12 de outubro de 2014

Na Telinha #20 :: ' Red Band Society '

POSTADO POR EM 12 de outubro de 2014

Olá turminha!

Esse semestre foi bastante recheado para todos os seriadores fanáticos como eu. Tem séries estreantes para todo tipo de gosto, tantas que até fica difícil de acompanhar. Hoje eu venho conversar com vocês sobre uma dessas novas séries, que já é uma das minhas favoritas: Red Band Society!

Red Band Society é o tipo de série que te encanta desde o momento em que você passa a saber da existência. Ultimamente, no ramo literário, temos visto a crescente popularidade dos Sick-Lits, os livros ambientados em hospitais ou com algum dos personagens sendo vítima de alguma doença terminal. Essa febre agora também está tomando conta dos cinemas e da televisão.

Red Band Society é uma dramédia, misturando drama com uma pitadinha de comédia e humor negro. A série acompanha a vida de um grupo de adolescentes que vivem em um hospital - cada qual por uma razão diferente - e que, apesar de todas as diferenças, acabam se tornando amigos.

RBS é narrada por Charlie, um garoto que está em coma desde que sofreu um acidente com o pai. Charlie conta que a maioria das pessoas pensa que tudo para quando se está em coma, mas que isso não é inteiramente verdade. Ele ainda consegue ouvir tudo ao seu redor e, de uma forma bem única, ajuda seus companheiros a enfrentarem os problemas com que têm que lidar.

Dentre os outros moradores do hospital, temos Kara, Jordi, Leo, Dash e Emma. E, para completar o time, temos os funcionários do hospital: Dr. Adam McAndrew e as enfermeiras Dena JacksonBrittany Dobler.

Kara é uma líder de torcida que se acha superior a todos. Acaba indo parar no hospital depois de desmaiar em um treino. Lá ela descobre que seu coração está dilatado e que logo irá parar de bater. Ela necessita urgentemente de um transplante, mas devido ao seu uso abusivo de drogas, acaba indo parar no final da lista de doação. Ela lida com sua nova condição do mesmo jeito que sempre conduziu a vida: fazendo todos se sentirem miseráveis.

Jordi é o novo paciente. Ele atravessou a fronteira do México somente para encontrar o Dr. McAndrew, na esperança que ele o operasse. Jordi tem osteosarcoma e vê sua vida completamente despedaçada ao descobrir que o câncer se alastrou do osso para outros órgãos.

Por sorte, ele tem a companhia de Leo. Leo também teve osteosarcoma e teve que amputar uma das pernas. Ainda permanece no hospital para fazer fisioterapia e quimioterapia. Ele sofre um grande ajuste ao se ver, de repente, sem uma perna e ainda luta com a possibilidade de morrer por causa do câncer. Ele apresenta um extremo mal comportamento, usando isso como uma forma de escape da realidade.

Dash é o seu melhor amigo e companheiro de traquinagem. Tem o péssimo hábito de fumar, mesmo tendo fibrose cística, o que faz seus pulmões ficarem em um estado ainda pior do que já estavam. Está quase sempre aprontando alguma com Leo, e sempre consegue aborrecer a enfermeira Jackson.

Emma é a única que não tem uma doença terminal. O motivo pelo qual ela está no hospital é um distúrbio alimentar muito grave: anorexia. Ela nunca acha que está magra o bastante ou inteligente o bastante. Então evita o máximo possível comer e se enterra nos livros. Teve um breve romance com Leo, mas perante a possibilidade de morte do mesmo, ele termina tudo. Os dois vivem se alfinetando desde então.

Alguns críticos descreveram Red Band Society como uma mistura de Glee com A Culpa é das Estrelas. Não poderia concordar mais! A mistura de gêneros deu completamente certo nessa série. É impossível deixar de rir com os personagens e chorar nos momentos de dificuldades.

A ideia da série saiu de uma série espanhola chamada Polseres Vermelles. Ultimamente isso anda sendo feito com bastante frequência: produtores americanos pegam séries de sucesso em outros países e as adaptam para os Estados Unidos. Algumas fazem mais sucesso que as originais, outras nem chegam aos pés. Quanto à isso, não posso dar minha opinião, pois não assisti a original. Mas após assistir Red Band Society, definitivamente darei uma olhada quando tiver um tempinho.

A série ainda conta com o grande Steven Spielberg como um dos produtores executivos! Já era de se esperar que fosse emocionante, não é mesmo? Mas, aparentemente, a série não está tendo uma audiência muito legal no EUA. Agora é torcer para que não seja cancelada.

Me despeço de vocês por aqui, e deixo o trailer dessa fofurinha, na esperança de que assistam e amem tanto quanto eu.


Beijinhos e até a próxima!
***
Este post está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

11 comentários:

  1. Oi Nathalia! Achei a série bastante interessante, ainda não a conhecia. E depois que falasse que o Spielberg é produtor, aí me interessei mais ainda. Com certeza vou conferir, valeu a dica. ;)

    Autor de Mestre de Marionetes
    www.laplacecavalcanti.com

    ResponderExcluir
  2. Oiee Nath!

    Menina de cara eu pensei: essa série é pra adolescente, já passei dessa fase tem um tempinho, então não pretendia assistir.
    Mas ao ler, e vê que se passa em um hospital (tenho queda por séries hospitalares), e que todos tem algum tipo de doença, fiquei bem curiosa e interessada.
    Não sei se assistirei com frequência, porque mal estou conseguindo acompanhar as minhas preferidas, mas vou tentar fazer um esforcinho rs.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  3. Achei a ideia da série interessante, é uma pena que não esteja fazendo tanto sucesso. Gosto bastante da mistura entre drama e comédia, quase sempre é bem emocionante. Adorei as personagens, e acredito que a série nos dê várias lições de vida, o que já um ponto a mais, a meu ver.

    ResponderExcluir
  4. Eu achei essa série fantástica, é o tipo de tema que eu amo assistir. Eu estou com um certo receio ao começar a assistir essa série porque se não está fazendo muito sucesso eles vão cancelar, e odeio quando eu começo a amar uma série e ela é cancelada. Tomara que começa a ganhar mais audiência, essa série tem tudo pra ser um sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Nathalia.

    Eu sou chorona e não sou muito forte pra algumas coisas, acho que não conseguiria acompanhar essa série, com certeza deve ter algumas mortes e tudo mais.
    Eu passo mal só de ir visitar parentes em hospitais. >.<
    Mas achei interessante a premissa, pra quem curte esse tipo de série.

    Visite: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Não conheço a série, mas não me interessa no momento.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia a série ,pelo que parece é uma das séries que você chora rsrsrsrsrs , mas no momento estou em outra série TVD ( meu amore mio rsrsrs) . Mas valeu pela dica de série ,quem sabe assisto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Nathalia! Passei para avisar que assisti o primeiro episódio da série como sugerisse e gostei bastante.

    ResponderExcluir
  9. Esta definitivamente já se tornou minha coluna preferida. Já ouvi mta gente falando bem dessa série, mas a audiencia está deixando a desejar e mto. Por isso não vou me arriscar a assistir agora. Se for renovada, eu assisto a primeira temporada de uma vez só.

    Espero que tenha mto mais de "na telinha"!!!

    ResponderExcluir
  10. Gosto muuito de historia de hospitais,de pacientes
    Eu ate assisto um programa chamado..... A esqueci
    Mas gostei muuuito da serie não conhecia, mais pretendo assistir !

    ResponderExcluir
  11. Nathália!
    Tendo Spilberg como assessor, certeza que merece ao menos assistir alguns capítulos para ver se realmente é isso tudo.
    Séries médicas são agradáveis.
    Tenha uma semana de sucesso!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir