Olá Turma!

Voltei com mais uma resenha para vocês. O livro da fez é uma cortesia da Farol Literário e é o primeiro da trilogia Os Defensores. Esse primeiro volume recebeu o título Museu de Ladrões
Vamos conferir minha opinião sobre a obra?

Livro: Os Defensores – Museu de Ladrões
Autora: Lian Tanner
Editora: Farol Literário
Páginas: 352
Sinopse: Bem-vindo à tirânica cidade de Jewel, onde a impaciência é um pecado e a ousadia é um crime. Goldie Roth viveu em Jewel por toda a sua vida. Como toda criança da cidade, ela deve andar presa em correntes até o Dia da Separação, e é forçada a obedecer aos temidos Guardiões Abençoados. Quando o Dia de sua Separação é cancelado, por causa de uma misteriosa ameaça à cidade, Goldie não suporta a ideia de ser novamente acorrentada e foge para o Museu de Dunt, onde conhece Toadspit. No entanto, seus dias não serão mais calmos que antigamente. Os corredores do Museu são cheios de armadilhas e segredos adormecidos que se despertos podem acabar com a vida na cidade. Mas se você pensa que esse livro traz histórias de crianças, está inteiramente enganado. Morte, suspense e muita crueldade envolvem o primeiro volume desta trilogia, em que os protagonistas terão que provar suas habilidades e frieza para garantir sua sobrevivência.


Em Museu de Ladrões somos introduzidos na cultura tirânica da cidade de Jewel e na história de Goldie Roth, que teve a infelicidade de morar na dita cidade.
O povo de Jewel, a meu ver, são medrosos e pretensiosos, chegando a serem um pouco egoístas até. Eles têm medo de tudo, desde um simples cachorro até água, gripe e coisas do gênero. Por isso, os animais foram banidos da cidade e todas as crianças passaram a usar a corrente de segurança, visando a proteção das mesmas até atingirem a idade adulta.

Com esse propósito existem os Guardiões Abençoados, que são os responsáveis por garantir que todas as crianças estejam em segurança e usando devidamente suas correntes. São pessoas arrogantes que acham que são melhores que todos os outros cidadãos e que acham que sabem de tudo. Logo de cara odiei os Guardiões e desejei fervorosamente que eles se dessem bem mal na história.

Ainda falando em autoridades, temos a Grande Protetora e o Orientador. A Protetora é a líder da Guarda que protege os limites da cidade, já o Orientador é o líder dos Guardiões Abençoados.

Goldie Roth é uma menina comum, porém com pensamentos próprios e completamente diferentes do resto das crianças da cidade. Ela não gosta de ser mantida presa, sempre preocupada com a segurança. Ela tem um espírito aventureiro e sente que os Guardiões Abençoados a impedem de viver sua vida do modo que gostaria. No Dia da Separação de Goldie, o dia em que finalmente seria libertada da corrente de segurança, uma bomba é explodida no escritório do Orientador e a separação é cancelada.

Goldie não conseguiu suportar a ideia de estar presa com os Guardiões por mais tempo e conseguiu fugir. E é vagando pelas ruas de Jewel, se escondendo nas sombras, que ela encontra Sinew. Sinew é um dos Defensores do Museu de Dunt, e é exatamente para lá que ele conduz Goldie.

No museu, Goldie conhece Olga Ciavolga, Herro Dan, Toadspit, Broo e Morg, os outros Defensores. Broo é um brizzehound, um cachorro que altera seu tamanho devido à situação, e Morg é uma slaughterbird, um tipo de pássaro que adora olhos. Juntos, eles tem que proteger o Museu e a cidade, pois é no Museu que estão guardadas todas as coisas ruins que foram retiradas de Jewel, e a qualquer momento elas podem se libertar.

A primeira coisa que me chamou atenção no livro foi a diagramação. A capa é perfeita, embora eu tenha estranhado um pouco a falta de abas internas. No começo de cada capítulo, nós temos um desenho do personagem de mais destaque no capítulo. Achei as ilustrações bastante úteis para me ajudar a formar uma imagem mental de cada personagem, além de serem lindas, é claro.

A história é interessante e bem escrita, porém um pouco infantil para o meu gosto. Senti falta de um conflito maior, de uma situação crítica que desse um propósito à trama. Durante toda a leitura esperei essa situação aparecer, e nada! Acho que isso acabou me desapontando um pouco ao término da leitura.

Mesmo com esse pequeno ponto negativo, recomendo a leitura para fãs de distopias. É sempre legal ler um livro em que o mundo é totalmente diferente do que estamos acostumados, parece que me faz mergulhar ainda mais na história, como se eu realmente a estivesse vivendo.

