27 de janeiro de 2015

Tá Na Estante :: 'Despedaçada' #355

POSTADO POR EM 27 de janeiro de 2015

Olá turma!

Depois de sumir novamente por um tempo, cá estou eu para resenhar um livro que me tirou o fôlego e encerrou uma das minhas trilogias distópicas favoritas. Já sabem qual é? Quem falou Despedaçada acertou! Se preparem que muita coisa boa vem por aí!

Livro: Despedaçada
Série: Slated (#03)
Autora: Teri Terry
Editora: Farol Literário
Páginas: 400
Sinopse: Kyla foi Reiniciada: sua memória foi apagada pelo Opressivo governo dos Lordeiros. Mas, quando lembranças proibidas de um passado violento começam a aparecer, surgem também dúvidas: ela pode confiar naqueles que passou a amar, como Ben? As autoridades querem a morte de Kyla. Com a ajuda de amigos no DEA, ela vai a fundo, sondando seu passado e fugindo. A verdade que ela busca desesperadamente, no entanto, é mais surpreendente do que ela poderia imaginar. Ao final do terceiro volume desta aclamada série, os mais profundos e imprevisíveis segredos serão revelados.

Essa resenha pode conter spoilers dos livros anteriores. Resenhas aqui e aqui.

Quando comecei a leitura de Despedaçada, juro que não sabia o que esperar. Teri Terry é o tipo de autora que ama uma reviravolta e que não segue o caminho óbvio que todos esperam. Sendo assim, já comecei a ler sem nenhuma expectativa – nem boa, nem ruim – o que acabou sendo uma benção no fim, já que fiquei completamente sem palavras com a finalização da trilogia.

Como já era de se esperar, Despedaçada começa alguns dias após os acontecimentos finais de Fragmentada, com Kyla fugindo e sendo dada como morta após a explosão da bomba destinada a matar a sua família.

Com a ajuda de Aiden, o líder do DEA – Desaparecidos em Ação – Kyla consegue uma nova identidade e transforma um pouco a sua aparência para que não seja reconhecida. Porém, ela não se sente como Kyla mais, mas também não se sente como Lucy – a garotinha que ela era quando desapareceu – ou como Chuva – a garota que se tornou no TAG.

A única alternativa que Kyla vê é mudar de nome, criando um que englobe todas as fases de sua vida. Assim, com um novo nome – Riley Kain – ela parte para sua cidade natal em busca de sua mãe biológica – Stella – e de respostas sobre as lacunas do seu passado.

Quando Riley/Kyla se vê na casa em que cresceu, várias lembranças sobre a cidade, a família e sobre ela mesma começam a aflorar. Isso a faz entrar em um conflito de identidade ainda maior. É gratificante ver como ela interage com Stella e com as pessoas que conhece por lá.

Novos personagens são inseridos na história nesse novo volume, e alguns deles são fundamentais para a motivação de Kyla e para o desfecho digno que a trama teve. Dentre esses personagens está Madison.

Madison é uma garota que vive no lar para garotas que a mãe de Kyla gerencia. A personalidade forte dela me conquistou logo de cara. Madison é o tipo de garota que “não leva desaforo pra casa” e isso acaba a metendo em sérios problemas. Mas o que é mais cativante em Madison é a amizade que ela e Kyla desenvolvem e a forma como ela a ajuda a passar por esse momento complicado em sua vida, mesmo sem saber quem ela realmente é.

Outra personagem importante para a conclusão é a avó de Kyla e seu emprego como OCJ, uma espécie de chefe dos Lordeiros. O súbito aparecimento dela na casa de Stella faz com que Kyla recupere ainda mais memórias sobre sua origem e sobre a motivação por trás dos Lordeiros.

Quanto à escrita, Teri acertou em cheio. Como aconteceu na transição de Reiniciados para Fragmentada, o crescimento da autora é notório. A evolução da série foi muito bem construída, sendo gradativa e nos deixando sempre com um gostinho de quero mais.

Em Despedaçada, todas as pontas soltas deixadas nos primeiros livros se conectam e juntos formam uma trama que nunca poderíamos imaginar ao ler Reiniciados. Esse é um ponto importante para mim, odeio séries previsíveis e que não tenham pelo menos o mínimo de estruturação na trama.

Kyla é uma das personagens mais complexas que já encontrei em minhas leituras. Todo o processo de reiniciamento a transformou, mudou um pouquinho quem ela é. E, como consequência disso, ela tem uma crise de identidade enorme e a busca dela para se encontrar, para descobrir quem realmente é, é um dos fatores mais interessantes no livro.

Assim como a autora, assistimos Kyla crescer como pessoa gradualmente. E quando chegamos ao final, a desolação nos atinge com força. Eu, pessoalmente, me peguei desejando mais um livro, só para acompanhar a vida da Kyla após os acontecimentos finais de Despedaçada.

E não poderia deixar de mencionar o trabalho magnífico da Farol Literário. A trilogia Slated possui algumas das melhores capas na minha estante, e o fato da editora decidir manter as capas originais ajudou e muito para isso. Quando à revisão e diagramação, só tenho elogios.

A diagramação segue o mesmo padrão dos dois livros anteriores. Isso me encantou. A editora permaneceu fiel ao que foi proposto no primeiro livro e isso contribuiu imensamente para a beleza visual da obra geral. Já a revisão está magnífica. Nem tenho palavras para expressar a sensação boa que dá ao ler um livro sem erros de digitação e de gramática!

Mas acho que já escrevi demais por hoje. Vou parar de entediá-los e ir embora de uma vez. Mas antes, não se esqueçam da minha costumeira citação para deixá-los morrendo de vontade de ler.

A cada dia que passa, percebo mais e mais que há momentos em que, não importa o risco, alguma coisa precisa ser feita. Algumas coisas devem ser ditas. Este é um desses momentos?

Agora vou mesmo. Não se esqueçam de me contar ali nos comentários o que acharam da minha resenha e do livro, caso tenham lido.

Beijinhos e até a próxima.

***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA.
Clique AQUI e saiba como participar.

10 comentários:

  1. Oi. Fiz um post sobre pote de leitura e linkei teu blog. Dá uma olhadinha e deixa tua opinião.

    Um beijo

    http://momentosdelucidezenemtanto.blogspot.com.br/2015/01/pote-de-leitura.html

    ResponderExcluir
  2. Eu acho as capas dessa série maravilhosas, é umas das mais bonitas que eu já vi. Adorei a sua resenha e me deu mais vontade de começar a ler essa série. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  3. Essa série me desperta curiosidade desde que a conheci. Gosto muito de distopias, e essa, particularmente, tem uma trama bastante original. Acho que mexer com identidade é uma coisa com a qual eu não estou familiarizada como gostaria, e por isso mesmo quero muito ler. Fora as capas magníficas, a história me parece super interessante também.

    ResponderExcluir
  4. Olá... Nathalia, tudo bem??
    Há essa série também é uma de minhas preferidas e quando vi que você a resenhou vim matar um pouquinho de minha saudade aqui... Kyla é uma personagem feminina que amei conhecer... por mais que ela tenha todas essas crises de identidade totalmente explicativas ela cresce e amadure e nos envolve em seus pensamentos e ações... eu amei o desfecho que a Teri nos presenteou ela soube dosar e fazer as coisas acontecerem de uma forma nada previsível e nos surpreendendo... amei a sua resenha... ela trouxe alegria ao meu coração... sinto tanta saudades... rs.... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá! Minha prima lê essa série e vive me dizendo para ler também, mas já estou metida com tantas que acabo deixando para depois. Depois dessa sua resenha até fiquei com vontade de colocá-la no topo da lista para ler antes das outras. kkkk Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Eu quero tanto essa série distópica, simplesmente amo tudo que tem haver com distopia e tals!
    Vou procurar um box e comprar aushaush
    Adorei a resenha, bjos

    ResponderExcluir
  7. Nathalia!
    Tão bom quando uma série que gostamos tem um desfecho que nos agrada e nos sentimos gratos por tudo dar certo, ao mesmo tempo, tristes pela série ter terminado.
    É uma das minhas séries desejadas.
    Desejo uma maravilhosa semana!!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li essa trilogia.
    Porém, como eu AMO DISTOPIAS, vou ler, com certeza, assim que eu puder.
    Adorei sua resenha. Peguei alguns spoilers, mas, tudo bem. kkk'
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  9. Hello Nathy !
    Acho as capas da série Slated, lindíssimas, além de ser um grande admirador de distopias *--*.
    Amei sua resenha, como sempre ressaltando aqueles pontos que nos fazem pular do sofá kkk.
    Acho a temática bem interessante e já é mais que favorito ^^

    ResponderExcluir
  10. Realmente as capas dessa série são lindas.
    Minha prima lê e já pedi o dela emprestado, quero muito ler esse livro.

    ResponderExcluir