27 de abril de 2014

Tá na Estante :: 'Shada' #212

POSTADO POR EM 27 de abril de 2014

Olá, mates!
Tudo bem?

Essa é a minha primeira resenha para o ‘Segredos entre Amigas’ e espero que vocês gostem, do mesmo modo que amei a oportunidade de ler mais uma história incrível do universo de uma das séries mais famosas e conceituadas do mundo ‘Doctor Who’.

Livro: Doctor Who: Shada – A aventura perdida de Douglas Adams
Autor: Gareth Roberts
Editora: Suma de Letras
Páginas: 345
Sinopse: Vista e cultuada em mais de 200 países, a série de TV Doctor Who é um ícone cultural britânico que conquistou mais de 70 milhões de fãs em 50 anos de aventura.
O seriado acompanha o Doutor: um viajante misterioso, vindo do planeta Gallifrey, movido pelo desejo de explorar todos os cantos do tempo e do espaço. Um dos Senhores do Tempo, o Doutor é capaz de se regenerar para escapar da morte, mudando de corpo, rosto e personalidade. Com seus companheiros, humanos e alienígenas, ele protege a Terra e o cosmos contra perigos de todos os tipos.


Shada (re)conta um episódio que nunca foi transposto para as telas de televisão, uma aventura “perdida” de 1979. Escrita pelo então editor de roteiros da série, Douglas Adams, o autor de O guia do mochileiro das galáxias, Shada traz a quarta encarnação do Doutor e sua companheira Romana II.

Para quem não conhece, Doctor Who é uma série que tem, apenas, 50 anos de existência. É um patrimônio da cultura britânica, uma das séries de maior duração e é claro, que carrega a maior quantidade de fãs por todos os quatro cantos do planeta – e Universo. Conhecidos como Whovians, nós fãs dessa série, somos regados com todo tipo de material sobre a série desde áudio books, jogos, action figures e livros. Infinitas coleções de aventuras do Doctor com seus companions.

A série mostra as aventuras de um Senhor do Tempo - humanoidealienígena viajante do tempo que possui dois corações que é conhecido apenas como "O Doutor" ("The Doctor"). Ele explora o universo em sua máquina do tempo, uma sensível nave espacial conhecida como TARDIS, cuja aparência exterior se assemelha a uma cabine da polícia londrina de 1963, mas é muito maior por dentro. Ele nunca viaja sozinho, juntamente com os seus companheiros, O Doutor enfrenta uma variedade de inimigos, enquanto trabalha para salvar as civilizações, ajudar as pessoas comuns, e corrigir erros.
                            
Existem 02 eras da série: A clássica iniciada em 1963 até 1996, tendo 08 Doctors diferentes e uma infinidade de companions; e a versão atual que iniciou em 2005 sem previsão de termino. Até então, tivemos 5 doctors – contando com John Hurt e o futuro doctor Peter Capaldi. Eu sou suspeita para falar dessa série, pois sou completamente viciada no mundo de Doctor Who, entretanto recomendo muito assistir, despretensiosamente e depois vir falar comigo sobre o amor que você vai ter por essa série.

Como disse ali em cima, Doctor Who tem uma infinidade de livros que começaram a ser lançados em 1991. Aventuras extras do Doctor com seus companion, normalmente histórias que foram desenvolvidas para serem filmadas para a televisão, mas que acabaram ficando esquecidas em alguma pilha por algum motivo particular e acabaram só mais tarde sendo encontradas e desenvolvidas em coleções de livros. Quando digo que são infinitos, acreditem: SÃO MUITOS! Quando penso que já conheço todos, aparecem mais 03! São como gremlins, vão se multiplicando sem nem notarmos.

E não é muito diferente de 'Shada'.
A grande particulariedade dessa história é que ela foi desenvolvida pelo queridíssimo Douglas Addams (O Guia do Mochileiro das Galáxias), que já havia escrito alguns episódios da era clássica de Doctor Who, mas Douglas tinha um pequeno problema: ele era péssimo com prazos – te entendo, mate! Ele tinha toda uma concepção da história, mas com o prazo curto que recebeu, ele literalmente escreveu o roteiro da maneira que o tempo lhe permitiu. Não o agradando e muito menos a produção, que parou as filmagens e cancelou a produção do episódio de Shada. O roteiro ficou esquecido para a felicidade de Douglas, que anos mais tarde em uma entrevista, declarou seu descontentamento com a criação dessa história. Ele não pode concluir essa história, mas ela parou nas mãos de Gareth que teve mais que um trabalho: uma missão. Ele precisava respeitar a memória de Douglas e agradar milhões de fãs de Doctor Who. Sentiu o peso, não é?
Bom, eu posso adiantar: ele conseguiu.