E para finalizar a resenha, vamos ler uma pequena citação do livro?

– O museu nunca deveria ter ficado tão cheio de coisas selvagens e perigosas – Sinew disse. – Mas o povo de Jewel é como a Guardiã Esperança, com suas tábuas e seus martelos. Eles tentaram paralisar a vida. Eles queriam estar completamente seguros e serem felizes o tempo todo. O problema é que o mundo não é assim. Não é possível que as montanhas altas existam sem vales profundos. Não é possível ter grandes alegrias sem grandes tristezas. O mundo nunca está imóvel. Passa de uma coisa à outra, para frente e para trás, como uma borboleta que abre e fecha suas asas.

E aí, qual a impressão que tiveram do livro? Gostaram da resenha? Me contem tudo nos comentários!

Beijinhos e até a próxima!

Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

10 Comentários

  • Anônimo
    24 abril, 2014

    OI …Super bacana poder conferir a resenha deste livro, ainda não havia lido nenhuma sobre ele, e apesar de ter achado a historia interessante, confesso que ando " fugindo" de séries/trilogias e esta parece ser uma daquelas que leria futuramente, mas não necessito ler urgentemente.
    Beijos!!

  • Anna Canedo
    24 abril, 2014

    Por sua resenha da pra perceber que a história parece até ser legal , e a diagramação parece ser fantastica ( e acho que isso conta muito num livro) . Adoro o fato de ter ilustração , principalmente quando ela se encaixam no livro e não ficam parecendo algo forçado , maaaaaaaaaas eu li pelo menos uns dois livros ano passado assim : tinha tudo para ser bom , mas acabaram caindo no terreno infantil , e isso me decepcionou bastante :/

  • Mirelle Candeloro
    23 abril, 2014

    Oi Nathi, me apaixonei pelo livro por causa da capa. Linda demais! Engraçada a sua descrição do povo medroso, porque de imediato pensei nas pessoas que são frescas e achei bem parecidos comigo, cheio de dedos e cuidados.. kkkk Beijos, Mi

    http://www.recantodami.com

  • Fernanda Mendonça
    21 abril, 2014

    eu tenho muita vontade de ler essa série, mas ainda não consegui (muitos livros a ler, pouco dinheiro haha). Mesmo querendo ler eu nao sabia que era uma distopia, nem que era tão infantil, acredita?? haha

  • Petra Henning
    19 abril, 2014

    Eu achei a capa linda mesmo! Mas nesse momento, não fiquei curiosa pra ler o livro. Estou num momento mais realista e essas histórias fantásticas me irritam um pouco. Talvez daqui um tempo eu resolva dar uma chance pra ler.

    Beeijo
    http://naproximapagina.blogspot.com.br/

  • Lauro Moura
    18 abril, 2014

    As distopias me fazem viajar no vasto mundo da imaginação e me alegrar com estórias incríveis.
    Eu gostei da premissa da série, e como não tinha ouvido falar ante sobre Os Defensores, sr. Google vai fazer algumas pesquisas pra mim, afim de ter uma opinião concreta rsrs *—*

    Beijoos,
    Lauro.

  • rafaela
    18 abril, 2014

    Nunca tinha ouvido falar desse livro antes, e quando li a sinopse achei super estranho. Com a resenha deu para entender melhor o que o livro aborda, mas ele não me deixou muito interessada 😡
    Beijos

  • Andréia Renata
    18 abril, 2014

    Adoro livros com ilustrações pq sempre fico babando com o talento alheio, rs, mas a premissa não me interessou muito mesmo eu goatando de distopias, então acho que não o compraria para mim (mas ta aí uma vantagem de ter um irmão mais novo XD rs) .

  • Amanda Chieregatti
    18 abril, 2014

    Ahhh esse livro é tão fofinho.
    Gosto de dizer que é uma distopia infanto-juvenil. Apesar do aspecto infantil que você sitou, tenho um carinho especial por essa turminha de personagens corajosos e curiosos.
    Estou louca para ler os outros volumes da série.

    Beijos,
    Amanda
    http://minhasconfissoesfemininas.blogspot.com.br/

  • camila rosa
    17 abril, 2014

    Oi Nathália, eu ainda não li ao livro, mas tenho muita vontade, gosto bastante de livros do tipo, infanto-juvenil é um dos estilos de livros que mais me agradam, adorei a sua resenha, e fico feliz que tenha gostado mesmo que tenha achado ele meio que infantil demais, a resenha está ótima, parabéns.
    Beijos!!!