“O tamanho não é o que
faz mal a este gênero de histórias. É naturalmente a qualidade; mas há sempre
uma qualidade nos contos que os torna superiores aos grandes romances, se uns e
outros são medíocres: é serem curtos” – Machado de Assis
Afinal, o que é um
conto? De acordo com o dicionário, temos a seguinte entrada para a palavra:
conto1
con.to1
sm (der regressiva de contar1 Narração falada ou escrita. 2 História ou historieta
imaginadas. 3 Fábula. 4 Patranha inventada para
engazopar indivíduos rústicos e geralmente de má-fé. sm pl Embustices, histórias, tretas. C. acumulativo, Folc: brinquedo infantil que consiste
no encadeamento de palavras articuladas em série ininterrupta, formando
histórias sem fim. C. da carochinha:conto popular para crianças; lenda. Cair no conto: ser iludido.
Basicamente, contos são obras de ficção em que
são criados universos, seres e acontecimentos, de fantasia ou imaginação. É
composto por narrador, personagens e um enredo. Uma das características mais
marcantes é sua pequena extensão, mais conciso que um romance ou uma novela.
Assim como os demais gêneros literários, ele
também passou pela fase oral e acabou na fase escrita (a partir da Bíblia).
O contista mais famoso aqui no Brasil é sem
sombra de dúvidas Machado de Assis. Abaixo, você pode conferir um trecho
transcrito do conto A Cartomante:
Como daí chegaram ao amor, não o soube ele nunca. A verdade é
que gostava de
passar as horas ao lado dela, era a sua enfermeira moral,
quase uma irmã, mas
principalmente era mulher e bonita. Odor di femmina: eis o
que ele aspirava nela,
e em volta dela, para incorporá-lo em si próprio. Liam os
mesmos livros, iam
juntos a teatros e passeios. Camilo ensinou-lhe as damas e o
xadrez e jogavam às
noites; — ela mal, — ele, para lhe ser agradável, pouco menos
mal. Até aí as
coisas. Agora a ação da pessoa, os olhos teimosos de Rita,
que procuravam muita
vez os dele, que os consultavam antes de o fazer ao marido,
as mãos frias, as
atitudes insólitas. Um dia, fazendo ele anos, recebeu de
Vilela uma rica bengala de
presente, e de Rita apenas um cartão com um vulgar
cumprimento a lápis, e foi então que ele pôde ler no próprio coração, não
conseguia arrancar os olhos do
bilhetinho. Palavras vulgares; mas há vulgaridades sublimes,
ou, pelo menos,
deleitosas. A velha caleça de praça, em que pela primeira vez
passeaste com a
mulher amada, fechadinhos ambos, vale o carro de Apolo. Assim
é o homem,
assim são as coisas que o cercam.
Camilo quis sinceramente fugir, mas já não pôde. Rita, como
uma serpente, foi-se
acercando dele, envolveu-o todo, fez-lhe estalar os ossos num
espasmo, e pingoulhe o veneno na boca. Ele ficou atordoado e subjugado. Vexame,
sustos,
remorsos, desejos, tudo sentiu de mistura; mas a batalha foi
curta e a vitória
delirante. Adeus, escrúpulos! Não tardou que o sapato se
acomodasse ao pé, e aí
foram ambos, estrada fora, braços dados, pisando folgadamente
por cima de
ervas e pedregulhos, sem padecer nada mais que algumas
saudades, quando
estavam ausentes um do outro. A confiança e estima de Vilela
continuavam a ser
as mesmas.

E você? O que acha dos
contos? Tem algum predileto?

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!


Deixe seu comentário

10 Comentários

  • Oliveira
    30 setembro, 2013

    Lembro-me de quando criança minha prima contando contos para mim e minha irmã na hora de dormir. Amo contos, pois lembra muito minha infância.

  • Anna Canedo
    30 setembro, 2013

    Eu amo contos , e acho fantástico autores que conseguem através desse contos ( que são narrativas em sua grande maioria pequenas ) envolver o leitor em histórias com clímax surpreendentes . A cartomante é sensacional !! Sou apaixonadíssima por esse conto!!

    Beijos , Anna
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

  • Amiga da Leitora - Thais
    30 setembro, 2013

    Não costumo ler muitos, mas gosto do gênero sim!

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

  • Lauro Moura
    29 setembro, 2013

    Os contos me agradam muito ;D. Apesar que quando eu gosto demasiadamente de um, sinto uma enorme ressaca literária pois ao serem curtos sempre deixam um gostinho de quero mais. Machado de Assis com certeza foi e sempre será um mestre, suas obras despertam o melhor em qualquer pessoa que lê seus contos não só com os olhos, ou com a mente, mais sim com a alma *—*
    Beijooos.
    Lauro,
    http://entreversosepaginas.blogspot.com.br/

  • Camila
    29 setembro, 2013

    Eu gosto bastante dos contos pois sempre tem uma mensagem positiva no final…

  • Clara Beatriz
    29 setembro, 2013

    Qual a diferença entre um conto e uma crônica? Queria ler um livro de contos e também de crônicas. Deixa eu ver: conto é fictício, e crônica não? Ou não tem nada a ver? hahaha

    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    • Pamela Moreno Santiago
      29 setembro, 2013

      Crônica aborda temas cotidianos que possam ser lidos em qualquer época, que ele se encaixará da mesma maneira.
      Contos são fictícios. :3

  • Mirelle Candeloro
    29 setembro, 2013

    Sempre morri de dificuldade de entender a diferença de um conto e uma crônica, e de como escrever cada um dos dois, até porque não tenho o hábito de ler esses gêneros, então fica mais difícil, mas valeu pela explicação. Beijos