Esse livro se encontra na linha temporal da série clássica, onde temos a 4º regeneração do Doctor, ele era interpretado nas telinhas britânicas pelo extrovertido e adorável Tom Baker, dono de grandes olhos azuis, nariz reto, humor extremamente britânico e o seu cachecol colorido gigante. Ele, definitivamente, foi um dos Doctors favoritos de todas as gerações. E não é a toa.


A história inicia apresentando Skagra, como todo bom vilão, conhecemos o seu desejo mais profundo e como ele está a tentar conseguir isso. Enquanto isso, em mais um dia normal na Universidade de Cambridge, Londres num agitado anos 70, Chris Parsons vai a sala do professor Chronotis pegar alguns livros emprestados para sua pesquisa – e eventualmente impressionar sua paixãozinha Clare Keightley. Assim que entra na sala, ele se depara com uma velha cabine azul de polícia ali dentro – que ele ainda não sabe, mas é a famosa TARDIS do Doctor ou em palavras comuns a ‘nave’ do Doctor -, e muitos, muitos livros. O professor, um velhinho simpático, meio esquecido, que ama chá e um tanto quanto excêntrico  o ajuda com os livros, mas não percebe que Chris, sem perceber, acaba levando um livro muito simples, mas extremamente perigoso. Chris, ao encontra aquele livro, sentiu que ele era diferente, as páginas de papel de um material irreconhecível, com escritos em um idioma indecifrável, falavam com ele e aí é só o inicio dessa aventura até o ordinário e normal Chris Parsons.

Mal sabia que aquele era "O Venerável e Ancestral Livro das Leis de Gallifrey", livro que pertence aos Senhores do Tempo, trazido para terra - coisa que não deveria ter acontecido - por um Senhor do Tempo bem indisplicente. Enquanto isso, nosso Doctor e sua então adorável companion, Romana e o K9, o cachorro cibernético mais legal do mundo nerd atendem ao chamado do Professor Chronotis e acabam por descobrir que não só o livro sumiu, como que há uma criatura particularmente estranha aos arredores de Cambridge, não só os cercando, mas mostrando ter um curioso interesse no livro. Quem não teria? Eles precisam encontrar o livro, pois é claro que ele não pode cair em mãos erradas. Esse é apenas o inicio dessa aventura que é cheia de reviravoltas, diálogos inteligentes, ótimas piadas. Sim, há muito do humor do nosso amado Doctor sempre que ele tem a chance de mostrar sua esperteza e suavidade. É impossível ler esse livro e não imaginar Tom Baker em cada expressão escrita ali por Garreth.

O livro é dividido em 06 Partes, novamente uma outra ligação com a Era Clássica em que os episódios eram dividido em Arcos – normalmente eram grupos de 4 – 6 episódios. Shada é um arco completo que contaria a história, não só dos Senhores do Tempo, mas de um temível vilão. Cada capítulo é narrado por um personagem que mostra aos leitores suas impressões da história: Doctor, Romana, Chris, Clare, professor Chronotis e Skagra. De no máximo 03 a 05 páginas por capítulo, a história flui rapidamente dando uma sensação de movimento, similar a um episódio. Impossível você terminar um capítulo e não querer ler o próximo. Ainda mais porque Gareth conseguiu fluir a história de um modo que as revelações são intercaladas com as explicações, assim não ficando nenhum furo. Confesso que gostei muito dessa construção de história, na realidade eu vou adotá-lo num dos meus livros. É um estilo que te instiga a continuar lendo para saber o que irá acontecer. No entanto, os capítulos que ultrapassam de 05 páginas, normalmente explorando melhor algum tema, acabam tendo a ter explicações demais e  acabam ficando cansativos, pois o leitor tendem a se acostumar com o movimento ágil da história, então quando há um refreamento nesse movimento pode haver um estranhamento da parte do leitor.

Gostaria muito de dizer que qualquer um pode ler esse livro, mas eu, como Whovian, senti que é um livro feito por um fã para um fã. Se você não conhece o universo do Doctor Who provavelmente ficará confuso quanto a quem ele é, o significado de sua companion, quem é K9, sobre as regenerações, o que são Senhores do Tempo, a Tardis, os planetas, seus limites como ser sobrenatural e suas aventuras. Basicamente, tudo do seu Universo. Mas, não negarei, que para quem não conhece nada sobre esse universo pode sim ter um bom divertimento, na realidade, se sentirá na pele de Chris Parsons. Eu recomendo, se você é do tipo que se permite desbravar novas histórias sem ter os dois pés fincados ao chão, aceitando o imprevisível. Você vai amar!

Como disse, sou suspeita para falar de Doctor Who, mas ao terminar Shada fiquei triste, pois queria mais, na realidade, sempre quero mais histórias do Doctor, MAS, no caso de Shada, eu sei que não terei mais, e essa é a parte triste. No entanto, fiquei extremamente satisfeita com o livro. Impossível terminá-lo e não ficar apaixonada com o livro. Eu recomendo – e muito!

