• Filme: Lady Bird
  • Título original: Lady Bird
  • Diretor: Greta Gerwig
  • Distribuidora: Universal Pictures
  • Duração: 1h34
  • Lançamento: 15 de Fevereiro de 2018
  • Classificação: 12 Anos
  • Gênero: Universal Pictures
  • Distribuidora: Universal Pictures
Sinopse: Christine McPherson (Saoirse Ronan) está no último ano do ensino médio e o que mais deseja é ir fazer faculdade longe de Sacramento, Califórnia, ideia firmemente rejeitada por sua mãe (Laurie Metcalf). Lady Bird, como a garota de forte personalidade exige ser chamada, não se dá por vencida e leva o plano de ir embora adiante mesmo assim. Enquanto sua hora não chega, no entanto, ela se divide entre as obrigações estudantis no colégio católico, o primeiro namoro, típicos rituais de passagem para a vida adulta e inúmeros desentendimentos com a progenitora.

E aí, pessoal! Tudo bem?

Na semana passada eu tive a oportunidade de participar de mais uma cabine de imprensa em parceria com a Espaço/Z aqui em Brasília. Vamos conferir o que eu achei?!

O ano é 2002. Christine McPherson tem 17 anos e está indo para o último ano do ensino médio. Essa é aquela fase de auto-descoberta e de escolhas. Por conta disso, ela mudou seu nome para Lady Bird e está em busca de uma faculdade que a aceite, de preferência o mais longe possível de Sacramento, o que deixa sua mãe aos nervos.

Contudo, sua família está passando por uma grave crise financeira e, se não melhorar suas notas e seu currículo, as chances de Lady Bird conseguir bolsa em uma universidade são quase nulas. Assim, ela e sua melhor amiga, Julie, resolvem se arriscar no teatro, onde o destino de Bird se cruza com o de Danny.

Somando o desejo de sair da cidade, os dilemas com a mãe, a busca por sua identidade e as questões de amizade, lealdade e primeiro amor, a vida de Lady Bird está cada vez mais agitada e a garota se vê diante de inúmeros impasses, que podem vir a definir todo o resto de sua vida.

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de assistir!

***

Quando soube do lançamento de Lady Bird, fiquei muito empolgado. Há anos acompanho a carreira de Saoirse Ronan e de uns tempos pra cá ela tem conquistado um enorme destaque em Hollywood. Quando as críticas começaram a sair e elas eram extremamente positivas, minhas expectativas só aumentaram. E só posso dizer que todas elas foram supridas.

Greta Gerwig construiu uma narrativa que muitos de vocês podem dizer já ter visto: a trajetória da menina saindo do ensino médio para enfrentar a vida adulta. Porém, a diretora – e roteirista – trata desse assunto com uma delicadeza e uma leveza que não encontramos em qualquer filme. Além disso, Greta deu um belíssimo enfoque feminino sem apelar para esteriótipos, o que foi maravilhoso.

Sobre as atuações, só posso elogiar. Cada ator deu seu melhor e fez com que a narrativa fluísse magicamente. Saoirse está fabulosa do começo ao fim. Ela conseguiu passar cada nuance da personalidade de Lady Bird e convencer o espectador. Outro enorme destaque foi Laurie Metcalf. A atriz, que interpreta a mãe da personagem título, consegue emocionar e nos fazer questionar diversas coisas em nossas vidas. Não à toa que ambas estão indicadas ao Oscar e eu ficaria muito feliz em vê-las premiadas.

Um dos pontos altos do filme é a relação entre Lady Bird e a mãe. Toda mãe deseja que seus filhos tenham vidas melhores, mas também querem protegê-los de tudo que há de ruim no mundo, o que nem sempre é possível. E todo adolescente acaba tendo uma fase rebelde, onde contesta cada ato de seus pais. No fundo, todos se amam, mas a relação sempre acaba estremecida. Greta deu um belo enfoque nisso e passou realidade, com seu toque sensível e emocionante. Foi difícil segurar as lágrimas em algumas cenas.

Em suma,  Lady Bird – A Hora de Voar é um filme envolvente, profundo, emocionante e que gera uma grande identificação. Por conta disso, deixo aqui  minha recomendação a todos vocês. E ainda sugiro que assistam com suas mães, vai ser uma experiência transformadora!

Até qualquer hora!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

2 Comentários

  • Lary Zorzenone
    15 fevereiro, 2018

    Oi
    Eu vi alguns trailers desse filme e quero muito assistir. Pode ter aquele começo clichê, como disse, mas o que importa mesmo é o que acontece no meio tempo entre o início e o fim.

    Vidas em Preto e Branco

  • Betânia Duarte
    15 fevereiro, 2018

    Eu quero muito ver esse filme, logo quando vi falaram sobre ele não dei muita bola mas depois de saber um pouco mais sobre a história e saber que tem uma protagonista forte eu já quero assistir logo :))
    Beijo!

    Sorriso Espontâneo