Oi gente!

Hoje vamos falar sobre vulva e vagina. Sem vergonhas pessoal.

 

Livro: A Origem do Mundo

Autora: Liv Strömqusit

Editora: Quadrinhos na Cia
Páginas: 144
Sinopses: Por que as sociedades alimentaram uma relação tão esquizofrênica com a vagina ao longo dos séculos? Por que a menstruação é um tema apagado de nossa cultura quando costumava ser algo sagrado para os povos ancestrais? A origem do mundo escancara interditos e desafia mitos e tabus. Um livro genial, catártico e absolutamente necessário. Se “o pessoal é político”, como dizia o slogan da segunda onda feminista, iniciada nos anos 1960, Liv Strömquist criou um livro radical. Com humor afiado, a artista sueca expõe as mais diversas tentativas de domar,castrar e padronizar o sexo feminino ao longo da história. Dos gregos antigos a Stieg Larsson, das mulheres da Idade da Pedra a Sigmund Freud, de Jean-Paul Sartre a John Harvey Kellogg (o inventor dos sucrilhos), da fábula da bela adormecida a deusas hindus, de livros de biologia ao rapper Dogge Doggelito, A Origem do Mundo esquadrinha nossa cultura e vai até o epicentro da construção social do sexo. Para Liv, culpabilizar o prazer é um dos mais efetivos instrumentos de dominação – graças à culpa, a maçã é venenosa e o paraíso mantém seus portões fechados. Um crítica hilária, libertadora e intrusiva sobre o sexo feminino.

Em seu livro, Liv Strömquist apresenta a história da vulva, da vagina e da sexualidade feminina ao longo dos séculos. Em forma de quadrinhos, a autora traz como a visão do mundo sobre as mulheres e seu órgão sexual mudou.

Cultuado na Antiguidade e respeitado por todos, o órgão genital feminino passa, durante a Idade Média, por uma mistificação, e, consequentemente, o lugar da mulher na sociedade também é modificado. Após esta longa Idade das Trevas, a sexualidade feminina nunca mais foi vista como natural, como a do homem, por exemplo. Não sendo assunto de conversas cotidianas, não podendo se expor a intimidade da mulher, apresentada como motivo de vergonha.

O bom humor da autora e as críticas ácidas ao “interesse do patriarcado sobre a vagina e vulva” fazem com que a leitura seja leve, descontraída, ao mesmo tempo que nos traz um ótimo acervo histórico, político e crítico, além de nos motivar a conhecer nosso corpo, além de trazer o questionamento do porque isso aconteceu, de como essa interferência masculina deturpou a imagem da mulher.

O título do livro em português remonta ao quadro de Gustave Coubet “A Origem do Mundo”, no qual o artista pinta o nu feminino em sua forma mais natural. O quadro traz a representação do órgão feminino exterior.

Como feminista que sou, achei sensacional a forma de abordagem da autora para o tema. As críticas que Liv apresenta e retomada da influência de certos personagens históricos nesta mudança da visão da sexualidade feminina de ser cultuada, tida como importante, para uma visão vergonhosa, de extremos esquecimento.

A leitura é fácil e fluida, para quem gosta de quadrinhos, vai se deliciar com este, que tem um tamanho grande, ilustrações lindas (tanto em preto e branco quanto coloridas). Um ponto negativo da versão que chegou até nós é o papel que não é fotográfico, é um sulfite mais grosso (e para quem gosta do cheirinho de livros, bom, esse me retomou o cheiro de jornal, que particularmente não gosto). Em suma: mulheres e homens, leiam esse livro!
BEIJÃO E ATÉ MAIS!


Marina Saraiva

Ver todos (20)

Nasci no interior de São Paulo, numa cidade que nem sequer tinha uma livraria até 10 anos atrás. Tenho uma louca paixão por livros, natureza, música, dinossauros e cristais. Sou estudante de Química e pretendo seguir na área da pesquisa, acho que serei útil para a humanidade criando compostos que melhorem e tratem o nosso meio. Sobre livros, amo ler desde criança (vide meu cartão de biblioteca criado quando eu tinha 7 anos) e meu sonho é ter uma biblioteca em casa (bem como um laboratório rs). Compartilho da visão de Borges: "Sempre imaginei o paraíso como um tipo de biblioteca".

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

2 Comentários

  • Lary Zorzenone
    17 outubro, 2018

    Olá
    Menina, que livrão ein. Já me interessei muito e quero pra já. Como faz? Li uma trilogia ano passado que me fez ficar muito reflexiva com o tal papel da mulher na sociedade. Cara, somos forte pra um caramba, tomamos mais cuidado com as coisas, pensamos mais antes de agir e somos a maioria no mundo. Nós é que tínhamos que mandar nessa bagaça e não sucumbir ao machismo.

    Vidas em Preto e Branco

    • Marina Saraiva
      Marina Saraiva
      20 novembro, 2018

      Oi Lary!
      Mil desculpas pela demora em lhe responder. Esse livro é sensacional! Qual trilogia você leu? Quero dar uma olhada nela. Sim, as mulheres são muito fortes e fico feliz que estamos descobrindo isso a cada ano que passa e que mais mulheres estão abrindo os olhos para sua verdadeira força.
      Abraços.