30 dezembro, 2018

Filmes que marcaram meu ano

2018 está chegando ao fim e até agora eu não consegui decidir se o ano passou rápido demais ou se demorou mais que o normal, mas uma coisa que eu tenho certeza é que durante esses 365 dias eu tive a oportunidade de viver diversas histórias diferentes através da visão de incríveis diretores e roteiristas. Seja em uma cabine de imprensa, no cinema com os amigos ou em uma sessão noturna no Netflix, todos esses filmes deixaram uma marca no meu ano, alguns deles mais que outros, por isso resolvi compartilhar com você 5 dos filmes que mais marcaram meu ano.

Três Anúncios Para Um Crime

Durante os primeiros meses de cada ano nós podemos acompanhar  minha parte favorita do ano, a temporada de premiações. Durante esses meses nos somos bombardeados com diversas premiações, looks incríveis nos tapetes vermelhos, muitas polêmicas, varias risadas e acima de tudo muitas histórias incríveis que talvez não tenha ganhado tanta atenção durante o ano que se passou. Dentre todas os filmes que foram indicados durante essa temporada teve um deles que não saiu da minha cabeça desde quando vi o trailer pela primeira vez. Três Anúncios para um Crime conta a história de Mildred Hayes, uma mulher que ,inconformada pela falta de investigação no caso do assassinato de sua filha, decide alugar três outdoors em uma estrada pouco frequentada visando chamar a atenção da imprensa e da polícia. Eu tive a oportunidade de assistir esse filme na cabine de imprensa dele aqui em Brasília, o que significa que tive que assistir esse filme de manhã um pouco depois de acordar, eu posso te garantir que eu não estava preparado para digerir essa histórias ás 10 horas da manhã. O filme tem uma história tão densa, tão bem escrita e tão bem atuada que eu saí da sala de cinema com o peso dessa história nas minhas costas e passei elo menos uma semana vendo todas as cenas na minha mente. Claramente esse filme merecia um lugar aqui nessa lista.

Com Amor, Simon

No ano passado, durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, eu tive a oportunidade de conhecer a Becky Albertalli, autora do livro Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens. Naquele momento eu ainda não havia lido nada da autora mas a sua personalidade e a forma como ela nos recebeu imediatamente me fez querer pegar o livro dela e ler ali mesmo. Alguns meses depois a adaptação cinematográfica do livro finalmente chegou aos cinemas nacionais e na noite anterior à cabine de imprensa eu decidi pegar o livro para ler os primeiros capítulos e poder assistir o filme com um pouco de contexto. Algumas horas depois eu estava virando a última página e indo dormir com o meu coração aquecido após ler uma linda história de amor e crescimento. Com Amor, Simon conta a história de Simon Spier, um garoto comum de 16 anos que carrega um grande segredo, ele é gay. O seu segredo sempre esteve muito bem guardado, até que um certo dia um de seus e-mails mais pessoais acaba caindo na mão de pessoas erradas, colocando seu segredo em risco. Com Amor, Simon é um filme adolescente com um personagem principal gay mas que não usa isso como centro da narrativa. O filme trata de diversas formas amor, auto conhecimento, família e tudo isso de uma forma muito leve e bem feita. Uma cena em específico ficou marcada na minha cabeça e por isso o filme garante seu lugar na lista.

Um Lugar Silencioso

Tá aí um filme que enquanto eu entrava na sala de cinema não imaginava que estaria na minha lista de filmes mais marcantes do ano. Uma das minhas maiores surpresas do ano foi saber que John Krasinski, mais conhecido por ser um grande comediante americano, estava prestes a estrelar e estrear como diretor em um filme de terror não tão convencional. Sem acreditar que o filme seria algo tão incrível, chamei alguns amigos da faculdade para me acompanhar e alguns minutos após o início do filme e já tive a certeza que estava extremamente enganado. Um Lugar Silencioso acompanha a trajetória de um família americana sobrevivendo em um mundo pós-apocalíptico infestado de monstros que são atraídos por som. O filme chamou minha atenção pois há alguns anos atrás eu tive a oportunidade de ler Caixa de Pássaros, um livro que também fala sobre um mundo infestado de monstros e que os personagens também estão vulneráveis por causa de um dos sentidos, nesse caso a visão, e esse livro entrou na minha lista de livros favoritos e não quis mais sair de lá. Esperando uma experiência um pouco similar eu decidi ir assistir ao filme e nos primeiros minutos na sala de cinema eu pude ver o impacto que o filme estava tendo em cada uma das pessoas que estava lá dentro. Os baldes de pipoca continuaram cheios até o fim da sessão, as respirações ficaram cada vez mais silenciosas e os corpos mais encolhidos a cada momento que se passava.

Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo!

Sendo o fã de musical que sou, quando a continuação de Mamma Mia foi anunciada eu claramente fiquei louco e não podia esperar para cantar todos os sucessos do ABBA dentro do cinema. Focando a história em Sophie, Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo se passa um ano depois da morte de Donna e navega entre o presente e o passado mostrando as aventuras da jovem Donna e o reencontro de Sophie com seus três pais na reinauguração do hotel de sua mãe. Todos nós sabemos que um total de zero pessoas assistem Mamma Mia por causa do enredo bem escrito e atuações incríveis, nós compramos ingresso apenas para cantar mesmo e admirar a Meryl Streep (durante alguns segundos). O que fez esse filme entrar na lista de mais marcantes foi o fato de ter assistido ele em São Paulo acompanhado de duas das pessoas mais importantes para mim, a Barb e o Leo, e estar acompanhado desses dois é sempre um dos melhores momentos do ano.

Hereditário

Sinceramente eu nem sei o que dizer sobre esse. Quando esse filme chegou ao cinema eu estava louco para poder assistir essa beleza nos cinemas pois é mais uma obra produzida pela A24, uma produtora criada em 2013 e que em apenas 5 anos de atividade já é a minha produtora favorita e na minha opinião não possui um filme ruim (a gente ignora Spring Breakers e The Bling Ring), infelizmente não consegui ir pois estava em um momento muito complicado da faculdade e acabei enrolando bastante. Há algumas semana resolvi assinar o serviço de streaming da Amazon e acabei vendo que o filme estava no catálogo e logo decidi assistir. Hereditário é facilmente um dos melhores filmes de terror que eu vi esse ano, eu até mesmo na vida. O filme trata de assuntos sobrenaturais mas acaba sendo mais assustador pois conseguimos fazer um paralelo muito forte com temas que vivenciamos no dia a dia. Como não tenho a menor capacidade de resumir esse filme em algumas palavras eu vou simplesmente deixar vocês com o trailer.

Menção Honrosa

Bird Box

Enquanto falava sobre Um Lugar Silencioso eu citei um livro que li há alguns anos e que me fez querer assistir a Um Lugar Silencioso. Há alguns dias atrás esse filme ganhou uma adaptação produzida pela Netflix e eu obviamente conferi assim que saiu. Bird Box se passa em um mundo pós-apocalíptico infestado com criaturas que ao serem vistas fazem pessoas se tornarem extremamente violentas. O filmes também navega entre o presente e o passado e acompanha a história de Malorie e seus dois filhos a procura de um lugar seguro. O filme viralizou tão rapidamente que se tornou a melhor estréia do serviço de streaming, tendo sido assistido por 45,037,125 contas. Confesso que não fiquei tão feliz com o resultado logo após ter terminado de assistir, mas após digerir o filme por um tempo eu percebi que o maior motivo para não te gostado do filme foi por que eu já havia criado o meu próprio filme na minha cabeça e não ter as minhas expectativas alcançadas acabou sendo um pouco frustrante. Mas levando em consideração que esse filme é a adaptação de um dos meus livros favoritos eu precisei coloca-lo na lista.

E para vocês, quais foram os filmes que marcaram 2018?

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Joyce
    02 janeiro, 2019

    Ainda não tive oportunidade de assistir a nenhum desses filmes. Quero muito ver Bird Box, mas tenho medo rs