31 de março de 2016

Tá Na Estante :: 'A Indomável Sofia' #514

POSTADO POR EM 31 de março de 2016

Heeeey, gente. Tudo bem??



Olha eu com mais resenha pra vocês! Último dia do mês de março, óbvio que eu tinha que vir aqui indicar algo bem legal para vocês começarem Abril com o pé direito \o/

Livro: A Indomável Sofia
Autora: Georgette Heyer
Editora: Record
Páginas: 406
Compre: Submarino SaraivaSinopse: Sofia Stanton-Lacy é alegre, impulsiva e de uma franqueza desconcertante, características que não combinam com o que se espera de uma mulher em sua posição na sociedade londrina do início do século XIX. Educada durante as viagens de seu pai, órfã de mãe, ela chega à casa de sua tia em Berkeley Square para derrubar as convenções e surpreender a todos com seus modos independentes e sua língua afiada. E Sophy parece ter chegado no momento certo: seus primos estão com muitos problemas. O tirânico Charles está noivo de uma jovem tão maçante quanto ele, já Cecilia está apaixonada por um poeta, e Hubert tem sérios problemas financeiros. A prima recém-chegada decide então ajudar a todos com sua determinação e impetuosidade, e acaba enfrentando agiotas, roubando os cavalos de seu primo e atirando de raspão em um honrado cavalheiro. Embora sejam sempre mirabolantes e arriscados, seus planos sempre dão certo e tudo parece estar sob seu controle. O que ela não espera, porém, é que seu primo Charles, que aparentemente não vê a hora de arrumar um marido para ela, de repente passa a enxergá-la com outros olhos...


***


Sofia cresceu órfã de mãe, por isso foi criada pelo seu pai, ele poderia entregar a filha na mão de qualquer mulher da família que fosse mais próxima dele, mas decidiu tomar para si o dever de cuidar da jovem. Com isso, Sophy sempre esteve presente nas maiores aventuras do pai, conheceu o mundo e conheceu as pessoas. Porém, agora, a jovem deve debutar e o pai não poderá acompanhá-la. Por isso, deixa a moça em Berkeley Square, com Lady Ombersley, sua prima. 





Sofia Stanton-Lacy é uma jovem altiva e alegre. Criada apenas pelo pai, não precisou lidar com muitos dos deveres das mulheres da época, tornando-se livre. Toda essa sua vivacidade acaba assustando Lady Ombersley, uma mulher muito conservadora. Sophy tem poucas certezas da vida, uma delas é que não quer um casamento enfadonho. A jovem quer a liberdade de ser quem é, mesmo dentro de um matrimônio.

O estilo de vida de Sophy também é uma afronta ao Sr. Charles Rivenhall, ele é filho de Lady Ombersley e primo de Sofia. A grande preocupação do jovem é manter a família, que deveria estar de Luto pela morte de um parente da noiva do mesmo, longe das confusões que a prima recém-chegada apronta. Porém, com o passar do tempo, ele percebe que a necessidade de afrontar Sophy não está realmente nisso, mas na forte atração que ele sente por ela.



A verdade é que não posso contar muito dessa história, pois tudo acaba se tornando um spoiler. Georgette escreve de uma forma diferente, mais energética. Sofia é uma das mocinhas mais a frente da sua época que eu já tive o prazer de conhecer. Amei a forma impulsiva como ela lida com as coisas e como ela age. Charlie é um daquelas protagonistas que a gente vai aprendendo a se afeiçoar, sabe? Do soco ao amor! Haha



É interessante ver como o relacionamento do casal protagonista vai sendo criado, primeiro tendo como base as diferenças, para logo depois chegar a amizade e por fim o amor. Amei a presença das personagens secundárias. A mãe e irmãs de Charles, além da noiva chata, e o pai da Sophy. Dão um ar bem mais familiar à trama, deixando tudo ainda mais gostoso de se ler. Ah, e também tem um papagaio sensacional!

O livro tem um enredo sensacional e mistura diversas histórias dentro de uma só. Amores roubados, casamentos arranjados, tiroteios (sério!). Muitas cenas para rir e muitas cenas tensas ao pontos de querermos entrar na história para resolver a situação. Ô complicação! 



Georgette me deixou louca de curiosidade para ler outras histórias dela. Para quem me disse que se assemelha muito à Jane Austen: Concordo plenamente! Confesso que o começo não me prendeu muito, principalmente antes da chegada da Sophy, mas quando engatou... Foi! Indico muito e espero que vocês amem como eu amei.

Beijocas e até a próxima!!!

2 comentários:

  1. Eu adoro histórias de época! Principalmente as que tem personagens fortes e com o pensamento aberto como a Sofia. Gosto de ver esse contraste e fico imaginando quantas pessoas naquela época foram julgados por pensarem "pra frente". Fiquei muito interessada no livro. Sofia parece o tipo de personagem porque eu torço até o final hahaha. Adorei a resenha.

    Beijo
    Aquela Borralheira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jana. É maravilhoso. Indico demais e garanto que você irá amar. Beijocas da Barb ♥

      Excluir