• Livro: Máscaras
  • Autor: FML Pepper
  • Editora: Valentina
  • Páginas: 274
Sinopse: "E se você descobrisse que a grande verdade ainda não foi revelada? Que pode estar enganado a respeito de muitos personagens? É chegada a hora de arrancar as máscaras, ver e viver na pele — e na alma — as revelações guardadas a sete chaves sobre a Trilogia Não Pare! E se surpreender com o que jamais imaginou! Máscaras... Para camuflar as fraquezas do mais forte dos guerreiros... Richard. Para distorcer as certezas de uma lenda amaldiçoada... Guimlel. Para acobertar as cicatrizes de uma sina maldita... Ismael. Para esconder os sentimentos de uma garota desprezada... Samantha. Para proteger fanáticos atrás de tronos... Kaller. Para ocultar gigantes sob sutis envergaduras... Zymir. Para disfarçar um exército cruel e traiçoeiro... Von der Hess. Para sufocar os desejos mais íntimos da híbrida... Nina. Máscaras... Para dar luz às mentiras e obscurecer as verdades. Para encantar a vida e, talvez... Enganar a Morte!"

Quando eu concluí a leitura da trilogia Não Pare! eu senti que faltaram algumas respostas. Muitas pontas ficaram em aberto e eu tive certeza de que um dia FML Pepper escreveria uma continuação que me desse as informações pelas quais eu estava desesperado. Então, quando Máscaras foi anunciado percebi que ali estava minha chance… mas não foi bem o que aconteceu.

Preciso começar essa resenha falando sobre como a escrita de Pepper está diferente. Enquanto nos outros livros a leitura fluía magicamente, aqui pareceu arrastado e sem conexão. Eu levei uns três dias pra conseguir engatar na história, mas mesmo depois disso foi difícil seguir. Parecia que eu estava lendo uma fanfic da série original.

Narrado em primeira pessoa por diversos personagens, Máscaras tem como intuito mostrar um outro lado deles, já que tudo que sabíamos sobre esses personagens sofria a influência da opinião de Nina e tinha muita coisa que ela não sabia sobre o passado de Zyrk. Vamos conhecer mais sobre o passado de Ismael, a história de John e Samantha – e os sentimentos que ela nutria pelo melhor amigo -, assim como a origem de Richard e como ele se tornou o resgatador mais famoso da dimensão.

E é em Richard que está meu maior problema com esse livro. Eu me apaixonei pelo personagem justamente pelo seu jeito egocêntrico, perigoso, sexy e geminiano. Aqui, tendo a visão dele de algumas cenas com Nina, o cara parecia um bobo apaixonado. Entendo que a híbrida desperta sensações estranhas nele, mas os monólogos sobre como ela era fantástica e maravilhosa eram morosos demais.

“Eu sou a morte dela, mas é somente ela que tem o poder de me matar.”

Além disso, o livro tem váááários furos. Em uma cena específica, quando Ismael está no hospital, a enfermeira que cuidava dele sofre um infarto e vai parar na UTI. A mulher está à beira da morte, mas está lá, bem plena na cama, falando normalmente e dando conselhos para o zirquiniano. Gente, cadê a intubação? O sedativo? Se a mulher está com o coração tão fraco, porque o hospital não tomou as medidas necessárias para tentar salvá-la?

O ponto mais alto do livro, pra mim, foi reencontrar John e Samantha. Esses dois personagens tiveram pouco destaque na trilogia, mas quando apareciam me cativavam em todas as cenas. Também gostei de saber o que aconteceu depois do reencontro de Richard e Nina, em Amsterdã. Vamos acompanhar a relação deles ao longo de alguns anos, pela visão de Nina, e isso sim despertou bastante nostalgia.

Em suma, Máscaras é um livro que deveria me dar as respostas, mas acabou me enchendo com mais questionamentos. Fiquei bem decepcionado com esse volume e não sei se leria um próximo, se fosse lançado. Mas se você é fã da série, pode ser que o livro te agrade…

Beijos e até a próxima!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe uma resposta para JoyceCancelar resposta

2 Comentários

  • Fabiana
    15 dezembro, 2018

    Também fiquei um pouco decepcionada, esperava mais!

  • Joyce
    13 dezembro, 2018

    Não conheço a história, mas já vi vários livros da autora, inclusive tenho um aqui que ainda não li chamado TREZE. Não gosto muito das capas dos livros, mas vou dar uma chance para autora.