18 de abril de 2014

Na Telona :: 'Divergente' #1

POSTADO POR EM 18 de abril de 2014

Oi, gente. Tudo bem?


Hoje eu vim "estrear" uma nova coluna aqui no SEA. Na Telona vai trazer críticas de lançamentos cinematográficos e daqueles filmes que todos querem ver, mas tem algum receio, para vocês. Já fazíamos isso na coluna "Na Telinha", que agora ficará apenas com as séries de TV. 

E pro primeiro post dessa nova coluna, hoje trouxe para vocês a minha opinião sobre Divergente, que chegou ao Brasil ontem.


Sinopse: Baseado no romance homônimo de Veronica Roth. Na futurística Chicago, quando a adolescente Beatrice (Shailene Woodley) completa 16 anos ela tem que escolher entre as diferentes facções que a cidade está dividida. Elas são cinco, e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade, coragem e outros. Beatrice surpreende a todos e até a si mesma quando decide pela facção dos destemidos, escolhendo uma diferente da família, e tendo que abandonar o lar. Ao entrar para a Audácia, ela torna-se Tris e vai enfrentar uma jornada para afastar seus medos e descobrir quem é de verdade. Além disso, Tris conhece Four (Theo James), um rapaz mais experiente na facção que ela, e que consegue intrigá-la e encantá-la ao mesmo tempo.


Divergente é uma distopia, passada numa Chicago futurista. Essa cidade, cercada por cercas, é dividida em facções: Abnegação, Amizade, Audácia, Erudição e Franqueza. Cada uma dessas facções é responsável por um trabalho para melhor funcionamento da sociedade. Os jovens, ao completarem dezesseis anos, precisam decidir em qual facção viverão: se continuarão em sua facção de origem ou serão transferidos. Para ajudar na decisão eles passam por um teste de aptidão, que tem como resultado aquela facção que o jovem mais tem identificação.

O filme segue o ponto de vista de Beatrice Prior, que está próxima de sua Cerimônia de Escolha. Beatrice pertence à Abnegação, a facção dos altruístas, mas não está certa de que esse é o caminho que quer seguir. Pra piorar, seus teste de aptidão tem resultado inconclusivo, algo raro e muito perigoso para ela. A menina descobre ser Divergente e, mesmo sem saber o que isso quer dizer, sabe que não pode revelar a ninguém.

No dia de sua cerimônia, Beatrice está nervosa e com medo do que o destino reservaria para ela. Seu teste havia lhe apontado três facções e ela deveria escolher entre elas. Beatrice sabia que não tinha condições de seguir na Abnegação, mesmo que isso fosse magoar seus pais e também não poderia ir para a Erudição, pois não se encaixaria de forma alguma. Desde criança ela admirava os integrantes da Audácia, a facção dos corajosos, e agora que tem a chance de escolher, Beatrice opta por seguir na Audácia e tornar-se um deles.

A partir dessa escolha, a vida da menina muda radicalmente. Agora se chamando Tris, ela precisa encarar todos os desafios da iniciação da Audácia, que são extremamente complicados e a esgotam física e mentalmente. Se não passar nos testes, Tris transformaria-se numa sem facção, que vivem nas piores condições de vida, sem um lugar na sociedade. Agora Tris está amadurecendo, aprendendo coisas que nunca sonhou, como atirar, arremessar facas, ser forte diante de todas as dificuldades e a se importar com ela mesma acima de tudo.  

No meio disso tudo, ainda está ocorrendo uma disputa política que pode acarretar em grandes problemas. Os membros da Abnegação são responsáveis pelo governo, pelo fato de sempre colocarem os outros acima deles próprios, mas os membros da Erudição almejam o controle da cidade e não tem escrúpulos para conseguir o que querem. Pra piorar, sua líder, Jeanine Matthews, quer exterminar todos os Divergentes, que são considerados ameaças ao seu poder e ao sistema de facções. Tris se vê perdida no meio disso tudo e precisará escolher um lado nessa guerra e em quem pode confiar.