***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

12 comentários:

  1. Eu peço licença um minuto pra surtar um pouco:

    PQP,CARA! COMO ASSIM ESSE LIVRO EXISTE E EU NAO CONHECIA, MANO???COMO??? PRECISO LER AGORA, MANO, ONDE COMPRO??? MAAAAAAAAAAAAAAANOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

    Ok, passou u.u
    eu omiti os palavrões mais fortes que eu queria comentar pra sua pagina nao ficar 'poluida' :P

    Mas mew, sério. Sou super fã de Doctor Who e tive um mini atauqe histérico aqui D:

    Onde compro?

    Ainda mais pq foi o Douglas Adams que escreveu, e eu tbm sou fã dele! D:

    É tipo colocar bolo de chocolate e pipoca junto e ficar bom: um sonho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, foi assim que reagi quando descobri sobre o livro. Detalhe: estava em um evento do Doctor Who para a estreia do especial de 50 anos. Ou seja, eu e mais 50 pessoas surtando com essa notícia!
      Enfim, EU RECOMENDO DEMAIS!
      Fantástico!
      O Douglas fez a base do livro, a ideia e personagens são criações dele, o Gareth apenas escreveu - e modelou - o material já criado e guardado.
      Eu recomendo muito a leitura!

      Excluir
  2. Estou louca pra ler esse livro. Doctor Who é uma das minhas séries favoritas e fico doida atrás de tudo o que sai sobre ela. Esse livro em especial, por que é escrito pelo Douglas Adams então não podia sair nada ruim! Agora só fiquei com mais vontade de ler!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafaela!
      Vale muito a pena ler!
      Faz meses que fiz essa leitura e estou com saudades do Quarto Doctor e da fofa da Romana.
      Espero que quando você o leia tenha a mesma sensação deliciosa de estar no mundo do Doctor <3

      x

      Excluir
  3. Que legal! eu nunca assisti Doctor Who, mas e dai né? Mentira... Tenho muita vontade de assistir :) Eu não leria esse livro agora, por causa disso. Mas achei bem interessante. Com certeza vou anotar a dica pra quando eu começar a assistir! Valeu. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii Petra!
      Menina, você precisa ver Doctor Who, tipo, para ontem! Serio, tire um tempinho para essa série, que tem tudinho, para roubar seu coração. O livro é muito bacana, você precisa saber o minimo do universo do Doctor para lê-lo, um dos grandes benefícios dessa leitura.
      Espero que você curta!

      x

      Excluir
  4. Oi Barb, seja bem vinda a sua primeira resenha.. hehe confesso que fiquei perdidinha, já que nunca vi o seriado, mas fiquei chocada em saber que ele já tem assim tantos anos e tantos livros em paralelo. Nossa, parece a malhação, que não acaba nunca.. kkk com exceção de que a novelita já deu o que tinha que dar. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Mi!
      Acredite! Tem MUITO material de Doctor Who desde livros, audiobooks como também episódios perdidos. É uma série que traz muitos segredos na manga, como não amar?

      Quem sabe um dia você dá uma chance a série? Garanto que vai amar!

      x

      Excluir
  5. Heey Barb *-*
    Eu não sou muito fã de Doctor Who, então na me interessei muito pelo livro. Mas a premissa é bem legal, e o gênero apesar de não ser um dos meus favoritos me agrada bastante.
    Vou pesquisar mais, ler algumas resenhas, ouvir opiniões pra ter uma opinião concreta *--*

    Beijoos,
    Lauro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Lauro!
      Então, quem conhece a série, vai querer ler o livro, claro, mas consigo ver uma pessoa que não curte muito a série, curti o livro, pois é um mundo paralelo, como um episódio solto, sabe? Eu curti muito, mas como sou fã, vou guardar no coração. Mas espero, que um dia, você me conte que leu e me dê sua opinião!

      Um beijão!
      x

      Excluir
  6. Eu ouvi tantos comentários sobre o lançamento desse livro, tanta gente dizendo que estava ansiosa e talz, mas até agora não tinha visto uma única resenha Bárbara e adorei a sua, eu sinceramente nem conhecia essa série, claro, já tinha ouvido falar e vi algumas imagens dos episodios mais recentes, mas nunca parei para assistir e nem sabia que a série tinha tanto tempo de vida. Quando tiver tempo irei seguir seu conselho e assistirei alguns episódios despretensiosamente, mas o livro, por enquanto ao menos, não pretendo adquiri-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii, Andréia!

      Doctor Who é um marco na televisão britânica - e mundial. É aquele tipo de série que você tem que ver, pelo menos uma temporada, e ver se aquele mundo, pertence ao seu.
      Mesmo não conhecendo a série, recomendo o livro a você, garanto que você vai gostar da leitura. É bem gostosinha! x

      Excluir