22 novembro, 2018

MEU FERIADO EM ARACAJU

Um fim de semana fora é sempre bom para aliviar a mente do estresse diário, especialmente quando a rotina de trabalho está sendo intensa e o esgotamento mental tá chegando num nível catastrófico. Se vocês não me acompanham no YouTube (corre lá!), estou fazendo vídeos todos os dias durante esse mês de novembro, e por mais que eu tenha deixado grande parte das coisas organizadas para começar o especial, ainda assim é meio louco quando a gente dá o Start. Juntando isso ao fato de trabalhar de casa e não perceber qual o momento de parar, vez ou outra é necessário uma pausa para relaxar a mente.

Eu e meu namorado aproveitamos o feriado prolongando da Proclamação da República, pegamos o carro e rumamos a Aracaju. A capital de Sergipe fica a cerca de três horas e meia de onde moramos. Reservamos uma pousada de última hora e partimos para quatro dias de descanso. Obviamente que não consegui me desligar completamente de tudo o que está acontecendo por aqui, até por conta de algumas ações publicitárias que necessitavam do meu trabalho diário, mas só o fato de não ficar grudada no computador durante todo o dia por quase quatro dias foi uma coisa fenomenal.

***

Não fazíamos a mínima ideia de como era Aracaju, então apenas reservamos uma das pousadas com vaga no Booking e fomos. A hospedagem ficava na praia de Atalaia, uma rua após o mar e era bem calma e aconchegante. Chegamos na noite de quinta-feira, então apenas largamos as coisas e fomos comer. Escolhemos o restaurante Carro de Bois, sugestão de uma leitora que incrivelmente conhecia o dono, avisou da nossa presença e ainda fez com que ganhássemos entrada e sobremesa de brinde. Sabe como eu me senti? Vencendo na vida! A comida era esplêndida, não lembro exatamente o cardápio, mas de entrada pedimos um creme ao molho de funghi italiano – absolutamente esplendoroso! – e ganhamos uma caprese com presunto de Parma e mussarela de búfala. De pra principal eu pedi camarões gratinados acompanhado de risotto ao molho Donna enquanto o boy foi de file mignon ao molho barbecue + risotto de parmesão. A sobremesa foi um belíssimo crepe com doce de leite e sorvete de creme + caramelo. Quase morri e fui pro céu essa noite – talvez as duas garrafas de vinho tenham sido as causadoras desse efeito.

No dia seguinte fomos conhecer a praia que ficava na rua de frente a da pousada. O mais interessante e diferente das praias de Aracaju para as de Salvador é a imensa faixa de areia. Sério, a gente anda uns 300 metros na areia até chegar ao mar, é louco. Além disso, venta loucamente. A praia era maravilhosa, o mar estava agitadíssimo – até por conta do vento – e tinha águas-vivas, por isso acabei não entrando, mas eu achei tudo muito calmo para um local que está bem próximo a uma estrada. À noite a gente estava só o pó e acabamos jantando sorvete, me julguem!

Sábado foi o nosso último dia completo por lá e decidimos ir até a Praia do Saco, ela fica a cerca de uma hora de distância da capital, mas vale muitíssimo à pena a visita. Uma parte da praia – a que fica mais próxima e que fomos primeiro, é basicamente deserta. Senti que eu tinha quilômetros de praia só pra mim e foi surreal. Algumas casas estavam habitadas, mas a praia em si estava completamente vazia. Depois pegamos o carro, andamos cerca de sete quilômetros e chegamos a uma outra parte da praia, essa sim com barracas e pessoas. A água era tão calminha que parecia até uma piscina, ótimo lugar para um mergulho. Voltamos para Aracaju no finzinho da tarde, com um tempinho para descansar e depois sair pra jantar no Onnu, um restaurante japonês que nos foi recomendado por colegas de trabalho do meu namorado e que valeu muito a visita. Na real não tem apenas comida japonesa, eles variam muito no estilo de culinária. É um lugar bem movimentado, posso até dizer que é o Point da moçada. Além da comida muito boa e apresentada de forma bem diferente – comam o ceviche no coco, por favor! – os drinques também era variados e espetaculares.

No último dia acordamos um pouco tarde depois dos drinques da noite anterior, fomos então conhecer o Oceanário, administrado pelo Projeto TAMAR. Um pouco menor que o de Praia do Forte, mas ainda assim vale a visita. Achei interessante eles focarem bastante nas espécies de peixes nativas do Brasil, descobri muita coisa que não conhecia. Foi um passeio de cerca de uma hora e logo o concluímos, pegando a estrada de volta para a Bahia.

A viagem foi bem rápida, mas conseguimos aproveitar bastante. A cidade é encantadora e saí de lá com a sensação de não ter conhecido nada e um desejo monstruoso de voltar para desbravar mais.

Uma dica útil: a Forneria Delicatessen tem o melhor suco de morango do mundo, peçam sem açúcar e apreciem essa delícia. O café também é ótimo. A tapioca é maravilhosa. E o pão na chapa é surreal. Taurina, mores.

***

Você já foi a Aracaju? Me conta o que achou, tô curiosa!

Beijocas da Barb.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

8 Comentários

  • Monalise Nogueira Ferreira
    28 novembro, 2018

    Wowwwwwww que lugar lindo divo! Ja quero esse suco de morango ai! rsrsrs

  • Monyque Evelyn
    24 novembro, 2018

    Ahhh não acredito que você estava aqui e não te vi rsrs. Moro em Aju, venha mais vezes e me avise pra eu te mostrar todas as lindezas

    • Barbara
      Barbara
      24 novembro, 2018

      Sério?? Na próxima a gente marca um date 🙂

  • Joyce
    22 novembro, 2018

    Não conheço nada do Nordeste, acredita?
    Mas adorei te acompanhar nessa viagem 😉
    Estou adorando o SEA todo dia também! Vou sentir falta

    • Barbara
      Barbara
      23 novembro, 2018

      Tu precisa conhecer meu nordeste, mulher. É incrível!! Feliz que tá curtindo o nosso especial ❤️

  • Jéssica Souza
    22 novembro, 2018

    Muitoo a cara da RIQUEZA nessas fotos lugar lindo adoro quando vc sai assim e mostra tudo no stores