Oi, gente, Tudo bem?

Olha mais uma resenha fresquinha pra vocês. O livro de hoje é uma continuação que eu estava aguardando há muito tempo, e se você leu o primeiro, com certeza também estava. Vamos conferir?

Livro: Incubus
Série: Dangerous Creatures #02
Autora: Margaret Stohl & Kami Garcia
Editora: Galera Record
Páginas: 252
Sinopse: Aqui, acompanhamos um dos mais carismáticos personagens da saga, Link, na tentativa de salvar a namorada Sirena Ridley Duchannes. Capturada por Silas Ravenwood, um Incubus das Trevas que a quer como cobaia em experimentos para mesclar poderes de mais de um Conjurador em apenas um corpo, a jovem pode estar prestes a enfrentar um perigo maior: a própria sede de poder. Afinal, se como Sirena ela é quase imbatível, imagine quando se tornar uma Sirena-Ilusionista? Ou Sirena-Cataclista? Desesperado, Link precisa reunir um grupo de amigos improváveis e até um rival para conseguir invadir os laboratórios de Silas e libertar sua amada. Antes que seja tarde demais.

No final de Sirena, Link e Ridley conseguiram escapar das garras de Silas Ravenwood e fugiram em direção a Vegas, mas sofreram um grave acidente na estrada. Lennox pagou um preço alto por não ter entregue o casal a Silas como havia combinado, devdo à sua paixão por Ridley, e quase perdeu a vida por isso.
Nox tem uma visão do local do acidente e vai até lá, mas depara-se apenas com o que sobrou do Lata-Velha e a polícia Mortal investigando. A alguns metros dali, encontra Link, mas não há sinal de Ridley em lugar nenhum. A Sirena está desaparecida e ao que tudo indica, foi sequestrada por Silas, que deseja vingança pela morte de seu bisavô, Abraham Ravenwood, morto por Link.
Nox e Link reúnem-se aos seus amigos Necro, Floyd e Sampson para tentar desvendar o paradeiro de Ridley. Eles acreditam que a Sirena está presa nos laboratórios de Silas e que o sádico Incubus de Sangue planeja fazer seus experimentos na garota. O problema é que ninguém sabe a localização dos laboratórios e encontrá-la não será nada fácil.
Assim, Link e Floyd viajam para Oxford, para encontrar Liv e John Breed. John foi criado nos laboratórios quando Abraham os dominava e pode saber como encontrá-los. Por outro lado, Nox parte sozinho atrás da Sirena. Ele também passou um tempo lá quando a mãe era prisioneira de Abraham e, apesar de também não saber a localização exata, pode encontrar quem o ajude. Ridley não tem muito tempo. Silas tem planos maléficos para a poderosa Sirena e se ela não conseguir escapar logo, pode ser tarde demais.
Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!
Depois do final de Sirena, fiquei extremamente ansioso pela continuação. Não sabia o que iria encontrar e a curiosidade estava me matando. Quando o livro chegou, dei uma folheada e vi que o foco estaria em Link, não em Ridley, e isso me desanimou um pouco, por isso demorei para ler. Até que resolvi me aventurar e terminei a leitura em um dia, mas não foi bem o que eu esperava.
A escrita de Margaret Stohl e Kami Garcia segue no mesmo estilo de seus outros livros. Logo nas primeiras páginas me vi preso e querendo saber o que ia acontecer. O problema é que as autoras dividiram a narrativa em três pontos de vista (Link, Nox e Ridley) em terceira pessoa, quando o primeiro livro foi em primeira pessoa.
As partes narradas por Ridley eram as que eu mais ansiava. A Sirena passou por poucas e boas nesse segundo volume, mas lutou bravamente, mostrando um lado que até então eu não conhecia. Os capítulos de Link eram divertidos e pude matar a saudade de Liv e John, personagens da série Beautiful Creatures que eu adoro.
Agora os capítulos de Nox eram um tormento sem fim. Nox é um personagem com o qual não consigo me identificar e ele é uma pedra no sapato do romance Link e Ridley, que é um dos meus favoritos da literatura. Eu tinha vontade de pular todas as partes em que ele aparecia, mas eram tantas que eu não podia.
Sobre o enredo em si, achei que as autoras caíram mais uma vez na maldição do segundo livro. Muita enrolação pra pouca ação. Eu conseguia ver inúmeros caminhos para Stohl e Garcia seguirem, mas elas preferiram ir pelo óbvio e o livro caiu numa rotina entediante em certos momentos.
O final, pelo menos, foi de tirar o fôlego e mais uma vez estou ansiando pela continuação. As autoras inseriram um ponto na trama que pode fazer com que o próximo livro seja maravilhoso ou um desastre total. Espero que a Galera Record não demore em trazer para o Brasil.
A edição física do livro segue o padrão do seu predecessor. A capa é bem simples, conta apenas com a imagem do corvo, que é o símbolo dos Ravenwood. A diagramação é simples, as páginas são amareladas e a fonte é grande. A revisão deixou um pouco a desejar. Encontrei muitos erros de digitação e isso me chateou bastante.
Incubus pode ter sofrido a maldição do segundo livro, mas acredito que a série ainda tem muito potencial. Por isso, recomendo sim a leitura. Só não vão com muita sede ao pote…
Beijos e até a próxima!!!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Blog Canto da Janela
    30 novembro, 2015

    Vi algumas pessoas falarem bem do livro e tinha ficado curiosa, mas nem sabia que era série haha Mas no fim nem é meu tipo de história