6 de novembro de 2017

Tá Na Estante :: 'Melodia Mortal' #709

POSTADO POR EM 6 de novembro de 2017

Oi, gente. Tudo bem?


Aqui é o Leo e hoje trago para vocês mais uma resenha dupla, dessa vez com a Mi, que estará representando o Blog Recanto da Mi. O legal dessas resenhas é que vocês podem encontrar a opinião de nós dois sobre o que achamos do livro. Espero que gostem!
Livro: Melodia Mortal
Autores: Pedro Bandeira e Guido Levi
Editora: Rocco
Páginas: 240
Sinopse: Será que Mozart foi assassinado por Salieri? Tchaikovsky morreu de cólera ou envenenamento? Chopin morreu mesmo tuberculoso? E Beethoven, foi vítima do alcoolismo? A resposta, ou pelo menos algumas hipóteses plausíveis para essas perguntas, estão em Melodia mortal, estreia na ficção adulta de um dos maiores autores para o público juvenil do país. Escrito a quatro mãos por Pedro Bandeira com o médico Guido Levi, o livro examina, à luz dos conhecimentos da medicina contemporânea, os indícios possíveis sobre as mortes polêmicas de alguns grandes compositores da música clássica. E quem conduz a investigação é ninguém menos que Sherlock Holmes, auxiliado pelo seu fiel escudeiro, o doutor John H. Watson, que narra as aventuras do detetive na empreitada. Talvez não seja possível, tanto tempo depois, elucidar a causa dessas mortes que a medicina da época não foi capaz de precisar, mas a diversão é garantida neste romance cheio de teorias científicas e enigmas que formam um intricado quebra-cabeça, na tradição da melhor literatura policial.
MI: Sou fã de Pedro Bandeira desde a infância, quando pus as mãos na série os Karas, e quando soube que ele havia se aventurado na literatura adulta, para escrever uma fanfic de Sherlock Holmes, um personagem que amo demais, para investigar a morte de músicos clássicos, não pensei duas vezes ao embarcar nessa jornada.

LEO: Escrito em formato de pequenos contos, cada história nos é apresentada no passado, por meio dos registros feitos pelo Watson, fiel escudeiro de Holmes; e no presente, quando seus relatos são analisados por uma confraria de médicos que discute os diagnósticos que haviam sido feitos conforme a expertise da época. 

MI: Logo no primeiro contato com o texto senti uma forte familiaridade com os personagens que já conheço. Os autores rebuscaram na escrita, como devia ser, para marcar o período da narrativa, e inseriram magistralmente as características marcantes dessa dupla tão famosa.

Ademais,  fizeram um pequeno preâmbulo apresentando os dois para aqueles que nunca tiveram contato com eles, o que é ótimo, pois além de refrescar a memória de quem já admira Sherlock e Watson, deu oportunidade a qualquer um de ler a obra, independente de conhecimento anterior acerca de suas aventuras.

Como não amar o vaidoso, petulante e genial Sherlock Holmes? Ou o tão adorável, complacente e inteligente Watson, um corajoso ex-combatente e esforçado doutor?

LEO: Achei simplesmente fantástica a ideia dos autores em reviver o investigador para averiguar a morte de tantos músicos famosos sob uma nova perspectiva. Falando nisso, para quem se interessa por música clássica, esse exemplar é um prato cheio, pois ao final de cada capítulo os autores nos presenteiam com uma pequena biografia de cada músico investigado, para conhecermos melhor sobre a sua vida pregressa e seu trabalho. E devo admitir que fiquei muito curioso para escutar as sinfonias e óperas ali tão bem descritas.

MI: Se isso não fosse o bastante para me sentir seduzida por esse volume, os diálogos travados entre Sherlock e Watson são tão engraçados, daquele jeito bem ácido de ser, que ficamos ansiosos para entender como Sherlock consegue sempre chegar tão rápido a uma conclusão certeira. 

O mais legal de tudo é que, por ter sido escrito a quatro mãos, tendo um médico como coautor, todos os dados inseridos na trama de Melodia Mortal acerca desta seara são verídicos. Por isso, para quem gosta e é curioso como eu a respeito do corpo humano e das doenças que nos assolam, vai achar muito interessante testemunhar as conversas versados sobre esse assunto.

LEO: Tremendamente bem escrito, divertido e nostálgico, desejo que Melodia Mortal seja o primeiro de muitos dessa nova fase de Pedro Bandeira na literatura mais adulta. 

Beijos e até a próxima!

1 comentários:

  1. Leo!
    Uma pena que o livro peca na coesão entre os protagonistas, em compensação, a escrita é maravilhosa, toda feita em cima de pesquisas sobre nosso Sherlock.
    Gosto muito dos livros do Pedro Bandeira e mesmo com sua ressalva, gostaria de ler.
    Desejo uma ótima semana de luz e paz!!
    “É prova de inteligência saber ocultar a nossa inteligência.” (François La Rochefoucauld)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir