7 de dezembro de 2014

Tá Na Estante :: 'Os últimos preparativos' #342

POSTADO POR EM 7 de dezembro de 2014

Hey people! 


Olha eu aqui novamente com uma resenha fresquinha para vocês. Alguém arrisca um palpite de qual é o livro de hoje? Se alguém disse Os Últimos Preparativos da Maggie Shipstead, acertou em cheio. Preparados? 

Livro: Os Últimos Preparativos
Autora: Maggie Shipstead
Editora: Record
Páginas: 336
Sinopse: É o fim de semana do casamento de Daphne. Winn Van Meter, seu pai, segue em direção à ilha de Waskeke, onde acontecerá o evento. No carro, leva o vestido da filha e questões que atormentam seus pensamentos. Agatha, amiga de Daphne, faz com que ele cogite pela primeira vez ser infiel, e Van Meter tem certeza de que sua não entrada no Pequod, o clube de golfe da ilha, é culpa de seu antigo e suposto rival Jack Fenn. Enquanto isso, Livia, a filha mais nova de Winn, acabou de sair de um relacionamento traumático, mas no fundo acredita que vai dar a volta por cima. Porém, na busca de algo que a ajude suportar a perda, pode encontrar problemas ainda maiores. Assim é montado um divertido espetáculo regado a gins-tônicas, desejos reprimidos e uma baleia encalhada. O livro teve os direitos vendidos para uma adaptação para o cinema por Sofia Coppola, diretora do filme Maria Antonieta. O livro recebeu o Dylan Thomas Prize e The Art Seidenbaum Award for First Fiction, do LA Times. Best-seller do New York Times. Uma comédia de costumes mordaz e extremamente inteligente. The Guardian.

Os Últimos Preparativos é um exemplo perfeito daquele tipo de livro que você escolhe pela capa, achando que vai ser legal, e se arrepende profundamente depois. 

O livro gira em torno de Winn Van Meter, um pai de família estremamente elitista e conservador que está se preparando para o casamento de sua filha mais nova, Daphne. O casamento acontecerá na ilha particular da familia, Waskeke. 

Alguns dos convidados mais próximos da família se hospedam na casa de campo deles, para facilitar toda a arrumação para a festa. Mas - como é de se esperar quando um grande número de pessoas se reunem – paz e tranquilidade não é algo que se faça presente nesse fim de semana. 

A narrativa construída por Maggie é estremamente psicológica, cheia de pensamentos dos personagens e reflexões sobre a vida dos mesmos. Winn, por exemplo, não consegue aceitar o fato de sua filha estar casando grávida. Ainda por cima, está se sentindo tentado a trair sua esposa com Agatha, a melhor amiga de Daphne. 

Livia – a filha mais velha – está passando por um fim de relacionamento extremamente dramático e traumatizante. Por esse motivo, ela se leva a ações extremas na tentativa falha de provar a si mesma que irá superar o término. 

Ao meu ver, Liv é a mais humana dentre o hall de personagens criados por Maggie. Ela não tenta ser desesperadamente perfeita e tem suas paranoias, como toda mulher têm. 

Quando li a sinopse desse livro, imaginei que encontraria uma comédia gostosinha de se ler. Na verdade, esperava algo bem parecido com o filme O Casamento do Ano (se você ainda não assistiu, assista!). Mas o que eu encontrei foi exatamente o oposto. 

A escrita da Maggie é majestosa, até ousaria dizer impecável. Quando tratamos de um enredo desenvolvido unicamente com base nos pensamentos dos personagens, temos que tomar o máximo cuidado para que não sobrem pontas soltas. Maggie fez isso com uma maestria diva e eu decididamente tiro o chapéu por isso. 

Mas o fato da escrita da autora ser excelente não foi o suficiente para relevar o meu desconforto com a história. Embora a escrita seja boa, eu achei a história bem maçante. É o tipo de livro que você não consegue levar pra frente, por mais que queira. 

Os personagens, com exceção de Liv, são superficiais e frívolos. Acompanhamos em primeira mão seus pensamentos mesquinhos e podemos perceber o quanto dão importância a assuntos banais e desinteressantes. Acho que isso acabou contribuindo para o meu ritmo extremamente lento de leitura nesse livro. 

