• Livro: Glória e Ruína (Graça e Fúria #02)
  • Autor: Tracy Banghart
  • Editora: Seguinte
  • Páginas: 320
Sinopse: Na continuação de Graça e Fúria, Serina e Nomi Tessaro vão dar início a uma revolução que vai mudar a vida de todas as mulheres de seu país. As irmãs Serina e Nomi Tessaro nunca imaginaram que acabariam em lugares tão distintos: Serina em uma ilha-prisão, Monte Ruína; Nomi no palácio de Bellaqua, como uma graça, à disposição do príncipe herdeiro do reino. Depois de sofrer uma grande traição, Nomi também é mandada para a ilha e, ao chegar lá, para sua surpresa, encontra Serina à frente de uma rebelião das prisioneiras contra os guardas. Agora as irmãs têm um objetivo em comum: mudar o funcionamento de toda a sociedade. Além disso, elas sabem que Renzo, gêmeo de Nomi, está em perigo. Relutantes, elas se separam mais uma vez, e Nomi retorna à capital, enquanto Serina permanece em Monte Ruína para garantir que todas as mulheres encontrem um lugar seguro para viver. Só que nada sai como o planejado ― e as duas vão ter de enfrentar os seus maiores medos para mudar o país de uma vez por todas.

Nomi Tessaro foi traída. Ela confiou em alguém que não devia e um golpe de estado foi armado às suas custas. Agora, o destino de Viridia é incerto com Asa no poder e precisando ser detido. Mas como Nomi tomará uma atitude se agora ela está sendo enviada para Monte Ruína, o exílio das mulheres?

Serina Tessaro deu início a uma revolução. Liderando as mulheres de Monte Ruína, ela conseguiu subjugar os guardas e conquistar a ilha, dando liberdade a todas que ali viviam. Porém, muitas vidas foram perdidas no caminho e para não perder mais ninguém elas precisam de um novo plano, que as tire da ilha-prisão e lhes garanta o direito de viver.

O plano de Serina é render os guardas do próximo navio de prisioneiras, de forma que as mulheres recebam as rações e tenham um meio de fuga do local. A ideia é que elas partam rumo ao continente vizinho, um lugar onde as mulheres possuem direitos e são donas de si mesmas, podendo trabalhar e até mesmo ler, o completo oposto de Viridia.

Para surpresa de Serina, o barco traz apenas duas prisioneiras, sendo uma delas sua irmã, Nomi. A alegria do reencontro logo é substituída por um temor, quando Nomi conta tudo que passou para a irmã e Serina descobre que seu outro irmão, Renzo, encontra-se em perigo por conta dos planos de Asa. Não fosse o bastante, o príncipe herdeiro, dado como morto, também vai parar em Monte Ruína e por mais que muitas mulheres ali o odeiem, ele pode ser sua única chance de fuga.

Com novas peças no jogo, os planos de Serina precisam mudar. Enquanto ela, Val e as prisioneiras armam a emboscada para o próximo barco, Nomi e o príncipe, Malachi, devem partir em busca de exércitos para que o herdeiro tome seu lugar de direito no governo de Viridia, derrubando Asa de uma vez por todas. Além disso, eles precisam encontrar e proteger Renzo, antes que Asa o encontre e acabe com sua vida.

Recém tendo recuperado a presença uma da outra, Serina e Nomi precisarão se separar novamente, sem nenhuma garantia de que se encontrarão outra vez. A única certeza das duas é que seu propósito é maior e mais importante do que suas próprias vidas e, querendo ou não, elas entrarão para a história. Estarão as duas meninas preparadas para todas as consequências de suas ações? Qual será o destino de Viridia?

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!

***

Graça e Fúria foi uma das minhas melhores leituras do ano passado. Eu estava super ansioso pela continuação, tendo em vista que se tratava de uma duologia, então não foi fácil de conter o surto quando a Editora Seguinte anunciou o lançamento de Glória e Ruína. Assim que o livro chegou foi direto pro topo da minha lista de leituras e acho que esse foi meu maior erro ao pegar essa obra pra ler, pois fui com muita sede ao pote.

A escrita de Tracy Banghart é muito envolvente. Ela tem um enorme dom de nos ambientar na história outra vez, como se tivéssemos concluído a leitura do livro anterior há pouco tempo e não há mais de um ano, como foi no meu caso. Somando isso com a fluidez da narrativa, concluí a leitura em poucas horas. Não vou dizer que não gostei do livro, porque gostei muito, mas acho que a autora deixou a desejar em certos pontos.

O livro segue alternando as perspectivas de Serina e Nomi a cada capítulo e a evolução das personagens é incontestável. Serina passou por maus bocados no período como escrava em Monte Ruína e isso a transformou em uma guerreira, deixando completamente de lado seu ar de graça. Já Nomi descobriu o pior lado das pessoas com a traição que sofreu e seus sentimentos pelos irmãos Asa e Malachi são extremamente conflituosos, mas isso em momento algum diminui seu ímpeto de consertar seus erros.

Um dos pontos altos do livro foi toda a questão do poder feminino. As prisioneiras de Monte Ruína conseguiram conquistar a ilha e construir uma sociedade igualitária, contrastando com o país que as subjugava. Todas ali dentro são irmãs e defendem umas às outras. Acho que essa foi uma das peças mais fundamentais para o andamento da história, pois sozinha Serina não teria chego tão longe. Deixo aqui uma salva de palmas para a autora por isso.

O que me decepcionou nessa história foi basicamente todo o resto. Por se tratar de apenas dois livros, eu esperava que esse segundo volume da série fosse um pouco mais longo e nos trouxesse mais ação e mais respostas. Contudo, Tracy deu uma boa enrolada e só foi desenvolver o clímax e nos entregar o desfecho faltando menos de trinta páginas pro livro acabar. Enquanto eu ia lendo, a preocupação de que faltava tão poucas páginas e muita coisa para acontecer tomou conta de mim.

Tracy conseguiu atar todos os nós, mas achei que alguns rumos que ela tomou foram fáceis demais. O vilão temível, que poderia ter um grande espaço (como Maven, em A Rainha Vermelha, por exemplo) foi mal aproveitado e sua participação foi bem aquém do esperado. O romance entre Nomi e Malachi não me convenceu, deixando que meu shipp ficasse para Serina e Val, que é um dos casais mais sem graça da história…

O desfecho foi bastante previsível. Desde que li Graça e Fúria eu já imaginava que seria assim, mas tinha esperanças que Tracy iria me surpreender com alguma reviravolta. Isso não aconteceu, mas não vou desmerecer o trabalho da autora. Eu gostei sim do final! Só queria que tivesse uma continuação, haha. Não consigo acreditar que já tive que me despedir desses personagens que eu tanto gostei. Seria muito pedir um spin-off protagonizado por alguns coadjuvantes?

Glória e Ruína pode não ser tão bom quanto seu predecessor, mas é, com certeza, uma boa continuação e um bom desfecho para essa história que eu tanto amo. Nomi e Serina são duas protagonistas incríveis e merecem que vocês conheçam sua história e aprendam com seus erros. Por conta disso tudo, deixo aqui minha recomendação a todos. Vale muito a pena!

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário