Olá, pessoal. Tudo bem?

Aqui quem fala é a Ana Karina, do Blog Da Literatura, e hoje estou de volta aqui no SEA a pedido do Leo, para falar de um livro que eu gostei demais. Vamos ver?!

Livro: Wicked
Autor: Gregory Maguire
Editora: LeYa
Páginas: 496
Sinopse: Você nunca mais vai enxergar Oz da mesma forma. Quando Dorothy se vê diante do desafio de derrotar a Bruxa Má do Oeste, no clássico Mágico de Oz, vemos a história se desenrolando pelo lado da heroína. Mas e a história de sua arqui-inimiga, a misteriosa bruxa? De onde ela surgiu? Como se tornou tão perversa? Em Wicked, Gregory Maguire revela tudo isso por meio de um mundo fantástico tão rico e intenso que você nunca mais vai olhar para Oz da mesma forma. Viajando por uma terra encantada, descobrimos todos os detalhes da história dessa garota de pele verde que cresce em meio a desafios e preconceitos, até se tornar uma bruxa infame – uma esperta, irritadiça e incompreendida criatura que desafia todas as noções sobre a natureza do bem e do mal. Recriando com riqueza espantosa o mundo de Oz, este livro conduz o leitor à inesquecível estrada de tijolos amarelos, atravessando um mundo fantástico repleto de conflitos e transformando de maneira surpreendente a reputação de um dos mais sinistros personagens da história da literatura.

Wicked, livro de Gregory Maguire, conta a história da Bruxa Má do Oeste. A obra foi publicada em 1995 e, aqui no Brasil, com o título de Maligna, em 2007, pela Ediouro. Após o grande sucesso do musical da Broadway, inspirado no texto de Maguire, e com as apresentações se encerrando esse fim de semana em São Paulo, a editora Leya fez essa linda edição mantendo o título original.

Wicked conta a história de Elfaba, uma menina insegura e rejeitada logo em seu nascimento tanto pela mãe, Melena, quanto pelo pai, Frex, um sacerdote unionista (a principal religião de Oz) que acreditava em um mito sobre o retorno do mal à humanidade. Algumas situações do nascimento de Elfaba contribuíram para que seu pai desconfiasse que ela era e encarnação deste mito, isto é, como se o mal do mundo tivesse nascido com ela: a menina não chorou após o parto, sua pele era verde e possuía dentes tão afiados que a mãe se negou a amamentá-la com medo de que ela decepasse o seio.

Os pais, que não sabiam como lidar com a situação, recorreram à velha Babá de Melena, a fim de que esta os ajudasse na criação de Elfaba. A Babá achou a menina adorável mas percebia que ela estava começando a desenvolver algumas características um tanto intrigantes. Então, tratou de cuidar da menina o melhor possível, para que esta pudesse ter uma vida normal em contato com outras crianças.

O início do livro trata, então, da infância de Elfaba e como ela cresceu sendo menosprezada por essa família, que a considerava um castigo vindo do Deus Inominável, e por todos ao seu redor. Alguns anos depois, encontramos Elfaba – ou Elfinha, como passou a ser chamada pelos amigos – já adolescente, vai para Shiz, uma escola para garotas localizada no centro econômico e político de Oz, Esmeralda. Em Shiz, ela conhece Galinda, sua colega de quarto mimada e orgulhosa, que se preocupa somente com dinheiro, roupas, joias e amizades que combinem com o seu nível social.

Como sempre, Elfinha continua sendo desprezada pelas pessoas que convive na e sente-se, muitas vezes, como alguém muito diferente dos seus colegas. Elfaba é bastante engajada em assuntos políticos e científicos, desenvolvendo um interesse no estudo sobre Animais (com A maiúsculo mesmo), que são animais falantes e com raciocínio lógico. A partir de suas pesquisas, Elfaba acaba por se envolver em discussões que dizem respeito aos direitos dos Animais pois, pelo que diziam, o Mágico restringiu a liberdade deste grupo e ameaça transformá-los em seres que podem ser negociados pelos habitantes de Oz, transformá-los realmente em animais. 