Para mim o ponto alto do livro foi o encalhamento da tal baleia. Foi o único motivo que consegui realmente achar engraçado. De resto, é drama para todo lado. Drama demais. Como eu estava esperando uma leitura leve e engraçada, ser estapeada na cara com tanto drama foi algo realmente chato. 

No meu gosto pessoal, não é um livro que eu leria novamente. A primeira vez já foi extremamente desgastante para mim. No entanto, há um certo tipo de leitor que pode realmente gostar da narrativa e aproveitá-la muito mais do que eu fiz. 

Se você é o tipo de pessoa que curte dramas psicológicos e personagens frios, corra já para a livraria mais próxima e garanta o seu exemplar. Caso contrário: passe longe. 

Mas chega de fazer vocês lerem minhas reclamações e queixas. Vou me despedindo por hoje e, como sempre, os deixo com uma pequena (bem pequena mesmo) citação do livro. Espero não tê-los cansado muito. 

A juventude é a melhor desculpa que você jamais vai ter. 

Beijinhos e até a próxima! 
***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e participe.

10 comentários:

  1. Oiiiii, ao contrário de você esse seria um livro que eu passaria longe analisando a capa, sinceramente, achei totalmente "brochante". Com base nas suas percepções sobre o mesmo, percebo que sua opinião não foram as melhores né? Sei bem como é isso, o autor pode ter a melhor escrita do mundo mais não adianta nada se você não se identifica com os personagens. E isso ao meu ver é o que diferencia uma leitura de um livro, do O livro, entende?

    E pelo que pude perceber esse é apenas mais um...infelizmente.

    ResponderExcluir
  2. Eu compraria esse livro só pela capa, sem ao menos ler a sinopse, pois eu achei ela linda. A história parece ser legal, mas como você falou tão mal do livro eu vou ficar bem longe dele rs. Ótima resenha :)

    ResponderExcluir
  3. Oii Nathy!
    Bem a capa não me impressionou nada O.o , não curti a história que gira em torno de gravidez fora de casamento ,traição vish não me convenceu .Mas me lembrou da Barbara hahahahahahhhahaha .
    Beijos

    http://www.nossaspaixoesopsnossoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Eu confesso que odeio livros monótonos, e esse me pareceu um exemplo perfeito disso. Apesar de a capa ser linda, a sinopse me desestimulou completamente. Não curto muitos dramas numa história, e essa é cheia deles. Além do mais, os personagens me pareceram mesquinhos demais e isso provavelmente me irritaria profundamente. Então não, eu não vou ler o livro.

    ResponderExcluir
  5. Nathalia!
    Gosto de livros psicológicos e até dos dramas, porém personagens frios?!... Só se for em livros fantásticos...
    Bem, não sei se gostaria de ler esse livro, pelo menos não agora. Estou preferindo livros mais alegres e mais para chick-lit.
    Valeu sua resenha bem sincera.
    Uma semaninha cheia de luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Nathália! Adorei sua resenha por causa da sinceridade! Geralmente, pelo livro ter uma ótima escrita, as pessoas acabam esquecendo de todo o resto e confundem na hora de dar a opinião!
    O livro parece mais drama psicológico e eu confesso que por enquanto não estou preparada para este tipo de leitura. Prefiro algo que me faça sentir dentro do livro - mesmo que a escrita não seja a melhor do mundo!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Oi Natália, uma pena que você não gostou do livro. Eu não o conhecia, e confesso que não cairia pela capa que achei feia.
    Bjs,Rose

    ResponderExcluir
  8. Oiee.
    Quando a parte interessante do livro é o encalhamento de uma baleia, algo, ou melhor, nada está bem.
    Se eu já não me interessava por ele, depois de ler isso, menos ainda.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro e realmente tô evitando drama demais. Aliás, detesto drama demais, principalmente aquele que é do tipo que nos faz ter vontade de bater nos personagens. KKKKKK Acho que esse eu não lerei.
    Beijos.

    ResponderExcluir