10 de outubro de 2014

Tá Na Estante :: ' A Última Chance ' #315

POSTADO POR EM 10 de outubro de 2014

Hey Galerinha!


Como estão hoje? Animados para mais uma resenha? Espero que sim, pois hoje venho conversar com vocês sobre um livrinho lançado recentemente pela Verus Editora. Vamos conferir?


Livro: A Última Chance
Autora: Karen Kingsbury
Editora: Verus
Páginas: 336
Sinopse: Ellie tem quinze anos e um melhor amigo e amor chamado Nolan. Um dia antes de Ellie se mudar para o outro lado do país com o pai, ela e Nolan escrevem cartas um para o outro e as enterram debaixo de um velho carvalho. O plano é se reencontrar no mesmo lugar dali a onze anos para ler o que cada um escreveu apenas para o improvável caso de eles perderem contato. Agora, conforme a data se aproxima, muita coisa mudou. Ellie abandonou sua fé e luta para criar a filha sozinha. Na correria do dia a dia, ela sempre encontra tempo para ver na TV seu antigo amigo Nolan, hoje um famoso jogador profissional de basquete, cuja fé em Deus é conhecida pela nação inteira. O que poucos sabem é que as perdas que ele sofreu na vida pesam em sua alma. Mesmo com toda fama e sucesso, Nolan se sente sozinho, assombrado pelo vazio que domina seu coração desde que sua melhor amiga foi embora. Tanto para a desiludida Ellie quanto para o intenso Nolan, o reencontro é mais do que uma promessa de adolescência é a última chance de descobrir se é tarde demais para se entregar ao amor. Em A última chance, Karen Kingsbury nos brinda com uma história sobre perdas dolorosas, o poder da fé e as feridas que somente o amor pode curar.

A Última Chance é o tipo de livro que nos chama a atenção desde o momento que batemos o olho nele. Capa bonita, sinopse atrativa. Tudo o que nós, pobres leitores, precisamos para nos apaixonar logo de cara por um livro e que nos faz necessitar lê-lo.

Acho que podemos separar esse livro em duas partes: o antes e o depois. Desse modo ficará mais fácil para eu explicar um pouco da história e expor minha opinião a respeito. No “antes”, conhecemos Ellie, uma adolescente de quinze anos que vive atormentada pelos problemas familiares.

Conhecemos também Nolan, seu melhor amigo. Ellie e Nolan são carne e unha: inseparáveis. Nolan até brinca com a ideia de casar com Ellie algum dia em seu futuro. Mas nem tudo são flores para esses dois.

Ellie acaba de descobrir que sua mãe está grávida e que seu pai não é o pai do bebê. Diante da traição da esposa, o pai de Ellie não vê outra alternativa a não ser mudar de cidade para não ter que conviver com tamanha decepção.

E, diante da despedida e separação iminentes, Ellie e Nolan escrevem cartas um para o outro e enterram sob a árvore favorita dos dois. O acordo era que eles iriam se reencontrar dali a onze anos para ler a carta um do outro.

Porém, durante esse tempo os dois perderam o contato. E logo temos o “depois”. Muita coisa mudou desde que Ellie e Nolan se separaram quando tinham quinze anos. Nolan agora é um jogador de basquete profissional nacionalmente conhecido. Ellie é uma mãe solteria que luta para sustentar a filha.

Desde que se mudou da cidade com o pai, Ellie nunca mais teve contado com a mãe. E logo corta a relação com o pai também. Mas sempre arranja um espaço em sua vida para assistir os jogos do seu antigo amigo de infância.

A minha sensação ao ler A Última Chance foi de total e completo desapontamento. Ao longo desses anos em que venho analisando mais criticamente os livros que leio, encontrei muitas histórias com um potencial tremendo e que infelizmente não foram bem escritas ou bem desenvolvidas.

