18 de maio de 2018

Tá Na Estante :: 'A Sede' #783

POSTADO POR EM 18 de maio de 2018

Oi gente!


Quer um livro policial muito bom? Só vem então!

Livro: A Sede 
Série: Harry Hole (#11)
Autor: Jo Nesbø
Editora: Record
Páginas: 532
Sinopse: Harry Hole está de volta para enfrentar o único criminoso que escapou de suas garras. Um assassino está a solta e tem sede de sangue. Uma mulher é morta em seu apartamento depois de um encontro marcado pelo Tinder. As marcas no corpo mostram que a policia está lidando com um assassino peculiar, quase sobrenatural. No pescoço, uma mordida brutal, e em toda parte, indícios de que o criminoso bebeu o sangue da vítima. Logo em seguida, outra mulher morre em condições semelhantes. A equipe de investigação, agora liderada por Katrine Bratt, se vê pressionada pela mídia. A repercussão é tamanha que o chefe de polícia, Mikael Bellman, precisa resolver os crimes o mais rápido possível para que sua reputação permaneça inabalada. Sua única saída é chantagear Harry Hole para trazê-lo de volta à Divisão de Homicídios. Ele não parece disposto a ajudar, mas semelhanças com casos passados o colocam frente a frente com o único monstro que já escapou de suas caçadas.
A Divisão de Homicídios recebe um caso de assassinato. A vítima, Elise Hermansen. O assassino, alguém cruel, capaz de dilacerar sua vítima apenas pelo prazer sexual de vê-la sofrer e sangrar. Enquanto Katrine Bratt e sua equipe investigam o caso, mais uma vítima é acometida, encontrada da mesma forma. Enquanto notícias vazam para imprensa e a equipe roda em círculos sem achar o culpado, Mikael Bellman sente sua reputação ameaçada, o que abalaria a sua conquista do cargo de Ministro da Justiça.

Harry Hole, fora dos trabalhos na polícia, está satisfeito com sua vida com Rakel e seu emprego de professor na Academia de Polícia. Mas essa tranquilidade acaba quando Mikael o procura para pô-lo na investigação desses novos assassinatos. Hole não quer, mas a chantagem de Bellman fala mais alto.

Harry montará um equipe a parte da equipe principal de Bratt e irá investigar, de todas as formas, quem está por trás desses crimes.

O autor apresenta aos poucos a ambientação do livro e faz isso com um primazia sem igual. Você sente-se envolvido na áurea da cidade de Oslo, no frio do outono, na tempestade que está chegando. Em várias partes da história, entramos no ponto de vista do assassino, sabemos o que ele está fazendo e pensando, tudo isso intercalado com a narrativa da investigação. 

Essa entrada é tão sutil que às vezes você pode achar que é aquele seu herói do livro, ou o mocinho que está tendo aqueles pensamentos absurdos. Essa jogada de alteração dos focos da narração entre os personagens e as situações que estão vivendo, faz com que desconfiemos de todo mundo ali.

"Nada é para sempre. A vida é efêmera por definição, está sempre em movimento. É terrível, mas também é o que a torna suportável."

O assassino, tratado como vampirista, é descoberto no meio do livro sem grandes suspenses. Contudo, nós também estamos sendo enganados a leitura toda (quem leu entendeu a referência). E isso é o que dá a necessidade ao leitor de não parar de ler, pois ficamos intrigados em saber o que vai acontecer, quando o real culpado será desmascarado.

"O ser humano é notório - disse Bjørn. - Eles repetidamente cometem os mesmos erros."

Este foi meu primeiro contato com o autor e eu já estou querendo ler tudo que esse homem escreveu. Que livro sensacional! Ele não me deu vontade de parar de ler, me deixou sem fôlego em várias partes, me enganou certinho sobre quem era o culpado e a continuação (sim, teremos uma continuação) promete.

***

Já leram Jo Nesbø? Já leram A sede? Gostam desse tipo de leitura? Comentem aqui embaixo e deixem dicas de livros nesse estilo.

BEIJÃO E ATÉ MAIS!

0 comentários:

Postar um comentário