20 de fevereiro de 2016

Tá Na Estante :: 'Para onde vai o amor?' #503

POSTADO POR EM 20 de fevereiro de 2016

Heeey, gente. Tudo bem??




Há algum tempo recebi esse livro de crônicas do Carpinejar e desde então venho degustando-o. Confesso que não conhecia o moço, mas hoje, após a conclusão deste livro, sou fã apaixonada por ele. Ou talvez eu já seja desde quando li o prefácio da obra. Vamos descobrir porquê tanto amor.

Livro: Para onde vai o amor?
Autor:Fabrício Carpinejar
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 176
Compre: Submarino SaraivaSinopse: O amor não é uma propriedade de quem sente, é uma transferência total para quem é amado Você que está vendo este livro com dúvida se precisa dele, você não precisa dele, precisa de si, vive caçando uma palavra que confirme o que deseja, está atrás de um escritor que possa lhe recomendar de volta para quem brigou, com capacidade de explicar o que sente e traduzir seus tormentos. Mas já sabe o que deseja, não há como convencer do contrário, os amigos mostraram que seu relacionamento não tem futuro. Não acredita neles, acredita somente no milagre. E como justificar um milagre, ainda mais para quem não tem mais fé? Eu entendo o que está passando: sua raiva, sua amargura, seu cinismo, seu desencanto. Percebeu que a razão não conforta, que a vingança ou o perdão não ressuscita a tranquilidade, que o fundo do poço nunca se equivale ao nosso fundo. Você parece normal, mas todo mundo deixa de ser normal quando se apaixona e se separa. Se sua expectativa é por uma solução, eu guardo apenas uma certeza que trará alívio mais adiante: você não vai desistir. Quando diz que acabou a relação, é que está procurando um outro jeito de recomeçar. Em seu novo livro de crônicas, Carpinejar apresenta 42 textos que sobre amor, desilusão amorosa, casamento, divórcio, saudade e outros sentimentos que compõem os relacionamentos.


Confesso que quando vi esse livro pela primeira vez não criei grandes expectativas. A capa, com um coração (órgão mesmo, pra ser mais real) em relevo e um mapa desenhado nele não me passou muita confiança. Porém, quando virei as páginas e me deparei com o prefácio, minha mente explodiu como Fireworks naquele clipe da Katy Perry. Sensacional!



Em 57 crônicas divididas de uma forma bastante aleatória, pelo menos ao meu ver, Carpinejar fala do amor em suas diversas fases. Desde o momento em que um casal se conhece, o coração pausa e depois volta a bater em um ritmo acelerado; até quando essa sensação não mais acontece e então o casal percebe que o amor acabou.



Mas espera aí, o amor acaba?


Essa é a grande questão do livro. Acredito que o intuito do autor foi levar o leitor à reflexão. Em alguns momentos ele realmente dá a entender que o amor pode acabar, em outros, que o término do amor é apenas um recomeço, e que se realmente foi um término, não foi amor. 



É interessante a forma como cada crônica cabe na vida do leitor de uma forma diferente. Conversei com algumas amigas que leram o livro e elas tiveram essa mesma perspectiva. As crônicas têm um sentido pra mim e outro pra elas. Dessa forma, o livro torna-se vivo nas mãos e vidas de cada leitor.

Eu, sinceramente, não tenho muito o que dizer. Esse é um daqueles livros que só se entende lendo. Ou melhor, só se sente lendo, pois esse é definitivamente um livro que merece ser sentido



Espero que em algum momento da vida vocês se entreguem à doçura crua e amarga das crônicas de Carpinejar e que compreendam que o amor é algo muito mais profundo do que se pensa, mas que também é muito simples. 

Beijocas e até a próxima!!!

0 comentários:

Postar um comentário