12 de julho de 2014

Tá Na Estante :: 'Brilho' #254

POSTADO POR EM 12 de julho de 2014

Oi, gente. Tudo bem?


Estou de volta com mais uma resenha para vocês. E, novamente, vim falar sobre uma distopia. O livro escolhido da vez foi lançado pela Geração Editorial no final do ano passado. Vamos conferir?

Livro: Brilho
Série: Skychasers (#01)
Autora: Amy Kathleen Ryan
Editora: Geração Jovem
Páginas: 354
Sinopse: A Terra não existe mais, e em duas naves que procuram um novo mundo no espaço, uma menina de 15 anos precisa casar e engravidar para garantir a sobrevivência da humanidade. Enquanto isso, uma sucessão de acontecimentos eletrizantes torna a jornada pelo espaço algo absolutamente imprevisto. Temas como religião, a escolha da mulher e a ideia de poder e dominação vão aparecendo muito suavemente articulados ao longo da trama, amarrando o leitor com surpresas e reviravoltas estonteantes. São temas universais, postos num livro por uma escritora surpreendente e que promete arrasar a cena literária a partir desta sua fantástica criação. 

Há quarenta anos a Terra entrou em colapso e seus recursos naturais estavam cada vez mais escassos. Com medo que a humanidade se extinguisse, duas naves saíram espaço afora com um ano de intervalo entre elas, em busca de um novo mundo que pudesse ser habitado. O objetivo é que em mais quarenta anos a nave chegue ao seu destino final e, para isso, os habitantes precisam dar continuidade à geração, mas as dificuldades de reprodução no espaço são enormes.

Waverly tem 15 anos e está a bordo da Empyrean. A garota foi uma das primeiras crianças a nascer na nave após uma descoberta que facilitou a gravidez. Ela namora com Kieran, o primeiro bebê da nova geração e futuro capitão da nave. Todos estão crentes que eles acabarão casando e logo darão origem à terceira geração. Kieran também pensa assim. Ele sente que é um dever e, por uma pressão sutil do capitão, pede Waverly em casamento. A menina fica receosa, pois quer se casar por amor e no tempo certo.

Em meio a tudo isso, a Empyrean sente-se ameaçada ao constatar que a New Horizon, a nave irmã que devia estar anos-luz à sua frente está mais próxima do que nunca. Aparentemente eles reduziram a potência dos motores para tentar um contato e isso significa problemas a caminho.

Subitamente, a New Horizon organiza um ataque à Empyrean e rapta todas as meninas à bordo. Mas isso não é tudo. Durante a invasão muitas vidas foram perdidas, o motor da Empyrean foi danificado e algumas das pessoas ficaram perdidas no espaço em naves auxiliares. Agora os únicos restantes são os garotos e Kieran é a única esperança de ordenar tudo e tentar resgatar as meninas. Infelizmente isso não será fácil, tendo em vista que Seth, filho do co-capitão, tenta fazer um levante contra ele.

Já na New Horizon, comandada pela ardilosa pastora Anne Mather, Waverly está com problemas. Ela sabe que está sendo enganada, mas as meninas mais novas não acreditam e aceitam a explicação do motivo para terem sido levadas para longe de seus pais. Ao lado de duas improváveis amigas, Waverly precisará arquitetar um plano de fuga para voltar à Empyrean. Porém isso também será complicado, já que ela é constantemente vigiada e sabe que sua mãe está presa em algum lugar daquela imensa bacia de metal.

Será que Kieran conseguirá manter o poder em meio a tanta confusão? E Waverly conseguirá convencer as outras meninas a escapar? Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler.

Desde que vi a capa de Brilho pela primeira vez, surgiu uma necessidade enorme de lê-lo. A premissa parecia bem previsível, até porque já havia lido Através do Universo, que tem essa mesma temática. Caberia a autora desenvolver a narrativa de forma que fosse algo novo, porém não foi bem assim. Infelizmente, Amy Kathleen Ryan se perdeu no meio do caminho.

A narrativa é em terceira pessoa e se divide sob a perspectiva de Waverly e Kieran. O livro também está dividido em cinco partes, com capítulos curtos. As primeiras partes são extremamente monótonas, explicando a distopia e apresentando os personagens. Consegui engatar a leitura só depois da página 150, após a invasão. A partir daí, o livro fluiu incrivelmente. Em uma parte temos a batalha de Waverly e em outra a de Kieran, ambas cheias de ação e tomadas de reviravoltas. Achei que engoliria minhas críticas iniciais, mas a autora deu um final tão sem nexo que toda a crítica positiva que eu estava preparando foi por água abaixo.

Os personagens são completamente apáticos. Waverly tenta parecer esperta, mas é bobinha e irritante. Sempre com mimimi pra cima dos outros e uma língua afiada e sem escrúpulos. Kieran é arrogante de forma sutil. A autora quis mostrar que ele aparenta ter essa personalidade, mas no fundo é um cara legal. Estou procurando esse cara legal até agora. Seth é um projeto de Bellamy Blake, de The 100, mas tudo que o Bellamy tem de carismático, Seth tem de sem graça. A única personagem que me cativou foi Samantha Stapleton, mas o final dela foi tão indigno que fiquei mais irritado ainda.

