27 de novembro de 2017

Tá Na Estante :: 'Sinceramente, Carter' #717

POSTADO POR EM 27 de novembro de 2017

Heeey, gente. Tudo bem??

Hoje vou comentar com vocês sobre uma leitura recente muito gostosinha, aquele tipo de livro que a gente se diverte enquanto passa o tempo, sabe?! Espero que gostem.

Livro: Sinceramente, Carter
Série: Sinceramente, Carter #01
Autora: Whitney G.
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 400
Sinopse: Depois do sucesso da série Reasonable Doubt, que chegou ao topo da lista dos mais vendidos da Amazon, do The New York Times e do USA Today, Whitney G. Williams nos lança a dúvida: o que acontece quando você se apaixona por seu melhor amigo?Apenas amigos. Somos apenas amigos. Não, sério. Ela é só minha melhor amiga. Arizona Turner é minha amiga desde a quarta série, mesmo quando a gente “se odiava”. Acompanhamos a vida um do outro desde o primeiro beijo, a primeira vez, e somos uma constante na vida do outro quando os bons relacionamentos ficam ruins. Até nossas faculdades ficavam a minutos de distância uma da outra.Com o passar dos anos, e apesar do que dizem por aí, nunca ultrapassamos nenhum limite. Nunca sequer pensei a respeito.Nunca quis. Até que, certa noite, tudo mudou. Pelo menos devia ter mudado…Apenas amigos. Somos apenas amigos. Só estou dizendo isso até descobrir se ela ainda é “apenas” minha melhor amiga.


Carter odiava a Arizona. Para ele era impossível uma criatura tão pequena ser tão petulante e chata. Para piorar a situação, ela sempre instigava ele às brigas e sempre se safava dos castigos. Mas isso foi na quarta série. Hoje Carter ama a Arizona, afinal ela é sua melhor amiga.



Uma amizade que surgiu na infância e que alcançou todos os patamares de suas vidas, até a fase adulta. Eles se consideram mais do quê consideram qualquer pessoa ao redor. Sabem sobre tudo um do outro e até encontram o date perfeito um para o outro, mas isso muda quando, em um mesmo momento, ambos começam a se enxergar de maneira diferente.

Os cabelos vermelhos da jovem parece chamar mais a atenção de Carter e Arizona está louca para saber a textura da barba por fazer do melhor amigo. Esses pensamentos não são, definitivamente, coisa de melhores amigos. Assim como fazer amor também não deveria ser coisa de melhor amigo, no entanto se torna.



Arizona e Carter dormem juntos uma vez e prometem que isso nunca mais voltará a acontecer, mas volta. No entanto eles lidam com a situação da forma mais diferente possível, fingindo que nada acontece à noite. Persistem como melhores amigos durante o dia, mas se entregam as loucuras do amor durante a noite. E o relacionamento dura tempo o suficiente até um perceber que talvez esteja se entregando mais do que o outro, ou talvez não.

***

Whitney me comprou no primeiro livro que li, foi uma leitura curta e rápida, parte de uma série tão curta quanto. Confesso que estava ansiosa para descobrir como seria uma leitura mais longa da autora e, especialmente, para saber como ela desenvolveria uma história sobre dois melhores amigos - mesmo que no fim das contas a gente já saiba onde isso quer chegar.




A forma como a história foi contada deu um charme total a trama, pois os protagonistas confiam um no outro desde muito novos, então eles têm confiança para conversarem sobre tudo, sem que isso atrapalhe o relacionamento deles. Quando o envolvimento foi se tornando mais carnal e eles já ão viam saída que não fossem se envolver, a forma como a autora foi modificando isso pareceu real, sem aquele quê de fantasia romântica que costumamos ver em todos os romances desse tipo.

Eu gostei, especialmente, do espaço que ela abriu para a troca de cartas e mensagens entre eles - e foi a vasão para o nome do livro. Essas trocas aconteciam nos momentos certos para diminuir a tensão ou causar a irônia que a trama precisava naquele momento, sabe?


Arizona e Carter são pessoas interessantes e diferentes, protagonistas que tiveram seus momentos certos dentro do livro e que contaram suas histórias da maneira que desejaram. Um foi importante para o outro em diversas etapas da vida e, de fato, nunca viram um ao outro com olhos que não fossem o de amizade. Então para o leitor, que está de fora desse sentimento deles, foi incrível assistir eles percebendo o que estava acontecendo, sendo que a gente já tinha percebido há muito tempo.

O sexo esteve presente para dar mais ênfase em alguns momentos da trama e foi bem colocado na maioria das cenas. Foi através desse desejo carnal que eles entenderam o que sentiam um pelo outro e foi o que deu início a toda a trama romântica da hsitória. 



Eu gostei da desenvoltura do livro, a forma como os personagens se tornam amigos e amantes e como o enredo foi construído. O final entra para a minha lista de finais mais clichês amorzinhos da história e eu, obviamente, indico muito a leitura para quem curte o gênero e para quem quer começar a ler. Alguns pontos ficaram vagos, mas no fim toda a leitura valeu a pena.

***

Me conta aí qual romance erótico você leu nos últimos tempos e indica muito.

Beijocas e até a próxima!!!

1 comentários:

  1. Bárbara!
    Ai meu Deus do céu!!!
    Já estou aqui passando mal só dessa capa e saber que Carter é moreno, alto, tatuado, tudo de bom, já dá vontade de elegê-lo o crush liter´rio do ano...
    E melhor ainda que o relacionamento dele com Arizona é bem completo e repleto de momentos apetitosos...
    Li hoje um conto homoerótico, O ESCRAVO.
    Desejo uma ótima semana!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir