• Livro: Era uma vez no outono
  • Autor: Lisa Kleypas
  • Editora: Arqueiro
  • Páginas: 384
Sinopse: A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa. Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Porém, algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. Então, numa tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada? Neste segundo livro da série As Quatro Estações do Amor, Lisa Kleypas nos apresenta um homem de hábitos rigorosos, uma mulher disposta a quebrar tabus e uma deliciosa batalha entre razão e sentimentos na busca do amor verdadeiro.

A quantidade de novos ricos que surgiam nas Américas junto com as indústrias era incontável. Os herdeiros homens não tinham qualquer dificuldade para encontrar boas pretendentes, já as mulheres comumente iam até Londres à caça de um bom marido. Quando atravessou o oceano com o intuito de casar suas filhas, Sr. Bowman não queria qualquer um; precisava ser rico, fazer parte da nobreza. Nada como um sangue azul para alavancar os negócios.

A missão em si já era difícil, graças à rigidez de etiqueta com a qual os americanos não conviviam, mas que eram muito apreciadas em Londres. Porém, em se tratando de Lilliam Bowman, a missão era quase impossível! Como se não bastasse a má fama por ser americana, ela ainda é mandona, nada submissa e sem qualquer medo de dizer o que pensa. Seu gênio forte pode ser um empecilho, mas nenhum desafio é grande demais para as Wallflowers.

Lorde Westcliff é um homem frio, racional, criado para agir sempre pela razão e nunca com a emoção. E é exclusivamente por isso que os Bowman estão sendo aceitos em sua propriedade de campo novamente. Depois de uma primeira experiência nada agradável, ele pretendia manter distância da filha mais velha do Sr. Bowman, mas os negócios não podiam parar, e a fábrica de sabonetes da família era um excelente investimento.

Apesar de a primeira impressão ser aquela que fica, parece que o novo perfume de Lillian pode mudar a dinâmica entre eles. O botânico disse que um ingrediente secreto o transformaria em um afrodisíaco, mas será que dá para acreditar nisso? Fato é que nada está como antes e ao mesmo tempo nada mudou. As quatro semanas em que precisarão conviver como pessoas civilizadas prometem ser longas.

Casais que agem como cão e gato são diversão garantida, e aqui temos um excelente exemplo. Quem leu o primeiro livro da série já teve o prazer de conhecer esses personagens e pôde imaginar como eles se portariam em seu próprio livro. Conversas regadas a sarcasmo, discussões e muitos beijos em momentos oportunos. É isso que encontramos aqui!

Lillan não é exatamente um doce de pessoa, e é por isso que ela cativa o leitor. Já Marcus nos faz suspirar por um velho clichê: o descobrimento de um amor. Ambas as situações são comuns nos romances de época, mas não nos cansamos disso. O único porém desse casal é que a relação deles entrou num looping de beijos e brigas tão cansativo, que em alguns momentos dava vontade de pular páginas. E esse não foi o único ponto em que revirei os olhos para os acontecimentos.

A grande clímax da história tem alguns acontecimentos controversos, que mostram uma incrível falha num personagem secundário que conheceremos a fundo no próximo livro. Poderia ser uma simples falha de caráter dele, já que nunca esteve perto de ser um príncipe, mas simplesmente as coisas não batem. Dava para ter mantido a ideia e ainda assim feito muito mais sentido. Enfim…

Se Lillian e Marcus roubaram a cena num livro que não os pertencia, o mesmo aconteceu com alguns novos personagens, como a irmã e a mãe de Marcus. E o amor entre as irmãs Bowman é aquele sentimento bonito, sem competição ou inveja. Daisy tem se destacado nos 2 livros pela sua pureza de coração e por atitudes altamente altruístas, além de uma tendência a aventuras.

Li a obra pela edição Pop Chic da Editora Arqueiro que criou capas belíssimas, impossível não desejar tê-las na estante. Mesmo sendo um formato mais pequeno, a leitura foi confortável e amei quando descobri que essas edições possuem orelhas, dando ainda mais beleza para essa nova coleção. Eu estou apaixonada!

O casal de Pecados no Inverno foi apresentado no finalzinho do epílogo e foi cho-can-te! Eu cogitei alguns casais e esse nunca seria um deles. A próxima protagonista será Evie, e com todo o seu jeitinho meigo de ser, esse livro promete elevar as temperaturas.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário