Oi gente!

Entre os livros que eu mais amo se encontram os romances policiais. Gosto de livros que trazem mistérios, investigações e, algumas vezes, até um certo thriller.

Existem leitores que nunca se aventuraram no gênero e outros que, por alguma experiência ruim ou por pensarem nos filmes baseados nos livros ou apenas na temática, dizem não gostar. Pensando nisso, trouxe uma lista de 5 livros que eu amei e que podem ser uma porta de entrada para quem quer dar uma chance (ou uma segunda chance) para os romances policiais. Uma breve observação: sei que a rainha do gênero é Agatha Christie, porém, contudo, entretanto, ainda não li nada da autora, por isso não a citarei aqui.

 

Tempo de partir – Jodi Picoult

Uma menina de 13 anos, contando com a ajuda de um investigador aposentado e uma médium, para descobrir o que aconteceu com sua mãe que desapareceu há 10 anos. O livro se desenvolve a partir da narrativa que foca, a cada capítulo, em dos personagens principais (Jenna – a filha, Alice – a mãe, Serenity – a médium, Virgil – o investigador), nos prendendo em suas histórias particulares e em suas contribuições para o desenvolvimento da busca pela mãe de Jenna. Tem resenha mais aprofundada desse livro aqui no blog. É uma boa entrada no gênero, já que não traz uma ambientação sombria, não traz o ambiente policial em sua totalidade, focando mais na temática da investigação, apenas.

 

 

Os homens que não amavam as mulheres – Stieg Larsson 

Esse livro (assim como a série Millenium em si) teve um boom em meados dos anos 2000, após seu lançamento, tendo sido reforçado com o lançamento do filme americano em 2011. Os personagens principais do livro são Lisbeth Salander uma hacker e Mikael Bomkvist, um jornalista. Mikael está sendo acusado por difamação após ter publicado um artigo em sua revista Millenium sobre um grande empresário sueco, o que o leva a uma condenação de 3 meses na prisão. Após o julgamento, é contratado pelo empresário Henrik Vanger para escrever uma crônica sobre a poderosa família Vanger e seu império industrial, e também para ajudar a investigar o desaparecimento de sua sobrinha-neta Harriet Vanger. Lisbeth Salander, que foi contratada pelo advogado de Henrik para levantar o histórico de vida de Mikael, irá cruzar com o mesmo no decorrer da história, ajudando-o a desvendar o desaparecimento de Harriet. Toda a história passa no norte da Suécia, em Hedeby, com algumas entradas em Estocolmo.

Assim como Tempo de Partir, a investigação é feita por não policiais, apesar de que, neste livro, os termos policias e principalmente os termos jornalísticos de investigação são mais recorrentes. Eu tive problemas em me entregar a leitura deste best-seller, por ter sido muito modinha há algum tempo atrás, mas eu me deliciei com a leitura e tenho uma opinião diferente sobre o mesmo hoje.

 

O mapa dos ossos – James Rollins

Este é o primeiro livro de uma série chama Força Sigma. Infelizmente, aqui no Brasil foram publicados apenas 3 livros da mesma.

Em O Mapa dos Ossos, temos um grupo de mercenários que roubam os ossos dos Reis Magos e, com hóstias envenenadas, matam os fiéis numa igreja em Colônia, na Alemanha. Mas, temos um sobrevivente que, ao lembrar da figura de um dragão na roupa de um dos mercenários, ajudará na resolução do crime. A figura do dragão, que tem a própria cauda enrolada no pescoço, remonta a Corte do Dragão, uma irmandade que se infiltra em várias áreas do governo e busca a chave de um poder inestimável que está guardada e facetada em relíquias. Para ajudar a desvendar os crimes e parar a ação da Corte, o Vaticano buscará a ajuda da Força Sigma, uma equipe armada do departamento de defesa norte americano, tendo como comandante Gray Pierce.

O livro traz muitos aspectos históricos, ciência e mistério. É aquele que irá mais trazer a variável policial dentre os livros que apresento aqui. Em alguns pontos se assemelha a Código da Vinci e/ou Anjos e Demônios de Dan Brown, contudo, a narrativa é diferente.

 

O símbolo perdido – Dan Brown

De todos os livros da saga Robert Langdon, esse é o que mais me prendeu e por isso é ele quem vem representar Dan Brown. Eu sei da fama de “receita pronta” que o autor tem, mas eu gosto bastante das histórias, principalmente pelo aporte teórico que Dan Brown coloca nos livros, as pesquisas relacionadas à ciência e à história.

Polêmicas de lado, O Símbolo Perdido é,  na minha opinião, o livro com o anti herói mais perturbador, louco e pesado de todos os outros livros com Robert Langdon. Neste livro, Robert entra em contato com segredos da maçonaria e a fundação dos EUA, para salvar seu amigo maçom Peter Solomon, e sua irmã Katherine Solomon, de Mal’akh, que deseja descobrir a verdade escondida, o maior dos conhecimentos, que a pirâmide maçônica diz revelar.

Neste livro, o mistério é quase totalmente revelado pelo professor Robert Langdon, apesar de ter a presença da CIA no desenvolvimento e esclarecimento dos crimes, e tenta juntar a fé e a ciência de uma forma interessante ao apresentar ao leitor a ciência noética, campo de estudo de Katherine no livro.

 

Heresia – S. J. Parris

O livro mais diferente dessa lista. Heresia não apresenta policiais e é coberto por um suspense. O romance é ambientado no século XVI, narrando as aventuras do monge Giordano Bruno que está a escapar da Inquisição por acusações de heresia e chega em uma Inglaterra  conturbada, com uma sociedade em tentativa de derrubar a rainha protestante Elisabeth e retornar a religião católica. Giordano é acusado de heresia por sua crença em um universo heliocêntrico e pelos seus estudos de hermetismo. Ao chegar na Inglaterra, é contratado pelo chefe do serviço de espionagem real e enviado a Oxford, sob o disfarce de participar de um debate sobre as teorias de Copérnico, para se infiltra entre a rede clandestina de católico para descobrir informações sobre o complô contra a rainha. Contudo, um dos membros mais antigos de Oxford é assassinado e a missão de Bruno toma outros caminhos. No decorrer da narrativa, o monge vai se ver dentro de uma sinistra perseguição e irá percorrer bibliotecas, tavernas e lugares inimagináveis para desvendar o crime que ocorre em nome da religião.

O livro é um suspense histórico baseado em fatos reais, com mistérios e crimes a serem desvendados, que trará muito sobre a discussão científica da época, questões políticas  e também sobre a magia hermética praticada por Giordano Bruno, que foi realmente excomungado pela Igreja Católica.

E vocês,  gostam de romances policiais? Tem algum para me indicar? Comentem aqui.

 

BEIJÃO E ATÉ MAIS!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário

1 Comentário

  • Joyce
    14 fevereiro, 2019

    Oi, dessa listinha eu só conheço O símbolo perdido – Dan Brown que li quando era bem nova e adorei! Lembro que li em 2 dias 😉