Descontente com essa situação, Elfaba passa a trabalhar escondida com o seu professor, o Doutor Dillamond, um Bode que pesquisa as semelhanças e as diferenças entre humanos e Animais. Suas experiências científicas resultam na comprovação da igualdade entre humanos e Animais, ou seja, os Animais são seres dotados de inteligência e, por isso, devem ter os mesmos direitos que os humanos. Doutor Dillamond, no entanto, morre sob circunstâncias misteriosas e Elfaba acredita que ele foi assassinado, possivelmente pela diretora de Shiz, Madame Morrorosa, a qual tentou recrutar Elfaba, Glinda e Nessa – irmã de Elfaba e a futura Bruxa Má do Leste – como agentes para o Governo.
.

Frente a essa situação, Elfinha abandona a escola e torna-se uma militante contra o regime opressor, corrupto e responsável pela ruína econômica do povo de Oz. Vive escondida e participa de várias revoltas e protestos. Após o assassinato de seu amante, Fiyero por soldados do Mágico, Elfaba resolve isolar-se com um grupo de monjas a fim de tentar se recuperar da tristeza da perda, auxiliando os fracos e doentes.

A trajetória de Elfaba até a sua transformação em Bruxa Má do Oeste é, no mínimo, surpreendente! Para quem, como eu, estava acostumada com o universo do livro criado por Baum em 1900 e o ambiente alegre e colorido do filme de 1939, deparar-se com uma Oz repleta de desigualdade social, fundamentalismo religioso e sistema político corrupto é totalmente inesperado. A temática política está muito presente no texto de Maguire que cria um cenário nada amistoso e bastante perturbador.

A crítica social contida no livro é o ponto crucial da trama pois é a partir da visão que Elfaba possui sobre Oz que a personagem se desenvolve psicologicamente. O leitor acompanha suas lutas, seus medos e seus ideais. A construção da personagem é incrível pois em momento algum podemos realmente dizer que ela é uma bruxa inteiramente má. Aliás, questionei bastante essa visão que possuía da personagem durante a leitura de Wicked. Em alguns momentos pensei em quem realmente seria o vilão: Elfaba? Madame Morrorosa? O Mágico? 

A verdade é que o escritor mostra a relatividade do conceito de maldade e deixa os leitores decidirem se a protagonista é essencialmente má ou se ela se tornou má. Acredito, também, que Maguire tenta mostrar ao leitor como esses conceitos de bondade e maldade não são definitivos, limitadores e que a vida real é muito complicada. Elfinha seria vítima de uma sociedade preconceituosa, corrupta e intolerante? Talvez. Mas em diversos momentos questionamos seus atos e suas reflexões sobre a vida.

.
Wicked, de Gregory Maguire, é um livro obrigatório para os fãs de O Mágico de Oz. O escritor nos traz uma releitura instigante e surpreendente, superando as expectativas dos leitores. Recomendo para quem gosta de histórias ambientadas em Oz, para quem gosta de histórias políticas e filosóficas e, também, para toda pessoa que acredita que nem todas as bruxas são realmente más.


*Esta resenha foi publicada originalmente no blog Da Literatura.


***

Se interessou pela história? Então aproveita que o pessoal aqui do SEA está sorteando um exemplar. É só preencher o formulário abaixo para participar!



Beijos e até mais!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

16 Comentários

  • Tatiana Jimenez
    13 janeiro, 2017

    Eu ganhei!!

  • Kemmy Oliveira
    10 janeiro, 2017

    Eu ainda não li O mágico de Oz 🙁
    No entanto, acho muito bacana o autor trazer esse lado da história, o lado da Bruxa Má que aparentemente teve "motivos" para ser como é.
    Gosto muito de saber os diversos lados de uma história, portanto acredito que gostaria bastante dessa obra.

    Beijos!

  • Douglas Fernandes
    04 janeiro, 2017

    Eu adoro esses tipos de releituras, já li a saga encantadas e adoro a série Once upon a time *-*
    Já tinha visto algumas resenhas do livro e agora com sua resenha me deu mais vontade ainda de ler o livro, vou participar da promoção e torcer muito pra ganhar e poder matar minha vontade de ler o livro!! <3

  • Sueli Cobbos
    04 janeiro, 2017

    Sou apaixonada pelo Mágico de Oz e não sabia da existência desse livro. Fiquei super curiosa para conhecer o outro lado da Bruxa Má de Oz e só posso dizer que será um livro que vou devorar em poucas horas.