As Facções


Confesso que minhas expectativas para Divergente não estavam muito altas. Conversando com a Mirelle, do Recanto da Mi, que assistiu ao filme em uma cabine de imprensa, fiquei sabendo de algumas mudanças e de algumas cenas cortadas que me deixaram bem chateado. Porém, fui surpreendido.

O filme começa com uma introdução, apresentando o universo proposto pela distopia, explicando o sistema das facções e a Cerimônia da Escolha. Isso é ótimo para aqueles que não leram o livro não se sentirem perdidos ao assistir o filme.

Divergente conseguiu cumprir – e muito bem – sua função de entreter. Não sei se é pelo fato de eu ser apaixonado pela história, mas gostei bastante da adaptação. Quando o elenco do filme foi divulgado, não tinha lido os livros, então não dei muita bola. Porém, depois que concluí a leitura e revi os escalados, tive algumas decepções, mas gostei da maioria dos atores.

Shailene Woodley não poderia ser mais perfeita no papel de Tris. A personagem vai evoluindo conforme as cenas vão avançando e Shai conseguiu mostrar essa evolução dela de uma forma que não parecesse forçada. Claro que Tris é uma personagem incrível e Shailene conseguiu incorporar a Tris que imaginei.

Na sessão, houveram vários suspiros nas cenas em que Quatro, interesse amoroso de Tris na história, apareceu. Particularmente, achei a atuação de Theo James um tanto fraca. Quatro é mais velho e responsável por treinar os iniciados transferidos de outras facções. Ele se mostra alguém rígido, com um muro ao redor de seus sentimentos... isso até Tris chegar, é claro. Theo conseguiu passar boa parte do que eu esperava de Quatro, mas não chegou a ser tudo aquilo.

Por outro lado, devo elogiar a química que rolou entre os atores. Quando soube que fariam o Quatro mais velho no filme, pensei que o romance seria forçado demais, mas Theo e Shailene conseguiram passar verdade através de suas poucas cenas românticas, que foram bem poucas.

O primeiro beijo


Um ponto que achei negativo foi a falta de desenvolvimento dos personagens coadjuvantes. Zoe Kravitz foi uma Christina perfeita, mesmo em suas poucas aparições conseguiu mostrar a que veio. Kate Winslet é uma atriz incrível e me fez sentir ainda mais ódio de Jeanine. O problema é que essas duas foram as únicas exceções. Peter, interpretado por Miles Teller, era só um cara irritante, não tinha nada do vilão que esperava. Al, Will, Eric e Caleb, que tem momentos bem importantes no livro, foram quase figurantes.

A partir daqui, terão alguns spoilers do livro. Se não quer saber, não siga em frente.

No livro, Tris é conhecida como Seis após seu teste final, por ter apenas seis medos, e isso foi deixado de fora. A paisagem do medo também não foi muito bem desenvolvida. Fora outras cenas cortadas, como o resultado final da iniciação, a facada que Peter dá no olho de Edward para eliminá-lo da disputa... alguns momentos que causarão um grande impacto em Insurgente foram cortados, o que me deixa receoso quanto ao segundo filme. Claro que tivemos cenas que foram excelentes, como a captura à bandeira, a tirolesa e, minha favorita, a cena das facas. Não sei só reclamar, estão vendo?!

A cena das facas


Porém, eu recomendo sim. Divergente mostrou a que veio, sendo um ótimo entretenimento com suas quase duas horas e meia de duração. Assisti o filme dublado e confesso que até gostei das vozes dos personagens, mas gostaria de assisti-lo mais uma vez legendado. Não foi a adaptação dos sonhos, mas conseguiu me convencer.

***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

13 comentários:

  1. Eu devo ser uma das únicas pessoas que ainda não leram Divergente... Eu queria muuuito ler o livro antes de ver o filme, mas como nem tenho o livro ainda e até comprar e ler o livro, o filme já vai ter saído do cinema :(
    O filme parece ser muito bom, só é uma pena os personagens secundários não foram tão bem desenvolvidos...
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é ótimo. Esse problema dos personagens secundários não interfere em nada, só me deixou um tanto decepcionado. E leia, sim. Divergente é um livro excelente.

      Beijos

      Excluir
  2. Heey Léo !
    Eu tenho muita curiosidade pra ler Divergente e com o lançamento do filme minha vontade só aumentou.
    Como toda adaptação, era previsível que algumas coisas deixariam a desejar, mas seu post me deixou bem animado para aventurar-me nesse maravilhoso mundo distópico criado por Verônica Roth *---*

    Beijoos,
    Lauro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim você ainda não leu Divergente, sr. Lauro? Tenho certeza de que vai adorar. Assista o filme antes, só pra ter certeza! ;)

      Beijos

      Excluir
  3. Acabei de chegar do cinema. Não estava a fim de ver o filme, mas saí da sala empolgadíssima. O filme está muito bom, vou pensar melhor na possibilidade de ler os livros. haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Petra. Se pra você o filme foi bom, tenho certeza de que vai amar os livros.

      Beijos

      Excluir
  4. Eu assisti ao filme ontem, não consegui aguentar haha

    Eu gostei bastante, mas ainda não tive oportunidade de ler o livro, então nao sei o quanto foi perdido :/

    Pretendo ler logo, vamos ver o quanto foi mudado...

    (geralmente eu odeio as adaptações)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não sou muito fã de adaptações. Procuro separar o filme do livro. Mas Divergente realmente me surpreendeu, pouca coisa foi mudada se compararmos a outras adaptações, como Dezesseis Luas.

      Beijos

      Excluir
  5. Oi Leo, eu ainda não li ao livro, e também não tive a oportunidade de ir ver o filme, parece que ele é super legal, não tenho muitas expectativas quanto ao filme, pelo fato de que não tenho muito conhecimento sobre a historia, porém ele parece que agradou, adorei saber a sua opinião.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Que bom que você gostou do filme Leo. Viu, no fim, ir assistir com expectativas mais baixas ajudou.. kkk Olha, vi muita gente reclamando sobre as cenas dos medos e da iniciação assim como você. Eu não consegui ter ideia a respeito já que não li os livros. Senti o mesmo em relação aos personagens coadjuvantes que não chamaram a minha atenção. Tanto é que quando a Dany me perguntou sobre o Peter eu perguntei "quem é ele?". Uau, viu como me marcou.. kkk mas no geral também gostei do filme. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  7. Nossa eu estou louca para assistir a esse filme , depois que descobri que amo uma distopia , passei a ler todas que podia , e logo que comecei a ler Divergente cai de amores pela serie . Ouvi muito sobre o filme , e principalmente que ou você o amo ou o odeia , e que não existe meio termo hahah , por isso quero muito descobri o que eu penso sobre !

    Beijos , Anna

    ResponderExcluir
  8. Adorei o livro, com certeza foi uma das minhas melhores leituras do ano passado e eu estava muuuito ansiosa pelo filme e não medecepcionei, claro, assim como você também senti falta de algumas cenas, como a da perfuração do olho e outras cenas, mas mesmo assim curti bastante a adaptação e fui com amigas que não leram o livro e que conseguiram entender muito bem o enredo, oq que as vezes não é possível com outras adaptações.

    ResponderExcluir
  9. Oi Leo, tudo bem??
    Realmente este livro e o filme estão me deixando super curiosas ainda não tive a oportunidade de ler o livro, então só verei o filme depois de ler, mas estou realizando uma troca no Skoob, para poder adquiri-lo e não vejo a hora que ele chegue para poder ler!!

    ResponderExcluir