Olar, pessoas! Recentemente li uma trilogia sensacional e precisei compartilhar com vocês um pouco mais sobre essa leitura. Sabe aqueles livros que te inserem na trama quase como uma personagem dele? Foi mais ou menos isso que senti enquanto acompanhava a vida do Victor em Travessuras da Minha Menina Má, do Otávio Bravo.

Visite o site da trilogia!

A trilogia é um romance de formação, no qual acompanhamos a vida do Victor, filho do meio de uma brasileiro com um inglês, criado no bairro do Leblon, Rio de Janeiro. Tendo como irmão mais velho o centrado e estudioso Marco Aurélio e como irmão caçula Caíque, aventureiro e divertido, por quem Victor tem profundo admiração.

Em crítica literária, Bildungsroman (pronúncia ˈbɪldʊŋs.ʁoˌmaːn; em alemão: ‘romance de formação’) designa o tipo de romance em que é exposto, de forma pormenorizada, o processo de desenvolvimento físico, moral, psicológico, estético, social ou político de um personagem, geralmente desde a sua infância ou adolescência até um estado de maior maturidade. Via.

O jovem de aparência viking sempre se sentiu meio desajustado em meio aos outros, tinha certeza que os amigos que tinha foram feitos apenas por conta da sua ligação com Caíque e nunca se achou muito necessário em alguns pontos. Na época da faculdade, apaixonou-se por História e mesmo chegando a cursar Direito, não deu margem à nada além de mergulhar no estudo de povos antigos, identificando então diversas características do mundo atual. Viveu uma vida tranquila, mesmo que ao longo da vida fosse perdendo contatos e pessoas e ao final do primeiro, Avant Le Saisons, livro sofreu a maior perda que poderia ter.

Victor perde completamente o rumo durante um longo período. Se recupera quando recebe o convite para assumir a diretoria de um instituto de pesquisa no Brasil, a essa altura ele já havia rodado um pouquinho do mundo e garantido o conhecimento para ser notado na função que exercia. Era sua chance de enfrentar tudo o que deixou para trás, e isso acontece em Les Saisons, segundo volume. Neste livro também ele conhece Maria Eduarda, a sua menina má, garota que lhe tirou dos eixos. Com quase metade da idade de Victor, a jovem arrebata o professor ao primeiro olhar e o romance proibido começa a acontecer. Todavia, por virem de mundos opostos e com uma diferença de idade tão grande, suas vontades não são sequer parecidas, isso faz com que Victor, por conta do amor e do fascínio pela sua menina má, se encaixe no mundo da garota, esquecendo quem ele mesmo é.

A vida de Victor e Maria Eduarda segue, mas talvez não do jeito que gostariam, e é aí que chegamos no terceiro volume, Après Les Saisons. Nosso jovem Viking já não é mais tão jovem assim e aprende às duras penas sobre as dores do amor. Viveu uma explosão de sentimentos ao conhecer sua menina má e não soube dosar o quanto de amor seria destinado a ela e o quanto guardaria para si próprio. Caiu em desgraça. Mas então um novo acontecimento dá rumo a vida do nosso protagonista e ele então tem razões para viver.

***

A forma intensa e visual que Otávio Bravo narra Travessuras da Minha Menina Má é um convite ao leitor para se inserir na vida do Victor. Conhecer o personagem, da sua adolescência até a velhice faz com que criemos uma conexão com ele que se estende ao longo de toda a leitura. As ações do protagonistas são humanas em diversos aspectos e por mais que muitas vezes ele atinga extremos, conseguimos nos identificar com tudo o que ele passa e sente no decorrer da vida.

O livro é muito bem baseado em conceitos históricos e urbanos, com referências aos lugares e épocas que fazem com que o ambientação seja perfeita durante a leitura, como se a cada frase lida magicamente se transformasse em um filme que estava sendo exibido apenas para mim. Além disso, gera uma vontade de embarcar na mesma viagem do nosso protagonista e, em alguns aspectos, experimentar as mesmas coisas.

A co-protagonista e posso até dizer antagonista, Maria Eduarda, foi uma personagem difícil de desvendar. Ao mesmo tempo em que me sentia próxima à ela – dadas às nossas idades no momento em que ela surge na trama – não conseguia identificar uma personagem que fosse tão diferente de mim. Por vezes entendia as suas ações, mas isso não quer dizer que as aceitava. Terminou o livro me sendo uma incógnita em diversos pontos.

O que eu mais achei incrível foi como torci para que tudo desse certo com os personagens, como me afeiçoei a eles e como vislumbrei a vida real em cada passo da trama. São livros que causam reflexão, que abrem nossa mente para grandes questionamentos e que nos aproxima de quem realmente somos.

Concluí a leitura desejando mais dela e louca de vontade de indicá-la para vocês. Abracem a história do Victor assim como eu o fiz e depois voltem aqui para me contar o que acharam.

Às 18h vocês poderão ver minha resenha no Youtube.

***

Não passa por aqui sem me dizer o que achou do post, hein?

Beijocas da Barb.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

7 Comentários

  • Nicolly
    16 novembro, 2018

    Estou lendo o primeiro volume e amando.❤

    • Barbara
      Barbara
      17 novembro, 2018

      Muito maravilhoso, né? Quando concluir a trilogia vem aqui me contar o que achou 🙂

  • Duane
    15 novembro, 2018

    Que descrição, minha amiga! Senti vontade conhecer o Victor! Rsrs

  • Joyce
    15 novembro, 2018

    Quando vi você lendo o primeiro livro, já me deu uma vontade danada de ler! Ainda não tive a oportunidade porque parece que só tem físico.