Com tudo que eu falei, vocês devem estar pensando que não vou recomendar o livro, mas vou sim. Eu leio muitas distopias e as comparações foram inevitáveis. Se tivesse lido esse livro antes, talvez gostasse mais. O meio do livro foi tão bom que vou investir na série, mas se o segundo livro continuar nesse nível é certo que abandonarei. Agora me despeço de vocês com uma quote.

Chegará um tempo em que as crianças se reunirão em torno da fogueira e olharão para estrelas desconhecidas por nós. Elas haverão de pensar nos sacrifícios que fizemos. E nossos nomes estarão nas letras das canções que elas entoarão.
BEIJOS E ATÉ A PRÓXIMA!
***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

16 comentários:

  1. Essa capa é belíssima, mas tenho uma terrível mania de ficar comparando distopias. Sempre espero algo impressionante e grandioso. Espero que Brilho seja assim, e que eu tenha a oportunidade de lê-lo, logo, logo. A não ser que não tenha sido lançada a continuação. Foi?

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente ainda não há previsão para o lançamento do segundo livro. Fiquei bem curioso quanto ao rumo que a autora vai tomar agora.

      Excluir
  2. Como tu mesmo citou na resenha, a capa é extraordinária, sem mais. Logo que a vi me veio a necessidade de leitura do livro. Não tive ainda oportunidade de lê-lo, e sinceramente, depois de reler a sinopse diversas vezes acho que a necessidade, se não deixou de existir, caiu um pouco. Amo distopias, mas o tema espacial realmente não é o meu preferido. Enfim, gostei muito da resenha, e quero te parabenizar pelos comentários sinceros e bem explicados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui ler Brilho porque gostei muito do tema espacial abordado em Através do Universo, mas infelizmente me decepcionei. Bom saber que gostou da resenha.

      Excluir
  3. Nao sou de ler muito, mas esse livro me deu vontade de voltar a ler.
    Que bom que eu passei no seu blog porque eu realmente estava querendo um livro que me fizesse querer a voltar a ler.

    Beijos | @blogdanica
    http://nicoleregiane.blogspot.ca/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você quer voltar a ler, realmente não recomendo Brilho. Tem outros muito melhores por aí que te darão um ânimo maior. Só conferir nossas resenhas!

      Excluir
  4. Oi Leo, o que vc disse é a mais pura verdade: mesmo sendo um dos meus gêneros literário favorito, eu não costumo ler muita distopia, então eu amei esse livro! Acho que como vc lê bastante esse tipo de livro foi impossível fazer comparações mesmo. Concordo que eu tive vontade de estrangular esse casal principal, e fiquei meio sem intender aonde a autora queria chegar com Seth. Ao mesmo tempo que ela queria fazer ele ser vilão o colocava como vitima, então fiquei boiando aí também! Ah Sammy, não foi nada justo mesmo!! Mas independente eu gostei muito e estou curiosa pela continuação, ha e o final me decepcionou um pouco, mas nem tanto, pelo fato de saber que uma continuação vem por ai. Amei sua resenha!

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thais. Que bom que gostou da resenha. Até hoje fico me perguntando qual a intenção da autora em mudar constantemente a personalidade do Seth. E Waverly e Kieran são um casalzinho beeem sem sal.

      Excluir
  5. cara a capa é divina, só por isso da vontade de ler vc tendo lido a sinopse ou nao huasuha
    agora a história me agrada um pouco, por isso lerei esse livro um dia :)
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é linda realmente e tem umas aplicações de glitter que chamam mais atenção ainda. É uma pena que a história não faça jus.

      Excluir
  6. Distopia não é muito meu forte..ou melhor não era..pq só tô encontrando livros legais pra ler ... já incluido na minha lista ;)

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Distopias deviam ser o forte de todo mundo. Mesmo já tendo lido de tudo um pouco, não consigo parar, hahahaha.

      Excluir
  7. Oi, Leonardo!
    Já li muitas distopias que me decepcionaram... até estava com esperança de que este livro fosse diferente, mas pela sua resenha não é. Como sempre, uma protagonista cheia de frescuras que dá vontade de matar...
    Apesar de gostar de personagens arrogantes também, não creio que eu leia esse livro, apesar da capa e sinopse serem tentadores...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu leio bastante distopia e é bem difícil me decepcionar, até hoje só aconteceu três vezes. Por mais que as premissas sejam parecidas, os rumos tomados pelas autoras que são responsáveis por a gente gostar ou não e Brilho, infelizmente, foi mal desenvolvido.

      Excluir
  8. Oiee
    Adorei o livro,fico imaginando qual é o tamanho dessa nave pra caber tantas pessoas.Não me importei muito com o começo morninho por que já estou mais do que acostumada com livros que só se desenrolam a partir do meio da história.
    Depois de ler seu relato já não suportei Waverly,personagem irritante não é comigo.Vou ler o livro mas não com grandes expectativas.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morninho é apelido para o começo do livro. Sério, é entediante. A nava é beeeem grande. Tem muita gente e muitas coisas dentro, hahahaha. Waverly é um porre. A qualidade do livro já não era das melhores, mas a protagonista conseguiu piorar a situação.

      Excluir