22 de dezembro de 2017

Tá Na Estante :: 'Suicidas' #727

POSTADO POR EM 22 de dezembro de 2017

Oi, gente. Tudo bem?


Acho que não é novidade para ninguém que Raphael Montes é um dos meus autores nacionais favoritos. Leio tudo que esse cara escreve e, sendo assim não podia deixar de ler seu primeiro livro lançado. Vamos conferir o que eu achei?!
Livro: Suicidas
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 342
Sinopse: Antes que o mundo pudesse sonhar com o terrível jogo da baleia azul, que leva jovens a tirar a própria vida, ou que a série de televisão Thirteen Reasons Why fosse lançada e se tornasse o sucesso que é hoje, Raphael Montes, então com 22 anos, já tratava do tema do suicídio entre jovens, com a ousadia que virou sua marca registrada. Em seu primeiro livro, que a Companhia das Letras agora relança acrescido de um novo capítulo, conhecemos a história de Alê e seus colegas, jovens da elite carioca encontrados mortos no porão do sítio de um deles em condições misteriosas que indicam que os nove amigos participaram de um perigoso e fatídico jogo de roleta russa. Aos que ficaram, resta tentar descobrir o que teria levado aqueles adolescentes, aparentemente felizes e privilegiados, a tirar a própria vida.
Em um porão escuro de uma mansão, nove jovens foram encontrados mortos. As investigações indicaram que eles todos haviam participado de um jogo de roleta russa que não deu muito certo, já que todos morreram ao invés de apenas um. Mas essa não é a única questão. O estado dos corpos estava deplorável, o que indica que algo mais aconteceu ali, que não está bem explicado.



Um ano depois, o mistério ainda ronda essa tragédia. Determinada a encontrar uma explicação plausível para este crime, a delegada Diana convida as mães dos jovens mortos para uma reunião com um novo fato que foi escondido pela polícia na investigação original.

Ao lado dos cadáveres foi encontrado um livro, escrito por Alê, que narrava as mortes dos colegas em tempo real. Diana acredita que as mães podem ter uma luz sobre os motivos de todo esse caos, já que, mesmo com esse livro, não se sabe ainda a explicação para o estado em que os corpos foram encontrados. O que realmente aconteceu naquela noite?

***

Após ter lido Dias Perfeitos, O Vilarejo e Jantar Secreto, Raphael Montes se tornou um dos meus autores queridinhos. Cada obra que ele publica é um tiro no meu peito, pois ele consegue explorar diversos temas de uma forma única, que choca o leitor, mas também mostra a realidade do ser humano sem as máscaras que ele usa para viver em sociedade.



Em Suicidas não foi diferente. Montes explora toda essa questão do suicídio com um ar de mistério que só ele consegue englobar. Temos uma narrativa dividida em três momentos: o diário de Alê, o livro escrito por ele e uma transcrição da gravação da conversa de Diana com as mães. Já iniciamos o livro sabendo o que havia acontecido, mas acompanhar pela visão de Alê cada uma das mortes só deixa tudo ainda mais chocante.

Os personagens foram muito bem caracterizados. Vemos todo o contexto pela visão de Alê, o que pode tornar nosso julgamento um tanto equivocado. O rapaz não tinha atitudes muito legais e eu não via motivos concretos o suficiente para o ranço que ele parecia ter dos outros suicidas. Sabe quando você conhece aquele personagem que ama odiar? Então, foi o que senti quando conheci o Alê. Ele é o tipo de pessoa que eu odiaria se conhecesse na vida real.



O que mais gosto na narrativa de Montes é que ele não tem medo de abusar das cenas fortes e polêmicas. Se você tem o estômago fraco, garanto que as obras do autor não são para você. Eu, por mais acostumado que esteja com seus livros, precisei dar uma pausa na leitura uma vez para me recuperar de uma cena. Acho isso sensacional.



Depois da leitura de Suicidas, estou ainda mais encantado com Raphael Montes. Não sei se quero ser seu melhor amigo ou se devo ter medo dele, mas posso garantir que suas obras têm lugar cativo na minha estante. Deixo aqui minha recomendação àqueles que desejam  se aventurar fora de sua zona de conforto e para os fãs do gênero.

Beijos e até a próxima!

1 comentários:

  1. Leo!
    Já li outros livros do autor e gostei muito.
    Saber que ele trouxe trechos descritivos das mortes e sem poupar o leitor do lado macabro, me deixou com vontade de conferir essa leitura dele também.
    Acho que o escritor é bem ousado.
    Um domingo abençoado na paz do Senhor e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir