07 janeiro, 2019

Dizendo sim para 2019

Estou vendo um incrível pôr-do-sol pela janela do avião. Sigo voando há aproximadamente cinco horas e ainda me restam quatro de viagem. Passei os últimos dezoito dias na Espanha, de férias. Foi a primeira vez que tirei tanto tempo fazendo muito pouco com relação ao meu trabalho, deixei tudo gravado e programado, fugi dos e-mails, malmente respondi WhatsApp, e foi libertador. Às vezes a gente gosta tanto do que faz que esquece de parar um pouco para viver coisas diferentes, preciso pedir que os façam. Voltamos com a mente tão aberta para o novo, tão cheia de ideias, tão feliz.

Os dias na Espanha foram frios e gostosos, fiquei um tempo com a família do meu namorado, tomei muito vinho, passei um frio horroroso em Madrid e virei o ano no quarto do hotel depois de termos passado quase três horas numa fila congelante, mas não termos conseguido entrar na Puerta Del Sol, local da cidade onde a comemoração acontece. Mas posso dizer? Foi uma das entradas de ano mais maravilhosas e espetaculares, tomando champanhe rosé, comendo torrone e beijando o homem que eu amo com a boca cheia de uva – tradição espanhola, haha.

Agora estou voltando para casa pronta para começar a rabiscar meu planar novo e a colocar em práticas todas as minhas metas para este ano, devo confessar que estou empolgada e preenchendo uma to do List para não esquecer de nada. Adoro esse sentimento do novo e realmente estou desejando dizer sim para todas as coisas que desejei fervorosamente. À propósito, para vocês eu desejo muito amor, saúde, fé e coisas incríveis.

Durante o vôo concluí a leitura de um livro que comecei mês passado, mas estava engolindo aos poucos – aqui eu engoli os 60% que faltavam. Eu sempre fui uma pessoa com muito medo de situações que me tirassem da zona de conforto. As ideias flutuam na minha mente, mas ter coragem para colocá-las em prática é um pouco complicado para mim. Comecei então a ler O ano em que disse sim, da Shonda Rhimers (clique aqui para comprar!) e este foi um livro que mudou a chavinha do meu cérebro. No começo da leitura eu já comecei a dizer alguns sins, mas agora estou com uma imensa vontade de colocar outras coisas em prática, de dizer não para coisas que eu não quero que aconteçam, de apresentar a melhor versão de mim para os outros. De viver de acordo com a forma como eu quero viver.

O ano de 2014 foi um marco na vida da Shonda, ela sempre fugiu de tudo o que a tirasse de sua casa, seus pijamas e seu computador. Situações públicas não era para ela, mas sim para os atores que interpretavam seus personagens. Todavia, quando passava por alguma situação diferente, muitas vezes tinha um sensação boa daquilo, então ela começou a perceber que estava perdendo muito da vida. Quando sua irmã mais velha lhe chama atenção para o assunto, Shonda decide praticar um ano de desafios, um ano em que ela dirá sim para tudo aquilo que a traumatizaria, um ano que a muda para sempre.

Começos geram essa sensação na gente, eu sei; e muitas vezes não seguimos em frente pela falta de planejamento, por esquecer das vontades ou por se acostumar com a zona de conforto. Por falar em estar sempre confortável, senti que já mudei um pouco quanto a isso durante as minhas férias, sempre fui muito fresca quanto a experimentar novos alimentos e durante essa viagem eu me deixei conhecer novas coisas e descobrir gostar de coisas que nunca havia imaginada (hoje eu comi sushi com abacate e o troço é bom mesmo).

Enfim, vocês sabem que eu adoro fazer desse lugar um cantinho pessoal, para dar mais de mim e receber mais de vocÊs. O primeiro post do ano não poderia ser diferente. Compartilhar meus sentimentos é libertador e saber que de alguma forma isso mexe com a vida de vocês é ainda melhor. Não sou de escrever textos muito longos ou de contar muitos detalhes das coisas, mas tento transmitir ao máximo sensações boas e transformadoras. E é isso! Que 2019 comece e que seja absolutamente incrível par a agente.

Feliz ano novo.

Beijocas da Barb.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe uma resposta para BarbaraCancelar resposta

2 Comentários

  • Joyce
    06 janeiro, 2019

    Ainda não li esse livro mas quero muito ler! Adorei seu texto e estava com saudade 😉

    • Barbara
      Barbara
      07 janeiro, 2019

      Oi, Joyce. É uma leitura incrível! Já estou de volta, haha.