Olá, pessoinhas!

Aqui é a Denise do Blog Sacudindo as Palavras e hoje estou aqui a convite do Leo para falar sobre um lançamento deste ano do selo Fábrica 231, da Editora Rocco. Vamos conferir?!

Livro: A Fogueira
Autora: Krysten Ritter
Editora: Fábrica 231
Páginas: 288
Sinopse: Com lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, A fogueira é o livro de estreia da atriz Krysten Ritter, protagonista do premiado seriado da Netflix Jessica Jones e conhecida também por seus papéis em Os defensores e Breaking Bad, entre outros filmes e séries. Na trama, Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.

Como eu sou uma grande fã de thrillers, não pude evitar de aceitar quando o Leo me ofereceu A Fogueira pra resenha. Fiquei bem curiosa sobre como uma atriz do calibre de Krysten Ritter escreveria uma obra de ficção. Assim que o livro chegou, passei ele na frente de todas as minhas leituras e foi uma experiência no mínimo interessante.
Em A Fogueira vamos conhecer a história de Abby Williams. Ela vivia na cidadezinha pacata de Barrens, no interior do estado de Indiana. Sua adolescência por lá não foi nada fácil e Abby prometeu a si mesma que sairia de lá e nunca mais voltaria. Só que o destino é um maldito e mostrou que ela estava errada.
Aos 28 anos, Abby tornou-se uma importante advogada em Chicago e leva uma vida perfeita, sem qualquer semelhança com a garota que ela era em Barrens. Agora, ela está trabalhando num caso de contaminação contra a empresa Optimal Plastics, que é a base da economia da cidade onde ela cresceu. Por isso, após dez anos longe, ela precisa voltar para a investigação.

O retorno desperta inúmeras lembranças em Abby, dentre elas o misterioso desaparecimento de Kaycee Mitchell, uma ex-amiga. As duas costumavam ser próximas, mas com o passar do tempo, Kaycee tornou-se sua principal inimiga, fazendo bullying com Abby a qualquer oportunidade. O sumiço de Kaycee nunca foi explicado, mas quanto mais investiga a Optimal, mais Abby percebe que pode haver relação entre esses dois casos.
***
Com uma narrativa fluida e envolvente, Krysten Ritter mostrou que sabia o que estava fazendo quando decidiu escrever um livro. A autora soube dosar muito bem o mistério acerca da investigação e conectar isso com todo o drama da protagonista. Foi bem interessante ver essas nuances e fiquei bastante interessada na história.
Por outro lado, o plot central desse livro não foi a melhor escolha. Como uma fã de thrillers, já li inúmeras obras com esse mesmo contexto. Krysten não soube inovar, pegou algo pronto e desenvolveu do seu modo. Isso, confesso, me decepcionou um pouco, porque está cada vez mais difícil encontrar tramas de mistério que sejam originais.
Mas se a autora pecou na premissa, merece todos os louros pelo desenvolvimento dos personagens. Abby é uma mulher de fibra, que mostrou que mesmo com todo o sofrimento que passou enquanto crescia, não podia se deixar abater, transformando-se em uma mulher poderosa. Só o fato de ela retornar para Barrens com a cabeça erguida já mostra que ela é sensacional. Além de tudo isso, os flashbacks de Abby foram bem inseridos. Acho que cada vez que ela revisitava seu passado eram minhas partes favoritas da obra. 
O final não teve nenhuma reviravolta impressionante ou algo do tipo, mas fechou bem a trama de acordo com a proposta que a autora apresentou durante o livro. Parando aqui para pensar, foi tudo bem encaixado. 
A Fogueira está longe de ser o melhor thriller que já li, mas tem seus méritos. Por isso, deixo aqui minha recomendação a vocês. Tenho certeza que quem não é muito acostumado com esse gênero vai gostar bastante e para quem ainda não leu nenhum thriller, esse é um bom caminho de entrada. 

BEIJOS E ATÉ QUALQUER HORA!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Michelli Prado
    01 fevereiro, 2018

    Ainda não conhecia o livro, e também é um gênero que estou tentando ler com mais frequência do que o meu preferido que é romance.Não li nada da autora ainda, mas é um enredo de livro que nos chama a atenção, e em sua resenha não detalhou muito o que mais o enfoque do desenvolvimento do livro, fiquei bem intrigada com ele. creio que seria um livro que não começaria com grandes expectativas da historia, para não ter decepção com o livro.Mas fiquei curiosa sim!