A temática abordada do livro fica muito clara durante a leitura: fé, perdão, exorcizar nossos demônios passados e conquistar o tão esperado “felizes para sempre”. E, se pararmos para analisar isso melhor, não é nada tão inovador ou inédito. Para mim, já é um tema batido e que ficou extremamente chato de tanto ser explorado.

O método de escrita da autora também não me agradou muito. Por ser um livro extremamente pessoal, que trata de dramas pessoais, esperava uma narrativa em terceira pessoa. Mas o livro é todo em primeira pessoa. Isso atrapalhou um pouco na construção dos personagens, ao meu ver, pois não conseguimos sentir a profundidade emocional de cada um.

Outro elemento que realmente me incomodou é a menção constante à religião. Nada contra, eu até fui criada dentro do catolicismo, mas acho que forçar suas crenças em seus leitores do modo que Karen Kingsbury fez nesse livro é desnecessário. Chega a ser forçado, falso, apelativo demais a ponto de ser cansativo.

Poderia ficar aqui por uma eternidade falando dos elementos que me incomodaram durante a leitura de A Última Chance, mas acho que já expressei razoavelmente bem a minha opinião sobre a história. Então, me resta contar um pouco sobre o trabalho realizado pela editora. Como disse anteriormente, a capa desse livro é uma obra prima! É o tipo de capa que te transmite paz, uma calma interior. Esse foi um dos principais motivos para que eu escolhesse esse livro para ler.

A diagramação interna é simples, nada de especial. As páginas são no bom e velho tom amarelado que é tão agradável para nossos olhos. A mudança de capítulos é sinalizada por números ornados com uma pequena folha de árvore. Revisão impecável, como já é de costume da Verus Editora.

Finalizando: recomendaria o livro somente para aquelas pessoas extremamente religiosas. Caso contrário, pode acontecer com vocês o mesmo que aconteceu comigo. Afinal, o livro inteiro é uma baboseira religiosa e repetitiva que realmente cansa o leitor.

Me despeço de vocês, como sempre, com uma citação de A Última Chance. E se alguém aí já leu esse livro, me digam se sentiram o mesmo que eu, okay?

Quando caiu no sono naquela noite, Ellie não rezou como costumava fazer. Rezar não a tinha levado a lugar nenhum. Não fizera seu pai mudar nem fizera com que Nolan escrevesse para ela. Talvez assim fosse melhor. A nova Ellie exploraria a vida sozinha, sem Deus.

BEIJOS E ATÉ A PRÓXIMA!
***
Este post está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

17 comentários:

  1. Já fiquei curiosa para ler o livroooo !
    http://geoaraujoand.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nath!

    Eu postei a minha resenha desse livro hoje também, e assim que vi que você também tinha feito, vim aqui conferir se eu era chata mesmo ou se realmente alguém sentiu o mesmo que eu.
    E, definitivamente, você sentiu o mesmo que eu.
    A Última Chance é um livro que tinha muito para ser mais um estilo Nicholas Sparks, fofinho e bonitinho... Mas a narrativa da autora estragou tudo. Foi uma decepção muuuuito grande.
    Se quiser ler a minha resenha: http://www.estantedasfadas.com.br/2014/10/resenha-ultima-chance-karen-kingsbury.html

    Foi bom saber que mais alguém achou o que eu achei, assim me sinto mais humana. Tinha até começado a achar que talvez tivesse pego pesado demais.

    Beijos!
    http://www.estantedasfadas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também pensei algo completamente diferente do que ele realmente é quando li a sinopse. Fiquei bem desapontada. Vou ver sua resenha ;)

      Excluir
  3. Oi, Nathalia.

    Como você disse o livro tem tudo que a primeira vista agrada a nós leitores, capa e sinopse que encanta, mas o conteúdo em sim não é bem elaborado. Não tenho nada conta as crenças, mas isso muito forte em um livro é demais. Não leria o livro. Depois de ler a sua resenha. Errrrr' Acho que é isso.

    Sorteio: O lado mais sombrio e Atrás do espelho, participem.
    http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/2014/10/sorteio-de-halloween-novo-layout.html

    Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paulinha. Então realmente você tem um ponto de vista parecido com o meu e compreendeu o que eu quis passar.

      Excluir
  4. Confesso que a capa do livro e a sinopse me deixaram com muita vontade de conferir a narrativa. Mas acho que mexer com questões de religião tem que ser sempre muito bem pensado, afinal não é um tema comum a todos nós. Acredito que tentar forçar crenças através de um história não fica legal. Gostei do tema e da premissa do livro, mas fiquei um pouco receosa depois de ler a tua resenha e conhecer tuas impressões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Patrini. Religião é um tema polêmico, não gostei da forma como foi abordado o tem, mas talvez você possa gostar ;)

      Excluir
  5. Oi Nathalia !

    Achei de cara muito interessante , este livro não só por tratar de amor ,esperança e claro FÉ .Algo realmente que me chama muito minha atenção para leitura e debate , sua resenha ficou maravilhosa e fique muito ansiosa para coloca-lo em minha estante !
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leiticia. Fico muito feliz que tenha gostado da minha resenha, espero que aprecie a leitura ;)

      Excluir
  6. Olá. Ler a citação final me fez ficar interessado mais ainda nesse livro. Gosto de livros que tenham essa ideia de fé...

    Mas essas duas estrelinhas desanimaram...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Douglas. Mas pense que as vezes o livro que é ruim pra um é bom pro outro. O tema realmente não favoreceu a história pra mim, mas se é um estilo de leitura que você curte, vai com tudo ;)

      Excluir
  7. Uma pena que não tenha gostado, pois como você disse, ele conquista logo na primeira vista.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. Oi Nathália!
    Que pena que esse livro não seja bom :/ a história parece ser maravilhosa e tem tudo pra ser um ótimo livro, mesmo sendo um livro religioso, que triste a autora não ter escrito um pouco melhor.

    ResponderExcluir
  9. Só eu que não gostei do livro desde a sinopse? kkkkk

    Me pareceu uma dessas histórias melosas de amor onde o casal bate o olho pela primeira vez e um se torna o ar que o outro respira... Não curto histórias assim. Claro que duas pessoas podem se apaixonar a primeira vista, mas vamos fazer algo mais real e menos novela da Globo, né?

    Quanto a parte de religião, como falaram, é um assunto bem delicado mesmo. Você impor sua religião através de um livro é algo muito forte, isso de você tentar doutrinar alguém é delicado. Já falei sobre isso com autores que falam sobre Deus em seus livros e eles me disseram que o melhor que acham é você falar de Deus sem religião. Porque, primeiro, Deus não deixou religião, deixou Sua Palavra. E segundo, se você não vai direcionar seu livro apenas para sua religião, você não pode intimidar as demais pessoais. Elas se sentiram acuadas, não irá querer ler a sua obra, e se a lerem, não irão captar a mensagem que você quis passar.

    Autor de Mestre de Marionetes
    www.laplacecavalcanti.com

    ResponderExcluir
  10. Oiee.
    Pela capa eu imaginei um livro lindo e emocionante, rá, errei feio rsrs
    Depois de tudo o que falou nem tenho muito o que dizer a não ser que me decepcionei com ele, eu até sou católica de ir à missa todos os domingos, mas se o livro não é religioso, pra quê exagerar?
    Enfim, não vou ler com certeza, é uma pena porque amei essa capa :/

    ResponderExcluir
  11. Nathalia!
    Acho até interessante livros de cunho religioso que trazem aprendizado espiritual, entretanto, forçar à uma crença fica algo impositivo e perde o foco da leitura.
    A capa realmente é linda e interessante e o fato das cartas ainda mais inusitado, entretanto, não sei se leria não...
    Desejo uma semaninha maravilhosa de luz e paz!!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir