• Livro: Foi Assim que Tudo Explodiu
  • Autor: Arvin Ahmadi
  • Editora: Alt
  • Páginas: 294
Sinopse: Depois de vivenciar um relacionamento fracassado e ter que lidar com chantagistas, fugir parece ser a única opção para Amir Azadi. Pousando em Roma por acaso, ele finalmente pode explorar quem realmente é, e as noites com novos amigos pelas piazzas da cidade e dates na Capela Sistina logo se tornam sua rotina... até que sua antiga vida bate (literalmente) à porta. Amir sempre soube que sair do armário para a sua família muçulmana seria complicado – ele só não imaginava que isso terminaria em uma sala de interrogatório de um aeroporto. Agora, ele precisa dizer toda a verdade e nada além da verdade para um oficial da alfândega dos Estados Unidos, ou arriscar perder a liberdade conquistada com tanto esforço. Com tradução e capa de Vitor Martins, Foi assim que tudo explodiu é uma celebração de como os momentos mais dolorosos da vida podem conviver com a alegria transformadora de descobrir quem você realmente é.

Foi Assim que Tudo Explodiu inicia em uma sala de interrogatório no aeroporto, com Amir e sua família precisando explicar, separadamente, o motivo pelo qual estavam discutindo dentro de um avião. Para iniciar sua história aos policiais, o jovem precisa contar sua história desde o começo e é a partir disso que a história se desenvolve.

Amir é um jovem muçulmano que está no último ano do ensino médio. Ele não vê a hora de chegar a formatura e ir para a faculdade, para se sentir livre. Mas uma chantagem coloca todos os seus sonhos em risco. Se até o dia da formatura Amir não conseguir levantar uma quantia em dinheiro, será revelado aos seus pais por um de seus colegas que ele é gay.

Sem saber o que fazer, Amir começa a juntar dinheiro. Ele adora editar páginas na Wikipedia, mas sempre achou errado cobrar por isso, já que é um site gratuito. Porém, sem ter alternativa, ele decide aceitar todas as propostas monetárias que lhe fizeram anteriormente. Só que o desespero começa a bater quando seu colega pede mais dinheiro num prazo muito curto e é aí que Amir decide tomar uma atitude extrema.

No dia da formatura, Amir faz uma mala com alguns poucos itens e parte para Nova Iorque, com a intenção de se estabelecer por lá. Mas quando seus pais descobrem seu paradeiro, ele precisa pensar rápido e a solução que encontra é embarcar em um voo direto para Roma, onde sua vida vai mudar drasticamente.

Na capital italiana, Amir vai conhecer lugares maravilhosos e fazer amizade com um grupo de garotos como ele, com os quais viverá experiências incríveis e descobrirá muitas coisas sobre si mesmo. Mas como esse paraíso se transformou naquela briga dentro de um avião? Estará Amir preparado para enfrentar as consequências de suas escolhas?

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!

***

Quando eu vi a capa de Foi Assim que Tudo Explodiu, imediatamente o livro me chamou atenção. Quando eu soube do que se tratava, decidi que leria na primeira oportunidade. Eis que então recebi o livro de cortesia da Editora Alt e imediatamente o passei na frente de todas as leituras, terminando a obra em uma sentada!

A escrita de Arvin Ahmadi é muito fluida e envolvente. Gostei muito da forma como o autor construiu a narrativa, intercalando passado e presente a cada capítulo, de forma que o leitor consiga acompanhar o que está acontecendo nas salas de interrogatório e conhecer um pouco mais sobre Amir e o que os levou até este momento.

Um ponto extremamente positivo do livro é a forma de abordagem de temas importantes. Temos toda questão de ser LGBT em uma comunidade muçulmana e o que isso faz com a cabeça de um jovem, assim como partes relacionadas à homofobia e à xenofobia. É um baque acompanhar isso, de uma família discutir em um voo e já ser acusada de terrorismo apenas por causa de suas roupas e sua religião.

Amir é um personagem muito bem construído. Apesar de ser um garoto maduro, ele tem muitas inseguranças e vê-lo perdendo algumas durante seu período na Itália foi sensacional. Algumas atitudes que ele tomou eu não concordei, mas precisamos levar em conta que ele é jovem e ainda tem muito a aprender com a vida.

O final foi rápido, mas me deixou bastante feliz. Amei a forma como Ahmadi concluiu a história, só gostaria de ter visto um pouco mais além, que o livro tivesse mais umas 30 páginas depois do fim. Mas mesmo assim foi uma história que valeu a pena ler e que eu recomendo a todos vocês de olhos fechados. Se joguem nessa leitura e se apaixonem assim como eu.

*Resenha postada originalmente no @blogmaisquelivros.

icon-newsletter

Não perca nenhuma novidade!

Veja os posts relacionados


Deixe seu comentário