  • Denise santana
    02 janeiro, 2017

    Primeiramente tenho que comentar sobre essa capa, maravilhosa, são poucas as capas que eu realmente me maravilhei e como eu adoro verde já contribui-o bastante para eu amar. Pela sinopse e o que li na resenha, posso dizer que é um livro que realmente me prenderia na leitura.

  • Isa It Baby
    30 dezembro, 2016

    Nossa, que vontade me deu de ler esse livro!! 🙂
    Já tinha ouvido falar muito bem, e espero ter essa oportunidade
    Participando o/
    eduarda-oliveirasilva@hotmail.com

  • Francisca Elizabete
    28 dezembro, 2016

    Que visão impressionante este livro nos passa!! Penso que Elfaba, não é tão má assim, e realmente depende muito de quem vê e conhece o contexto que a tornou na Bruxa Má do Oeste!! A capa do livro está muito linda!! Interessei-me pelo livro desde o momento em que li a sinopse, e agora lendo a resenha, tenho certeza de querer lê-lo!!

  • Anna santts
    27 dezembro, 2016

    Exelente resenha nunca vi Elfaba como vilã,rsrsr acredito que vou amar esse livro nao li ainda mais concordo que ela talvez seja um vitima dessa sociedade mediocre que julga tudo e todos
    Depois da sua resenha vou colocalo no topo da minha lista,Parabens pelo blog

    Annasantts@hotmail.com

  • Lana Silva
    23 dezembro, 2016

    Esse e um daqueles livros das quais não temos muitas expectativas, e acabam nos surpreendendo durante a leitura. Não sabia que esse livro era um releitura de OZ, isso e claro fez com que eu me empolgasse ainda mais pela leitura, ainda mais porque tenho certeza que vou adorar.

  • Mariana Ogawa
    20 dezembro, 2016

    eu não sou muito fã de releituras (na verdade me decepcionei muito com algumas)
    mas essa de mostrar o lado dos "vilões" é bastante interessante (engraçado eu nunca achei ela vilã do mágico de oz…)
    sem falar no questionamento, ela era má? ou se tornou?
    adorei a resenha
    fiquei super curiosa para conferir o livro

  • Carla A.
    19 dezembro, 2016

    Oi, Barbara!
    Eu amo "O mágico de Oz"! Nesse caso, mais o filme que o livro, pois foi através dele que me encantei com esse universo. Então tudo o que é relacionado à história me atrai. "Wicked" está na minha lista desde o lançamento por esse motivo, mas confesso que ainda não tinha lido muito sobre o enredo dele. Me lembrou um pouco o passado da Malévola retratado no filme dele… A princípio uma pessoa boa que se tornou má (ou que deixou o mal aflorar). Sobre as críticas sociais, dizem que o próprio livro do Baum é cheio delas nas entrelinhas.

    Beijos, Entre Aspas

  • Tatiana Jimenez
    19 dezembro, 2016

    Adorei!!! Sou louca para ler este livro, porque além de superfã do mundo de Oz, sempre aproveito releituras e extras, ainda mais sobre a Terra de Oz, as bruxas ou os artefatos. Beijos.

  • Bruna Costenaro
    18 dezembro, 2016

    Sei da existência desse livro faz tempo, mas como só tinha em inglês e eles costumam ser mto caros não pude ler antes. Agora em português e já tendo lido O Mágico de Oz eu quero mto ler esse livro!
    Afinal ele tem td p/ me agradar pq amo o universo de Oz =D!

  • RUDYNALVA
    17 dezembro, 2016

    Bárbara!
    Amo as releituras e aqui como é de O Mágico de Oz, gostei ainda mais.
    Quero poder avaliar se a Bruxa má do Oeste é realmente tão má e seus atos são em consequência da rejeição familiar.

    Rudynalva Correia Soares
    rudynalva@yahoo.com.br
    Participo e mais tarde sairá divulgação no blog.
    “Natal não são as luzes lá fora, mas a Luz que brilha em seu coração… Feliz Aniversário, Senhor!” (Daniela Raffo)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

  • Marília Leocádio
    17 dezembro, 2016

    Sempre tive vontade de ler o livro ainda não desisti!!!

  • Thais Andrade
    16 dezembro, 2016

    Ótima resenha! Eu não sabia muito sobre o livro, e agora que você explicou mais me deu mais vontade de ler!