me prendia. Quando fui viajar, me obriguei a levar o livro e como só tinha ele para ler… Enfim, depois que a distopia nos é apresentada, o livro fica muito bom. Recomendo a todas as minhas amigas!

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      20 junho, 2013

      Aconteceu algo parecido comigo. Fui passar o fim de semana na casa da minha avó e o único livro que tinha lá era esse. Me obriguei a ler, mas adorei!

  • Ana Lopes
    15 junho, 2013

    Eu nunca tinha visto nenhuma resenha sobre esse livro , e achei super bacana , não tem só zumbis devoradores de cérebro(se eu estiver errada me corrige por favor , tô meio ruim de português ) mas enfim , acho que seria uma leitura bem agradável .

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      15 junho, 2013

      A leitura se arrasta inicialmente, mas depois que você engata, fica impossível de abandonar…

  • Vânia Gama
    13 junho, 2013

    NÃO CREIO que o nome da protagonista é Nora DD:
    pode ser um preconceito meu, mas eu já lendo da série hush hush… que a protagonista é um saco!
    bom… mesmo assim.. a história parece ser bem legal!
    voce leu em inglês?
    beijos

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      14 junho, 2013

      Nora é um nomezinho comum lá fora, hahahaha'
      Eu gosto um pouquinho da Nora de Hush, Hush – só em Silêncio, pra dizer a verdade!
      Eu li em português mesmo, a história é incrível!
      Beijos

  • cristiane
    13 junho, 2013

    É de virar favorito e não consegui ler o meu ainda :S
    Caramba, preciso! A história é muito boa! E esse gênero é tão gostoso de ler, irreal e bom, sei lá…gosto desse tipo de leitura.

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      13 junho, 2013

      Esse tipo de leitura realmente é incrível. O livro tem quase quinhentas páginas e depois que passa da 60, você nem percebe. Leia, vale muito a pena!

  • Gih Alves
    13 junho, 2013

    Olá, Leonardo!
    Preciso dizer que o meu interesse pelo livro foi por água abaixo com a sua definição confusa logo na primeira linha. Piorou um pouquinho mais com o meio da resenha…: "A combinação de era vitoriana com zumbis em uma distopia era algo que nunca pensei em ler. Só por se passar na era vitoriana, é impossível que seja uma distopia: distopias são caracterizadas por histórias que se passem no futuro, com governos decadentes e um mundo em caos (normalmente desastres ambientais, bomas nucleares e/ou guerras que massacram a população mundial). Como, então, um livro que se passa há pelo menos duzentos anos, pode ser considerado uma distopia?

    • Leonardo Amarante
      Leonardo Amarante
      13 junho, 2013

      Aconteceu uma guerra no passado e os sobreviventes se juntaram e fundaram uma nova nação. Eles adotaram os costumes da era vitoriana, pois achavam que os cidadãos seriam excelentes pessoas se vivessem assim. O livro se passa no final do século 22, dois mil cento e noventa e alguma coisa, então é uma distopia. Como citado na resenha, o período é NEOvitoriano (NEO = novo).
      Espero que tenha entendido, se não, leia o livro!

  • Mirelle Candeloro
    11 junho, 2013

    Nunca li nada desse gênero, mas morro de vontade!! Adorei a resenha. Beijos, Mi

    http://www.recantodami.com

  • Renata
    11 junho, 2013

    Nossa, que mistura! Uma época neovitoriana futurística e com zumbis. Nunca pensei nisso.
    Bom, se não for igual a Sangue Quente/Meu namorado é um zumbi, então tudo bem.

    Beijos,
    Resenhando Books

  • Lauro Moura
    11 junho, 2013

    A capa é um atrativo muito importante pra esse livro, é realmente bem bonita *-*, adorei a sinopse, a estória ,a resenha, ou seja , outro livro que vai pra minha imensa Wish List ( tenho que parar de ler tantas resenhas legais kk ) esse livro me conquistou com força rs ;D

  • Livroterapias
    11 junho, 2013

    Realmente a capa é linda!
    Eu quero ler agora!!!
    Gostei do estilo do livro!
    Sua resenha me conquistou!
    Beijinhos
    Rizia – Livroterapias